Parte II – A Aprendizagem e as Relações Interpessoais no Ambiente de Trabalho: O Caso do “Apart-hotel P”

Relações Interpessoais

As relações interpessoas, como a própria nomenclatura evidencia, são as relações que ocorrem entre as pessoas, isto é, são relações de comunicação humanas, sejam formais ou informais. As relações formais são de ordem organizacional, laboral, hierárquica ou não, mas mantém-se com certo protocolo e etiquetas próprias. Diferentemente é o caso das relações humanas informais, os relacionamentos que mantemos com nossos colegas de trabalho ou em nossa vida social não seguem protocolos organizacionais e nem cerimonial especial, ou seja, estas relações interpessoais informais se dão na vida social em geral.

Os homens têm como uma de suas necessidades básicas o anseio por comunicação, no entanto cada indivíduo é um mundo próprio que precisa ser “lapidado e aberto” para procurar entender o contexto em que se encontram os seus interlocutores, em outras palavras é necessária uma empatia para uma relação interpessoal mais eficiente e eficaz.

Particularmente no ambiente de trabalho deve-se ter em mente o objetivo fim de sua atividade laboral e isso em concordância com a missão, visão e valores da empresa em que os colaboradores estão inseridos.

O saber só é compartilhado plenamente quando o ambiente laboral propicia um adequado comportamento organizacional, para isso é importante um ambiente de sinergia, empatia e aberto à discussão e ao debate. O gestor de equipes deve cunhar um ambiente de informação, interação e aproveitamento para todos.

Quando falamos em relações interpessoais no ambiente de trabalho, lembramo-nos das três inteligências básicas que são ali expostas: QI – Quociente Intelectual, QE – Quociente Emocional, e o QS – Quociente Espiritual (do inglês “spiritual quocient” de Danah Zohar). Não pretendo aprofundar aqui nem um destes pontos, mas apenas lembrar que estas inteligencias fazem parte dos seres humanos e todas elas são consideradas cientificamente, especialmente no ambiente de trabalho.

Cabe ao gestor ter consciência da existência dessas inteligências e observar em seu pessoal as múltiplas inteligências conhecidas cientificamente e convocar, se julgar necessário, testes com profissionais especializados a fim de identificar o perfil de “inteligências” de seus colaboradores.

Porém, ainda no âmbito das relações interpessoais, podemos nós mesmos enquanto gestores identificar muitos traços de relacionamento de nossos colaboradores. Isso se alcança através de conversas informais no cafezinho, no coffee break, em um almoço descerimonioso, festas e encontros sociais com nossos colaboradores, etc.

Ambiente de Trabalho

Ambiente de trabalho é todo e qualquer local físico e social[1] que tem como propósito as atividades laborais. Então o ambiente de trabalho é dividido em físico e social, ou seja, as relações interpessoais que são desdobradas no trabalho fazem parte de um ambiente social que é desenvolvido em um ambiente físico.

Portanto para uma relação interpessoal mais eficiente e com resultados mais eficazes para a empresa, torna-se necessário que se pense em um ambiente físico o mais adequado e agradável possível, sendo bem climatizado, iluminado e com layout producente, entre outros fatores.

É fato que os ambientes influem nas pessoas tanto quanto estas podem influir nos ambientes. Então é fator preponderante que o gestor de equipes procure cultivar um ambiente física e socialmente propiciador de trocas, e harmônicos às atividades laborais.

No Próximo topico: O caso dos relacionamentos interpessoais no “Apart-hotel P” / Considerações Finais e Reflexões / Bibliografia e Referências Bibliográficas


[1] Há evidentemente algumas rarissimas atividades laborais que podem exemir-se de um contato social, mas estas são excessões, a grande maioria de ambiente de trabalho tem um espaço físico e uma necessidade de relações humanas. E portanto há um ambiente social.

Benito Pepe

Benito Pepe: Empresário há mais de 30 anos, Administrador, Filósofo, Astrônomo Amador, Colunista, Palestrante, Instrutor e Professor Universitário. Tem formação acadêmica na área de Administração com pós-graduações em: Administração estratégica de empresas; Marketing; Filosofia Contemporânea; e Filosofia Antiga. Publica Aqui, seus textos sobre Filosofia, Astronomia, Administração, Marketing, Religião, Assuntos da Atualidade, além de um Papo geral.

4 comentários em “Parte II – A Aprendizagem e as Relações Interpessoais no Ambiente de Trabalho: O Caso do “Apart-hotel P”

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.