A Importância do Relacionamento Empresarial e do Tempo

Quando falamos em relacionamento estamos nos referindo a troca de informações, experiências, prazeres e dificuldades, entre tantas e tantas outras situações que o relacionamento nos propiciam. Quando se fala de Relacionamento Empresarial não é diferente. Marcello Pepe, criou o Relaciono exatamente para isso, a fim de que empresários pudessem se reunir e criar grupos de relacionamentos,  grupos estes que estão se espalhando pelo Brasil, onde se debate e troca-se experiências. Além disso, com o tempo, vai se conquistando uma confiança mútua e a “rede de trabalho” vai sendo tecida paralela e progressivamente.

Nessas reuniões sempre há algum tema para Debate e Reflexão, um deles fala sobre a questão do Tempo. Vamos ver uma pequena estória e um apanhado do debate sobre este tema.

O Lenhador sem Tempo

Um caçador saiu para o seu dia de lazer e, ao entrar na floresta, encontrou um forte lenhador que tentava derrubar uma árvore. Ele passou o dia todo caçando e, ao retornar para o seu hotel, passou novamente pelo lenhador, que ainda continuava tentando derrubar a mesma árvore.

O caçador percebeu que o machado utilizado pelo lenhador não estava afiado.

Disse, então, ao lenhador:

– por quê você não Afia esse Machado?

O lenhador lhe respondeu:

– Não posso. É mais uma atividade para fazer e eu não tenho tempo.

Bem, amigo leitor,  o que você diria quanto a esta questão do tempo?

Vejamos uma síntese de alguns dos comentários:

* Sucessoorganização. Precisamos saber utilizar e organizar o nosso tempo…

* Com nosso tempo bem administrado e dedicado ao cliente (tanto aos externos quanto aos internos), podemos customizar melhor nossos produtos e serviços a fim de, além de atender bem nossos clientes, poder encantá-los.

* Comentou-se também sobre o exemplo Americano em que se pergunta para os amigos e familiares: – como foi o teu dia? o que você fez hoje?

Com isso se pode refletir a utilização do nosso tempo, de dia para dia, analisando-se o que temos feito do nosso tempo, esse bem tão precioso.

* Uma dica quanto ao Afiar o Machado é, faça pesquisas, esse tempo é ganho ao não se desperdiçar, “custo”, “esforço” e  “tempo”, esse é um processo de racionalização, ou seja um caminho que nos proporcionará economia de custo, esforço e tempo.

* Precisamos cuidar da Saúde: Física, Familiar, Intelectual (espiritual), Social (no sentido de responsabilidade social) e Financeira.

Bem amigo leitor,  esta é uma síntese muito sucinta do debate, é preciso estar presente para usufruir profundamente dos assuntos, é como falar da cor Vermelha sem nunca poder vê-la, o “cego” nunca poderá saber como é esta ou outras cores… mas se você enxerga, veja as cores, veja o seu tempo.

Há pessoas que dizem que não têm tempo livre para mais nada a não ser para as atividades que já fazem no dia a dia. Quanto a isso eu dou um pequeno exemplo para mostrar-lhe que você tem tempo sim, basta ver o que você está priorizando… por exemplo se você soubesse agora mesmo que em um supermercado próximo à sua casa, ou seu trabalho, está havendo uma promoção que dura uma hora, ou seja dentro de um tempo hábil e possível para você chegar ao mercado,  e essa promoção é: Venha ao mercado “Tal” e ganhe agora mesmo um vale compras no valor de R$ 100.000,00 para você gastar no que quiser e quando quiser. Você iria até o mercado? Você acharia o tempo para ir lá? Lembro que é algo certo (não é um concurso). Você vai não é mesmo? Onde está o teu Valor, aí está o teu Coração e o Teu Tempo.

Abraços do Benito Pepe

Sobre a questão do tempo leia também este artigo:

O Tempo está Passando Mais Rápido?

Outros Artigos Relacionados:

Quem mexeu no meu Queijo?


 

Benito Pepe

Benito Pepe: Empresário há mais de 30 anos, Administrador, Filósofo, Astrônomo Amador, Colunista, Palestrante, Instrutor e Professor Universitário. Tem formação acadêmica na área de Administração com pós-graduações em: Administração estratégica de empresas; Marketing; Filosofia Contemporânea; e Filosofia Antiga. Publica Aqui, seus textos sobre Filosofia, Astronomia, Administração, Marketing, Religião, Assuntos da Atualidade, além de um Papo geral.

13 comentários em “A Importância do Relacionamento Empresarial e do Tempo

  • em
    Permalink

    Olá Benito!
    Parabéns pelo texto, vou tomar a liberdade de acrescentar alguns elementos à ele ..

    Somos muito diferentes em diversos aspectos, mas uma delas que bem nos diferencia é estar pautado em frente à duas decisões.Um primeiro grupo de pessoas são aquelas que fazem e o segundo grupo são aquelas que “pensam em fazer”.Aqui não está em questão o que deve ser feito, pelo contrário, cada um ordena suas decisões baseadas no que, naquele determinado contesto, é coerente ser feito. E sim, a questão do por quê de algumas pessoas não realizarem o que melhor lhes caberia, guiando-se então para as afirmações de fuga, onde uma delas é o “não ter tempo”.
    O processo lógico da realidade, ressaltando ainda seus diferentes contextos, possibilitam a visão de um todo. É nessa base que produzimos todo o nosso conhecer ou melhor a aceitação de um determinado conhecimento. É muito coerente nos utilizarmos desta base para tomarmos decisões, porém ela não se forma somente de um raciocínio puro; mas pelo contrário, na interação com as “bases externas” de conhecimento(por isso o papel da interação).É neste contesto de possibilidades que faremos os melhore julgamentos, sabendo analisar e ordenar logicamente toda e qualquer informação, de uma forma em que ela possa se tornar validada, mesmo que temporariamente.Sendo que o mundo dos homens é uma construção de sistemas lógicos que nos cercam.
    Quando enxergamos as possibilidades(premissas) de uma forma geral, poderemos melhor optar, visando à um objetivo agora claro.O que ocorre é que muitas pessoas não conseguem ver as coisas “do alto” (como um todo; início, meio e fim).Sendo assim, seus pilares são conseqüentemente bambos. Agora me diga, por que alguém faria um esforço para realizar algo que não está convencido de que realmente é importante? A questão é exatamente esta, quem não pode ver o todo( da realização de algo) nem tem condições de escolher, e quem o vê, certamente o prioriza. Pois ele passa a ter sentido ele é aceito como tal, pelo fato de seus meios ou processos serem justificáveis perante o objetivo final. Sendo que uma pessoa em seu estado “natural” irá concretizar (uma forma de dar consistência ao objetivo), o que mais lhe for exato. Ou não?.Então não adianta dizer que muitas pessoas não encontram tempo para fazerem o que acreditam, elas simplesmente não acreditam totalmente, e por isso não o priorizam.Tempo,(claro que depois de suprido as necessidade básica de sobrevivência, como o trabalho para a alimentação..)quando encontramos a noção dele e de tudo que por nós poderia ser desempenhado, o agarramos mesmo escondido entre as muralhas da modernidade.

  • em
    Permalink

    Cara Amiga Filósofa Taci, obrigado pelo profundo e extenso comentário com viés filosófico, quanto ao tema aqui apresentado. Comentários desse nível merecem um artigo próprio, quando quiseres, meu Site estará disponível para você.

    Aviso aos amigos leitores que leiam mais de uma vez o comentário da Taci, se você ler uma vez só não vai extrair as entrelinhas.

    Bem Taci, Há muitos tópicos interessantes que você abordou, mas vou tocar só em alguns…

    Quanto às pessoas serem muito diferentes, não há dúvida, além de diferentes (cada um tem uma individualidade própria), temos incógnitas que nem mesmo nós conhecemos hehe

    Com relação ao “ver as coisas do alto” você me faz lembrar a ideia de floresta, uma grande parte das pessoas estão na sua “árvore” e não enxergam a floresta por completo, é preciso subir até o topo, ou melhor, até uma montanha próxima para poder enxergar a floresta no seu todo. Aí entra a importância do relacionamento, entre outros fatores.

    Por fim você toca na questão da “crença”, é verdade tudo na vida depende do que acreditamos. Se uma pessoa não acredita, não vai funcionar pois ela não vai dar os mínimos passos para a realização, mas o pior é que tem pessoas que acreditam mas vivem como se não acreditassem. Exemplo: há muitos “crentes” que dizem: “eu acredito em Deus”, mas vivem como se ele não existisse… assim é para tudo na vida, precisamos viver em coerência com nossas crenças.

    Abraços do Benito Pepe

  • Pingback:Quem mexeu no meu Queijo? | Benito Pepe

  • Pingback:Formação de Preços, um momento importante dos 4ps | Benito Pepe

  • Pingback:A Importância do Treinamento. Treinar pra que? | Benito Pepe

  • Pingback:O Feedback na Empresa e em Nossa Vida Pessoal | Benito Pepe - Palestras, Treinamento de Equipes e Cursos

  • em
    Permalink

    adorei o vosso contributo no que se refere ao tema abordado isso nos ajudara mais no relacionamento entre nos os funcionarios de determinadas organizacoes ou seja empresa,continuem assim,e espero que abordem mas temos relacionados a empresa ;como,administracao no contexto da epoca do capitalismo e socialismo”AMO-VOS”fuiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiii

  • em
    Permalink

    Olá Jurema, obrigado pelo teu comentário e pela tua sugestão, esse tema: Administração no contexto do Capitalismo e Socialismo me parece Bem atrativo, vou pensar no assunto e publicar algo…

    Abraços, Benito Pepe

  • Pingback:A Importância do Treinamento. Treinar pra que? | Blog da Coldwell Banker Brasil

  • em
    Permalink

    Boa tarde, gostei muito da ilustração da floresta, pois ilustra muito bem a questão de relacionamento, é necessário ter consistência(coerência), para que isso aconteça é preciso conhecer bem aquilo que vai ser passado., quando conhecemos , passamos com clareza e isso transmite confiança; quando essas três caracteristicas estão alinhadas podemos enxergar oportunidades, mas sem o devido conhecimento, não temos segurança e só enxergamos ameaças.
    Fique com Deus
    Robson Bittencourt

  • em
    Permalink

    Olá Robson! Muito obrigado pelo teu comentário. Volte sempre.

    Abraços, Benito Pepe

  • em
    Permalink

    Belo texto, Taci.

    Só leia um pouco mais a gramática, pois os erros ortográficos destruíram a coerência de seu argumento complementativo.

  • em
    Permalink

    Olá Rafael, obrigado por contribuir…

    Abraços, Benito Pepe

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.