A Contagem do Tempo e o Calendário Gregoriano

Em Primeiro lugar como vamos falar da  Contagem do Tempo e do Calendário… Agora: FELIZ 2013!!

 Para falarmos da contagem do tempo e do nascimento do calendário, temos que lembrar que o homem desde que começou a pensar, de maneira racional e isso parece ser bem remoto, sempre se preocupou com a observação do Céu, ainda que para se guiar através do Sol ou das Estrelas.

O homem naturalmente observou que o Sol aparece em um ponto do Céu (leste) vai “subindo” até o ponto mais alto do Céu (zênite) e vai embora em outro ponto do Céu (oeste), dessa maneira se dá o dia e a noite. Notou-se que a Lua vai mudando de fase durante o transcorrer dos dias, assim passaram a chamar de mês cada vez que a lua completasse uma nova fase, isso se dá em mais ou menos  29 dias e 12 horas.  Observaram também que a cada dia o Sol “nascia” em um ponto um pouquinho diferente do anterior “caminhando” mais para o Norte ou para o Sul, e verificaram que quando o Sol nascia em determinado ponto, estavam em uma certa estação do ano: Verão, Outono, Inverno ou Primavera.

Dessa maneira o homem, ainda que sem possuir os conhecimentos de astronomia que temos hoje, pôde fazer um calendário e identificar quando chegaria a estação que lhe interessava. Com isso ele passa a dispor de um conhecimento básico para saber a melhor época para plantar, para viajar, e muitos povos calculavam quando seria melhor conceber (ou engravidar), a fim de ter um clima mais apropriado, etc.

Conhecer os dias, os meses e o ano foi uma “simples” questão de observação da natureza. Eles verificaram que o “tempo” era cíclico e que o clima voltava de época em época a ter as mesmas características.

O que eles “não sabiam” é que a Terra dá uma volta ao redor do Sol e que isso leva um ano ou seja 365 dias. Para ser mais preciso, o tempo que a Terra leva para voltar ao mesmo ponto em torno do Sol é de 365 dias, 5 horas, 48 minutos e 45,2 segundos, daí a necessidade do ano bissexto e dos acertos no calendário de tempos em tempos tais como a cada ciclo de 400 anos (começou-se em 1600), seria bissexto também, mas 1700, 1800 e 1900 não o foram. Assim o ano de 2000 foi bissexto e 2100, 2200 e 2300 não o serão.  Ou seja só serão bissextos os anos seculares divisíveis por 400.

A pesar de todo esse malabarismo com o acerto do calendário ainda há um resíduo de 26,8 segundos por ano, o que na soma a cada 400 anos equivale a um total de 2 horas, 58 minutos e 40 segundos em relação à realidade astronômica. Nessa proporção haverá uma defasagem de um dia a cada 3.223 anos, há uma ideia para corrigir isso tornando comum o ano 4000 que seria bissexto pela regra de Gregório.

Este calendário que o mundo ocidental e grande parte do mundo globalizado usa é o Calendário Gregoriano fundado pelo Papa Gregório XIII em 24 de fevereiro de 1582, depois de longos 5 anos de estudos e a fim de substituir o calendário Juliano. A contagem oficial começou em 15 de outubro de 1582, quando se “eliminou” dez dias (de 5 a 14 de Outubro de 1582), a fim de se acertar a defasagem do tempo das estações com a realidade do Céu, etc.

Cada “Ano” é uma “volta completa” em torno do Sol dada pelo Planeta Terra ou qualquer outro Planeta, cada Planeta leva  uma quantidade diferente de dias para completar esta volta, do ponto de vista terrestre, considerando o nosso dia de “24 horas”,  Mercúrio demora só 88 dias, Marte leva 687 dias para dar a volta ao redor do Sol e a Terra, como dissemos, demora um pouco mais de 365 dias. Isso significa, na verdade, que um ano, quando não for bissexto (com 366 dias) não se dá exatamente na zero hora do dia 1º de Janeiro mas em algumas horas depois… algo como 5h 48m 45,2s.

Interessante é que a cada ano novo o povo está ligado no Calendário que vai surgir: 2010, 2011, 2012, 2013…  no entanto muitos nem sabem ou lembram que acabamos de dar uma volta ao redor do Sol, e vamos começar uma nova volta, falo com um tom poético… a propósito e de qualquer maneira podemos lembrar de “dar a volta por cima” no ano que passou e pensar no ANO NOVO e parafraseando nosso amado Compositor e Doutor em Zoologia Paulo Manzolini, dizer: “Levanta Sacode a poeira e dá a volta por cima” aliás esta expressão ficou famosa por causa dessa música. E falando-se em “poeira”, lembremo-nos que somos poeira das estrelas… como menciono no artigo> A Origem do Universo e da Vida.

Tem gente que diz que o “Tempo está passando mais rápido”, mas será que isso está mesmo ocorrendo? Há quem diga que o tempo não existe e que isso é apenas uma “convenção humana”. Bem, o que importa mesmo é vivermos o Nosso Tempo com felicidade e alegria. Precisamos estar em Sintonia com o Tempo, mas não necessariamente com o Calendário, aliás calendários existem muitos e diversos, alguns já até foram extintos…

Para saber mais ou ler sobre esta questão do Tempo e do Calendário sugiro alguns livros:

Sobre o Tempo” de Norbert Elias, este autor alega que o tempo não existe em si,  você pode adquirir clicando Aqui!

 

Recomendo o livro “Panorama visto do centro do Universo: a descoberta de nosso extraordinário lugar no cosmos” de Joel R. Primack e Nancy Ellen Abrams, este livro é muito interessante em vários aspectos e tem um capítulo especial sobre o Tempo, em uma panorâmica filosófica astronômica. Para adquirir clique Aqui!!

O Tempo que o Tempo tem: por que o ano tem 12 meses e outras curiosidades sobre o calendário” de Alexandre Cherman e Fernando Vieira.

Espero que tenha uma boa leitura e um Bom Tempo…

Abraço do Benito Pepe

Benito Pepe

Benito Pepe: Empresário há mais de 30 anos, Administrador, Filósofo, Astrônomo Amador, Colunista, Palestrante, Instrutor e Professor Universitário. Tem formação acadêmica na área de Administração com pós-graduações em: Administração estratégica de empresas; Marketing; Filosofia Contemporânea; e Filosofia Antiga. Publica Aqui, seus textos sobre Filosofia, Astronomia, Administração, Marketing, Religião, Assuntos da Atualidade, além de um Papo geral.

18 comentários em “A Contagem do Tempo e o Calendário Gregoriano

  • Pingback:Feliz Ano Novo!! Feliz 2010!! | Benito Pepe

  • em
    Permalink

    mas que dever! pesquisar sobre isso. deus me perdoa, viu?!

  • em
    Permalink

    Olá Talita, deveres sao para serem cumpridos, às vezes eles sao compridos outras não ehhehe.

    Abraços do Benito Pepe

  • em
    Permalink

    Gostei do assunto!

    Muitas pessoas não procuram saber nem sobre elas mesmas, quais dessas iriam querer saber sobre o tempo?
    Vale a pena continuar escrevendo para quem aprecia. Além do mais, se todos gostassem das mesmas coisas o mundo seria um tanto monótono.

    Abraços.

  • em
    Permalink

    Olá Taci, obrigado pelo comentário. O assunto é mesmo muito intrigante e há quem nem mesmo pense sobre ele, aliás a quem não pense sobre nada, há “homens” e há vegetais e outros animais… de qualquer maneira quem serão os mais felizes? Os que pensam ou os que nao pensam? Bem eu sou feliz pensando, mas há momentos que eu prefiro nao pensar… este é um dos temas sobre o qual penso reflito e questiono.

    Abraços do Benito Pepe e volte sempre!

  • em
    Permalink

    não me mostrou nada que eu queria

  • em
    Permalink

    Olá Edmary, o que você procura? Talvez você esteja procurando no lugar errado.
    Caso eu possa te ajudar, conte comigo.

    Abraços do Benito Pepe

  • em
    Permalink

    Me ajudou no trabalho de história!

  • em
    Permalink

    Caro amigo Benito. Desde que o mundo é mundo, sempre existiu a preocupação dos povos de uma forma ou de outra, mesmo na mais primitiva.época. Uma preocupação na contagem dos movimentos dos Astros, pois deste movimento, dependia as sobrevivências de seres animados ou inanimados, pois tudo é uma combinação de coisas em seus devidos lugares; o tempo que o planeta Terra leva para dá a volta em torno do Sol, para mim é de grande influencia e primordial na sobrevivência de tudo aquilo que tem vida em nosso planeta. Pois cada ser vivo, depende de uma estação do ano para sobreviver, uns vivem melhor na Primavera, outros preferem o Verão, Outono e Inverno, tanto no hemisfério Sul como no hemisfério Norte. Principalmente porque, dificilmente alguma coisa viva sobrevive fora de sua época, e naturalmente é necessário recorremos ao calendário para podermos planejar, sem erros aquilo que almejamos para tempos futuros. O pior de tudo meu camarada, e que infelizmente hoje em dia, o individuo dificilmente se preocupa em planejar sua vida, e muito menos aquilo que vai fazer, ou seja faz tudo aleatoriamente e não pensa ou não quer ter o trabalho de pensar, e acabam nada fazendo de concreto em suas vidas, e quando recorrem ao calendário percebem que o tempo que tinha foi todo gasto em coisas vãs e que o calendário jamais volta atrás. O sujeito tem que se conscientizar que o calendário foi feito, para no presente idealizarmos aquilo que almejamos para o futuro e jamais pensarmos voltar ao passado, pois voltar ao passado é sofrer duas vezes, e são coisas que os anos não trazem mais, que ficou para traz. Eu pessoalmente não vivo de frustrações passadas, procuro sempre viver o presente, porque mesmo quando chegar o futuro estarei vivendo aquele presente. E agora estou escrevendo este comentário no presente, porem quando você estiver lendo, já é um futuro bem próximo, e naquele momento desejo-lhe um grande abraço, e que Deus te Abençoe, do amigo J.M.Dias

  • em
    Permalink

    Falou e disse meu caro JM Dias! mas a questão do calendário não é tão simples quanto parece, na verdade ele é uma invenção humana e muitos pensam se renovar com ele a cada ciclo que passa…. Mas isso é uma doce ilusão…
    Abraços, Benito Pepe

  • em
    Permalink

    TUDO É MENTIRA QUEM SABE DAS COISAS É Deus!!!

  • em
    Permalink

    Olá Elaine Obrigado pelo comentário! è isso mesmo, mas é bom lembrarmos que somos a imagem e semelhança de Deus, certo?

    Abraços, Benito Pepe

  • em
    Permalink

    FOI MUITO BOM CONSIGUI A MINHA NOTA MAXIMA EM HISTORIA.
    BJM
    KAKAU

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.