O Poder do Foco, Percepção Seletiva e o Sistema de Ativação Reticular

Este texto que segue e que tenho orgulho em publicar, faz parte da monografia do meu amigo e colega prof. Leandro Marcelino de Lima. Poderíamos também intitular este trecho como “atenção seletiva”, com a leitura atenta você perceberá porque, para isso tenha foco na leitura. Vamos ao texto:

O assunto do foco e da atenção vem sendo objeto de estudos tanto da Psicologia como da Neurociência Cognitiva, dentre outras disciplinas (LIMA, 2005). Os mecanismos responsáveis pelo controle da atenção possibilitam a interação do indivíduo com o meio ao seu redor de forma organizada, voluntária e involuntária. Tais mecanismos têm relação direta com os processos de ensino e aprendizagem uma vez que estes solicitam certos níveis de atenção para que os estudantes alcancem seus objetivos.

Segundo Ferraz (2005 citando JAMES, 1890, p. 375), a atenção pode ser entendida conforme a citação abaixo:

“Todos sabem o que é a atenção. É a ação de tomar posse realizada pelo espírito, de forma clara e vívida, de um entre outros vários objetos ou séries de pensamentos simultaneamente possíveis. Focalização, concentração da consciência são sua essência. Implica o afastamento de algumas coisas para ocupar-se efetivamente de outras, e é em condição que tem seu contrário real no estado confuso, ofuscado e desregrado, que em francês se chama distraction e em alemão Zerstreutheit.”

A partir da citação acima, observa-se que o ato de concentrar a atenção em algo, focar, requer a ação de realizar “o afastamento de algumas coisas para ocupar-se efetivamente de outras”, assim como as pessoas fazem quando querem estudar e se isolam em um quarto fechado, querem namorar e vão para um lugar reservado e aconchegante, querem trabalhar seu lado espiritual e buscam um ambiente propício para isso, querem crescer na vida e melhorar seus rendimentos financeiros e buscam cursos e livros a respeito, dentre inúmeros outros exemplos. Todas estas situações servem ao princípio de selecionar os estímulos e informações que se deseja, afastar-se de fontes de distrações externas e concentrar a atenção, manter o foco em algo em especial, algo que realmente seja desejado, a fim de se obter um melhor resultado.

Quando se fala em “selecionar o que se deseja” entende-se uma ação de filtragem de estímulos e informações que serão ou não percebidas pelos nossos sentidos. Essa função de selecionar o que a pessoa notará ou não conscientemente, compete a estrutura cerebral conhecida como Sistema de Ativação Reticular (SAR), que atua com uma espécie de filtro que só nos permite perceber as informações e estímulos que estão no foco da nossa atenção, que são importantes para o nosso intuito. Essa estrutura também atua como um potencializador que amplia, amplifica a nossa percepção para tudo aquilo que está relacionado com o objeto do nosso desejo principal ou foco de atenção, orientando o nosso comportamento e evidenciando a importância de se manter em mente bons estímulos e influências positivas (LIMA, 2005; ROBBINS, 1993).

Um exemplo clássico da atuação do SAR é aquele de quando uma pessoa, por exemplo, compra um carro ou apenas começa a desejar muito adquiri-lo e como que num passe de mágica, de repente começa a ver pessoas e mais pessoas passando com aquele veículo da mesma forma, cores e detalhes que ela também deseja. Será mesmo que de uma hora pra outra aquele veículo entrou pra moda e todas as pessoas deram um jeito de comprá-lo ou será que a mudança ocorreu na sua forma de ver as coisas ao seu redor?

A resposta está na segunda opção. Foi o foco de atenção, a percepção do indivíduo que se alterou quando o mesmo começou a desejar aquele objeto em particular e então atribuiu maior importância ao mesmo. Neste momento, o SAR recebeu a mensagem de que deveria selecionar predominantemente as informações referentes aquele objeto e relegar a um segundo plano tudo que não se relacionasse com o mesmo, ou pudesse de alguma forma contribuir positivamente para sua conquista. Ou seja, o objeto agora em foco sempre esteve lá, as pessoas sempre passavam pelo indivíduo com ele, mas como não era importante, como não estava no foco, a pessoa simplesmente não os via.

Para o processo de Coaching e o de ensino e aprendizagem no geral é especialmente importante compreender tais mecanismos descritos acima, porque muitas vezes todo um processo educativo pode ficar comprometido simplesmente porque o aprendiz não levou em conta a importância de ter um foco definido e de concentrar sua atenção nele, ou então porque o ambiente não proporcionou ao mesmo a desejada filtragem de estímulos e informações que poderiam favorecê-lo em seu desenvolvimento.

Entende-se então com isso, que não só para o processo de Coaching, mas para tudo na vida, aquilo em que concentramos a nossa atenção e o nosso foco se fará mais presente em nosso dia-a-dia, influenciando diretamente nas nossas possibilidades de ação e comportamento. Uma pessoa que direciona seu foco para acontecimentos ruins, por exemplo, estará levando seu SAR a ampliar sua percepção para este tipo de ocorrência e influenciando a pessoa a ver o mundo ao seu redor de uma forma negativa.

Da mesma forma, seu crescimento pessoal também está sob a igual influencia e relação, de modo que a medida que esta direcionar predominantemente seu foco de atenção para as fontes de estímulos, informações, orientações, estratégias, pessoas, atividades, coisas e fatos que possam contribuir positivamente para o seu crescimento e desenvolvimento, mais recursos e oportunidades começarão a ser notados por essa pessoa, ampliando suas possibilidades de escolha e podendo acelerar seu processo de crescimento como um todo.

            “Aquilo que prende a atenção determina a ação.”

William James

Por:

            Professor Leandro Marcelino de Lima, extraído de sua monografia de graduação intitulada: Coaching – Construindo um modelo mental de sucesso: A Educação Física em prol do Desenvolvimento do Potencial Humano (março/2011).

Instituto de Educação Física e Desportos da Universidade do Estado do Rio de Janeiro.

Abraços do Benito Pepe

Referências bibliográficas

LIMA, Ricardo Franco de. Compreendendo os mecanismos atencionais. Ciências e Cognição. Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP), Campinas, SP, Brasil. v. 06; p. 113-122. 2005. Disponível em: http://www.cienciasecognicao.org/pdf/v06/m24554.pdf. Acessado em: 11/03/2011.

FERRAZ, Gustavo Cruz. Consciência e atenção: Algumas considerações acerca das abordagens de William James e Aron Gurwitsch. 2005. 110 f. Dissertação (Mestrado em Psicologia) – Universidade Federal do Rio de Janeiro. Instituto de Psicologia / Programa de Pós-Graduação em Psicologia, 2005.

Benito Pepe

Administrador, Filósofo, Astrônomo Amador, Colunista, Palestrante, Instrutor e Professor Universitário. Tem formação acadêmica em: Administração de Empresas, com pós-graduações em: Administração estratégica de empresas; Marketing; Filosofia Contemporânea; e Filosofia Antiga. Publica seus textos sobre Filosofia, Astronomia, Administração, Marketing, Religião e Assuntos da Atualidade, além de um Papo geral.

5 1 Vote!
Article Rating
Se inscreva
Avise-me de
10 Comentários
Mais antigo
Mais novo Mais votado
Feedbacks em Linha
Ver Todos os Comentários
Andréa
9 anos atrás

Parabéns..adorei seu texto!.. você.. foi bem inteligente.. com suas palavras…

9 anos atrás

Olá minha querida Andrea. Muito obrigado pelos parabéns e elogios. Fico feliz com sua visita e comentário. Continue acompanhando as publicações do site, pois tem sempre um artigo muito interessante a sua espera. Um forte abraço e seja sempre bem vinda!

Valeria
9 anos atrás

Estimado amigo,estou impressionada com o conteúdo e teor das explicações! Parabéns! Vc sempre muito articulado e esclarecido…enfim,amei!

9 anos atrás

Minha grande amiga Valéria, que bom receber sua visita e comentário. Muito obrigado por suas palavras e parabéns. Fique a vontade para visitar sempre o site. Estaremos sempre postando artigos interessantes e relacionados a tudo que dialogamos a tempos.

José Maria Dias
9 anos atrás

Senhor professor Leandro:
Não tenho o prazer de conhece-lo, quero lhe dá os meus parabéns pelo enrequecimento no site do meu amigo Benito com o seu inteligentissimo texto.
Na minha modesta opinião, o foco da atenção de um individuo, leva-o à uma vida regrada ou não, para mim a percepção depende destes dois fatores para um dia a dia normal ou não. Criar e manter um estilo de vida saudável, é focalisar em sí mesmo toda sua atenção. Abandonar antigos hábitos ruins, pode ser desafiador, e até mesmo pequenas mudanças em geral exigem forte motivação.
Para mim, o individuo é exatamente o que define o seu foco de atenção para consigo mesmo, pois ninguém jamais poderá alimentar-se por ele.
Foi um prazer ler o seu texto, e um grande abraço para o senhor e para o meu amigo Benito.
J.M.dias

10
0
O que Pensa? Deixe seu Comentário.x
()
x