Construindo Pontes ao invés de Muros

Dois irmãos que moravam em fazendas vizinhas, separadas apenas por um rio, iam se visitar todos os dias à noitinha. As duas fazendas ficavam bem de frente uma a outra, eles podiam se ver, mas a distância não permitia um diálogo a não ser com o esforço de uma caminhada. Cada dia um deles caminha por longo tempo até chegar a uma ponte distante, atravessa-la e caminhar mais um tempo até encontrar-se com o outro irmão em sua fazenda.

Ao se encontrarem diariamente à noitinha conversavam muito e depois aquele que foi ao encontro do outro voltava para a sua casa, eles se amavam muito e faziam isso todos os dias.

Mas um dia tudo mudou. Entraram em conflito. Foi a primeira grande desavença em toda uma vida de trabalho lado a lado. Mas agora tudo havia mudado. O que começou com um pequeno mal entendido, finalmente explodiu numa troca de palavras ríspidas, seguidas por muito e muito tempo de total silêncio. Eles podiam se ver do outro lado do rio, mas um virava a cara pro outro quando isso ocorria.

Numa certa manhã, o irmão mais velho ouviu baterem à sua porta.

– Estou procurando trabalho, disse um homem com aspecto de carpinteiro. Talvez o senhor tenha algum serviço para mim.

– Sim, disse o fazendeiro. Claro! Vê aquela fazenda ali, além do riacho? É do meu vizinho. Na realidade é do meu irmão mais novo. Nós brigamos e não posso mais suportá-lo. Vê aquela pilha de madeira ali no celeiro? Pois use para construir uma cerca bem alta, assim eu não o verei mais…

– Acho que entendo a situação, disse o carpinteiro. Mostre-me onde estão os materiais.

O irmão mais velho entregou o material e foi para a cidade.

O homem ficou ali cortando, medindo, trabalhando o dia inteiro.

Quando o fazendeiro chegou, não acreditou no que viu: em vez de cerca, uma linda ponte foi construída ali, ligando as duas margens do riacho.

Era um belo trabalho, mas o fazendeiro ficou enfurecido e falou:

– Você foi atrevido construindo essa ponte depois de tudo que lhe contei.

Mas as surpresas não pararam ai. Ao olhar novamente para a ponte viu o seu irmão se aproximando de braços abertos. Por um instante permaneceu imóvel do seu lado do rio.

O irmão mais novo então falou:

– Você realmente foi muito amigo construindo esta ponte mesmo depois do que eu lhe disse.

De repente, num só impulso, o irmão mais velho correu na direção do outro e abraçaram-se, chorando no meio da ponte. O carpinteiro que fez o trabalho partiu com sua caixa de ferramentas.

– Espere, fique conosco! Tenho outros trabalhos para você, e você poderá morar aqui por quanto tempo quiser até por toda sua Vida, pois eu estava separado do meu irmão, sem Vida e você nos proporcionou nossas Vidas de Volta.

E o carpinteiro respondeu:

– Eu gostaria muito, mas tenho outras Pontes a Construir, e outras Vidas a Restaurar…

Podemos refletir com esta fábula e questionarmo-nos: Qual é o nosso Papel na “Sociedade” em que estamos inseridos? Procuramos construir pontes ou muros?

Abraços, Benito Pepe

Assista a um Vídeo com esse tema apresentado por mim em uma palestra.

Benito Pepe

Benito Pepe: Empresário há mais de 30 anos, Administrador, Filósofo, Astrônomo Amador, Colunista, Palestrante, Instrutor e Professor Universitário. Tem formação acadêmica na área de Administração com pós-graduações em: Administração estratégica de empresas; Marketing; Filosofia Contemporânea; e Filosofia Antiga. Publica Aqui, seus textos sobre Filosofia, Astronomia, Administração, Marketing, Religião, Assuntos da Atualidade, além de um Papo geral.

14 thoughts on “Construindo Pontes ao invés de Muros

  • 18 de setembro de 2015 em 1:13 AM
    Permalink

    Boa noite, professor.
    Linda fábula! Sou sua aluna de administração, sempre ouço em sua aula a respeito do seu blog e textos, realmente são palavras que nos fazem parar para refletir e agregar valor.
    Agradeço por me proporcionar essa leitura maravilhosa e abençoada.
    Sucesso!

    Resposta
  • 20 de setembro de 2015 em 6:28 PM
    Permalink

    Valeu Fernanda Romão! Obrigado pelo carinho do comentário, volte sempre!

    Abraço, Benito Pepe

    Resposta
  • 14 de novembro de 2020 em 5:15 PM
    Permalink

    Bacana, muito interessante! Pontes fazem as ligações muros nos separam.

    Resposta

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.