Páscoa é Renascer, é Vida Nova! É Passagem

Quando falamos em Páscoa vem para a maioria das pessoas a lembrança da ressurreição de Cristo, isso é a páscoa para os cristãos, aliás essa é a essência do cristianismo, o Cristianismo não teria nascido se Jesus Cristo não tivesse ressuscitado, essa é a prova que os discípulos precisavam para crer nos ensinamentos do mestre. Seguimos com o texto Páscoa é Renascer, é Vida Nova! É Passagem.

Esse tema foi um dos primeiros artigos que desenvolvi há alguns anos atrás com o título: “o que é Páscoa, qual a origem da Páscoa?” Ainda hoje vemos pessoas que não compreendem a importância da Páscoa para o Cristianismo e há outras pessoas que não têm a menor ideia do que seja a páscoa, pensam somente em ovos de páscoa, coelhinhos de páscoa e outras coisas mais , estimuladas pelo comércio.

Precisamos lembrar que a páscoa tem relação com a quaresma, com o carnaval e com a Semana Santa, que começa no domingo de ramos e termina no domingo de páscoa, passando pela 5ª feira Santa, 6ª feira da Paixão de Cristo e o  Sábado de Aleluia. Enfim chegamos ao ápice do Cristianismo o Domingo da Páscoa e todos os domingos desde então passam a ser o dia do Senhor, há uma música cristã que diz assim: “Hoje é domingo dia do Senhor, nossa igreja está sempre cheia de cristãos em oração, porque hoje é domingo dia do Senhor…”

Visite meu Canal no YouTube

(Visite o meu Canal no YouTube, tenho também um vídeo falando da Páscoa. A propósito se Inscreva e Ative o sininho para Receber as Novas publicações em primeira mão, ok)

Sobre o Carnaval e a Páscoa

O carnaval é uma festa de origem pagã, o Cristianismo a toma como a despedida (da carne) antes da quaresma, terminando na 4ª feira de cinzas, se quiser saber mais leia: “o que é carnaval, qual é a origem do carnaval?” Aí podemos ver que, da mesma forma que o Natal, o Carnaval “perde sua origem”, toma um “viés cristão” e aos poucos vai retomando sua origem pagã, a partir do momento em que estas festas, tanto o Natal, quanto o Carnaval vão perdendo suas importâncias apoderadas e adaptadas ao cristianismo e vão voltando a ser festas pagas, pois as pessoas não se lembram nem do aniversariante, no Natal, nem da quaresma que vai entrar após o Carnaval e agora está ocorrendo o mesmo com a Páscoa…

A festa mais importante do Cristianismo e sua origem através da ressurreição de Jesus não pode ser esquecida, esperamos que a festa da páscoa possa voltar às suas origens religiosas, surgidas com os Judeus, antes para comemorar a libertação da escravidão do Egito, e  depois com os Cristãos também é uma passagem, mas agora muito mais fundamental…. Bem, a única coisa que gostaria de acrescentar é: não viva a Páscoa como uma festa pagã, lembre-se do motivo da Páscoa, lembremo-nos dos nossos ancestrais… FELIZ PÁSCOA!!

Espero que tenha apreciado o texto: Páscoa é Renascer, é Vida Nova! É Passagem, Então deixe seu comentário…

Abraços do Benito Pepe

Benito Pepe

Administrador, Filósofo, Astrônomo Amador, Colunista, Palestrante, Instrutor e Professor Universitário. Tem formação acadêmica em: Administração de Empresas, com pós-graduações em: Administração estratégica de empresas; Marketing; Filosofia Contemporânea; e Filosofia Antiga. Publica seus textos sobre Filosofia, Astronomia, Administração, Marketing, Religião e Assuntos da Atualidade, além de um Papo geral.

5 1 Vote!
Article Rating
Se inscreva
Avise-me de
5 Comentários
Mais antigo
Mais novo Mais votado
Feedbacks em Linha
Ver Todos os Comentários

[…]  Páscoa é renascer, é Vida Nova! É Passagem. […]

José Maria Dias
10 anos atrás

É meu camarada ! Mais uma vez vou postar um comentário sôbre este texto, e dizer que concordo plenamenta com você, quando diz que: infelizmente esta festa continua cada vez mais pagã.
A Páscoa chegou. Melhor do que os sinos, as multidões alegres a anunciam. Sozinho e melancólico, afasto-me da multidão. Penso no filho do Homem que nasceu e viveu no desnudamento, e morreu crucificado. Penso naquele Fogo Divino que o Espírito acendeu numa pequena aldeia síria e que sobreviveu aos séculos e marcou todas as civilizações.
No parque deserto, um homem também sòzinho, parecia estar à minha espera. Sentou-se ao meu lado e começou a desenhar na areia figuras misteriosas. Suas vestes eram modestas, mas dêle emanava uma grandeza inexprimível.
O senhor é talvez um estrangeiro nesta cidade? Perguntei-lhe com simpatia. Eu sou um estrangeiro nesta cidade e em qualquer outra cidade.
Mas nestes dias festivos, o estrangeiro esquece a amargura do exílio e se deixa consolar pela afeição dos coraçoes abertos.
Eu sou um estrageiro nestes dias mais ainda do que nos outros.
E êle dirigiu ao céu cinzento um olhar sonhador como se estivesse procurando no além uma pátria desconhecida.
Observei-o novamente, e disse:
Parece-me que o senhor está em necessidade. Não aceitaria minha ajuda?
Sim, respondeu com tristeza, estou em necessidade, mas não preciso de dinheiro.
E de que precisa?
Preciso de um abrigo. Preciso de um lugar onde descansar a cabeça. Mas já que lhe estou dando dinheiro, poderá alojar-se num hotel.
Já fui a todos os hotéis: ninguém me aceitou. Já bati a tôdas as portas sem emcontrar um amigo.
Venha então comigo. Passará a noite em minha casa.
Mil vêzes já bati à tua porta; mas nunca me abriste, e agora, se soubesses quem sou, não me convidarias.
E quem é o senhor?
Eu sou a Revolução que derruba o que os séculos estabeleceram. Sou o furacão que arranca as raizes dessecadas, Sou aquêle que traz ao mundo a justiça e não a piedade.
Disse isso e levantou-se. Sua estatura era alta, e sua voz profunda como a noite, evocava o tumulto de tempestades lingínquas.
Depois, sua fisonomia iluminou-se. Estendeu os braços, e vi nas suas mãos traços de pregos. Joguei-me aos seus pés, balbuciando;
Jesus, o Nazareno…
E ouvi-o dizer…
O mundo celebra meu nome e as tradições que os séculos teceram em volta de meu nome; mas permaneço um estrangeiro, percorrend o universo e atravessando os séculos sem encontrar, entre os povos, quem compreenda minha verdade. ” As rapôsas tém covis, e as aves do céu tem ninhos; mas o filho do Homem não tem onde reclinar a cabeça.” Quando ergui os olhos, nada mais vi senão uma coluna de incenso; e ouvi um eco de trovoadas vindo da eternidade.
Meu caro irmão camarada, a fonte desta compilação é AS MAIS BELAS PÁGINAS DA LITERATURA ÁRABE TRADUZIDA POR MANSOUR CHALLITA, E O AUTOR DO CONTO ‘ A PRESENÇA INVISÌVEL ‘ É GIBRAN.
E mais uma vez, para você e todos da familia uma ótima Páscoa, pois tenho certeza de que:, você colocará o nosso Grande Mestre, em primeiro lugar, antes de qualquer comemoração.
Um grande abraço do amigo J.M.Dias

10 anos atrás

Olá meu camarada JM Dias, linda mensagem e têm tudo a Ver com o texto, PARABÉNS!!!

Abraços do Benito Pepe

lalah s2
9 anos atrás

muito bom, adoreii

9 anos atrás

Oi lalash, que bom que vc tenha gostado!
Abraços, Benito Pepe

5
0
Deixe seu Comentário...x
()
x