O Feedback na Empresa e em Nossa Vida Pessoal

Este é um tema discutido há muito tempo e não há dúvida, todos concordamos quanto a importância do feedback. No entanto muitas vezes não entendemos bem o poder transformador que este “simples” retorno pode nos proporcionar. Vamos discorrer sobre esse tema somando um compendio extraído de um debate em nossa reunião no grupo Relaciono, você entenderá o que muitos bons empresários pensam a esse respeito.

Evidente que cada texto que escrevo tem muito de mim mesmo e este não foge a regra, portanto vou dar um depoimento pessoal. Desde jovem sempre me preocupei em ouvir das pessoas como eu estava me saindo em uma função ou tarefa específica. Quando eu sabia que estava indo bem, procurava manter o ritmo e melhor ainda mais para manter os elogios e os resultados, quando percebia através do feedback que precisava mudar alguma postura, assim o fazia.

É através de um bom Feedback, (ou realimentação) que podemos saber que vamos alcançar mais facilmente a excelência, a propósito se você fizer como todos fazem, você não estará fazendo nada de mais, você simplesmente será mais um… Se você quer somar na empresa, ser imprescindível e quer transformar sua vida, seja diferente, seja excelente, ou melhor seja excepcional. Seja o Tal… Não há como você ser o famoso “Fulano de Tal” se você não Transforma sua Vida Pessoal e Profissional.

Uma das questões que precisamos lembrar é que o mundo é transformado pelos “marginais” no bom sentido. São os que vão à margem, são aqueles que saem do fluxo normal do rio que modificam o mundo. Todos os que fogem do padrão da normalidade, podem contribuir para o progresso do mundo e da humanidade. Portanto seja um marginal… Saia da normalidade, seja o Tal.

Tanto na empresa quanto em nossa vida pessoal, uma das maneiras de se obter o feedback é abrindo verdadeiramente o nosso coração para o outro. Da mesma maneira, para se dar feedback para nossos colegas de trabalho ou amigos pessoais, é necessário estarmos abertos para ouvir os nossos equívocos, onde estamos errando e onde podemos melhorar. Certamente teus colegas vão te ouvir melhor se você também estiver propenso a ouvi-los.

Não há como transformar a vida dos outros se não transformarmos a nossa vida, há quem tenha uma vida muito nobre em todos os sentidos, mas não há quem não precise modificá-la para melhor, sempre temos o que melhorar. Podemos e devemos buscar a melhoria constante como o faz a filosofa KaiZem – qualidade em melhoria continua.

Em nossos treinamentos de equipes e principalmente nas Palestras e Cursos de “Relações Interpessoais e o Ambiente de Trabalho” destacamos uma dinâmica bem simples quanto a questão do feedback, pedimos para que todos anotem em uma folha enumerando suas qualidades e pontos fortes, aí as pessoas normalmente fazem um lista grande. Depois damos outra folha e pedimos para as pessoas anotarem seus defeitos e pontos em que precisam melhorar…  Nesta folha há poucas anotações e há até pessoas que não conseguem encontrar nenhum defeito em si ou pontos a melhorar.

Podemos observar com esta dinâmica que é muito fácil encontrar os erros nos outros, no entanto complicado achar os nossos próprios erros e pontos em que precisamos corrigir ou melhorar. Essa dinâmica tem muitos detalhes e processos que não vou me estender aqui em expor, mas se você tiver interesse em saber mais pode entrar em contato comigo, terei grande prazer em apresentar uma palestra em sua empresa.

Um dos motivos principais do feedback é sem dúvida a busca da melhoria constante, é necessário ao se solicitar, ou ao se passar o  retorno para alguém, dizer com todas as letras que o objetivo é nossa melhoria, além do mais podemos lembrar que ninguém se preocupa com os filhos do outros, nos preocupamos com os nossos, ou seja ao dar o feedback você quer o sucesso do teu “filho”. Quem não ama não dá feedback, quem ama dá sua opinião. Portanto o retorno é a realimentação…

Só podemos corrigir nossos “defeitos” se tivermos consciência de que eles existem e ninguém pode modificar agente, só nós mesmos o podemos fazer.

Para uma realimentação recíproca satisfatória é necessário fazermos reuniões constantes. È através da reunião que podemos expor e ouvir o feedback. É necessário, no entanto, que essas reuniões sejam orquestradas e bem organizadas para que não virem “uma máquina de lavar roupas”, lavar roupa suja só na lavanderia… Aproveito para lembrar que reclamações e “puxada de orelha” devem ser feitas em particular, não em uma reunião de feedback. A Reunião de feedback deve ter como principal pilar o progresso e a busca da melhoria constante, ela deve começar inclusive apontando os pontos positivos dos colegas de trabalho, precisamos amar nossos colaboradores, lembrar que todos temos defeitos e qualidades e quando a diferença entre ambas for positiva, ou seja, as qualidades sobram, o sucesso está no caminho correto.

Quando você está em dúvida quanto ao teu desempenho ou atitude, pergunte a um colega mais intimo o que ele acha, faça um simpósio com outros colegas de fora daquele grupo, ouça muito e veja onde você pode melhorar.

Acima de tudo você precisa ouvir a você mesmo. Você precisa fazer uma auto-analise tanto da sua vida pessoal quanto profissional, não há como alcançar o desenvolvimento e o sucesso se você não estiver em sintonia com os seus quatro pilares da vida: Deus, a Família, o Trabalho e o Lazer.  A chave do feedback é ouvir em primeiro lugar a você mesmo, ouvir e analisar a tua vida.

Só podemos alcançar equilíbrio e sintonia com nossos pilares da vida, se nos preocuparmos com o feedback, não há crescimento sem ouvirmos com atenção aos outros e a nós mesmos. Para isso precisamos exercitar nossa comunicação em todos os sentidos. Muitas vezes pensamos que uma coisa é obvia e deixamos de falar, mas o óbvio também precisa ser dito. É obvio para agente, mas será obvio para o outro? É bom lembrarmos que cada um encontra uma “obvialidade” diferente em suas tarefas, funções e atribuições da vida…

Outro ponto interessante é fazermos um feedback de nossas próprias reuniões e encontros de feedback, ou seja, faça um feedback do feedback. Para tanto alguns pontos podem ser relembrados: é preciso haver educação nas reuniões, cada um deve ter a sua hora de falar, todos falaram? Todos foram ouvidos ou só escutados? É claro que há momentos de brainstorming (“tempestade cerebral” ou tempestade de ideias), mas o importante é que todos sejam ouvidos. Cada um deve falar como vê a situação do outro na empresa mas não pode ser um “lavar roupa suja” e sim um feedback para o progresso. Por isso há a necessida de uma maestria nas reuniões em que um coordenador, líder ou gerente deve manter a ordem com liberdade mas não permitir a libertinagem, ou seja, nao se pode dar um excesso de liberdade.

A empatia deve ser lembrada e vivenciada nas reuniões e portanto o mesmo deve ocorrer em uma reunião de feedback. Neste mesmo conjunto de pensamento sabemos que pessoas que não gostam de pessoas não gostam de feedback, o retorno é algo humano, é algo que só gente que é gente gosta de ter.

Por fim lembramos o exemplo de uma empresa em que havia quatro diretores que pensavam exatamente igual, certo dia o seu presidente necessita tomar uma decisão séria, chama os quatro diretores narra um fato e faz a mesma pergunta a cada um deles: o que você faria nesta situação? Interrogou o presidente. O mais velho, o Sr Pedro, disse: eu faria isso e isso, senhor presidente. O segundo diretor completou – eu também, e o terceiro endossou – eu também…. O presidente disse: vocês três estão despedidos, se vocês sempre pensam igual ao Sr Pedro eu não preciso de vocês três, um diretor é suficiente.

A questão é bem simples, somos seres humanos e é bom que sejamos diferentes uns dos outros, é  bom que pensemos de maneira diferente, é dessa forma que podemos progredir, assim o mundo pode ter a diversidade que tem. E é através do diálogo e do feedback que progredimos para a excelencia. O mundo só Progride quando somos mestres capazes de fazermos discípulos que nos superem, e melhor é quando podemos ter ao nosso lado colegas de trabalho, familiares e amigos que são mais sábios que nós, assim também progredimos, para tanto sejamos como Sócrates que dizia: eu só sei que nada sei. Dessa maneira você terá e fará um bom feedback em sua vida Profissional e Pessoal.

Abraços do Benito Pepe

Benito Pepe

Benito Pepe: Empresário há mais de 30 anos, Administrador, Filósofo, Astrônomo Amador, Colunista, Palestrante, Instrutor e Professor Universitário. Tem formação acadêmica na área de Administração com pós-graduações em: Administração estratégica de empresas; Marketing; Filosofia Contemporânea; e Filosofia Antiga. Publica Aqui, seus textos sobre Filosofia, Astronomia, Administração, Marketing, Religião, Assuntos da Atualidade, além de um Papo geral.

5 comentários em “O Feedback na Empresa e em Nossa Vida Pessoal

  • em
    Permalink

    Meu querido amigo Benito.

    Vou falar sobre “ feedback “ , que, entendo como auto estima de cada individuo, e que verdadeiramente é o retorno daquilo que ele faz por si mesmo.
    Bom, em uma grande empresa, geralmente tem várias dezenas de funcionários espalhados em cada um dos seus setores.
    Vamos imaginar estas dezenas de empregados, reunidos num grande pátio, para ouvir uma equipe de palestrantes, sobre os temas da gestão da empresa.
    Meu camarada, ser um rosto na multidão, basta fazer parte da multidão, agora ser notado, é preciso que o individuo seja o tal, o cara, em fim algo de especial, se não ele será simplesmente um rosto na multidão.
    Vamos fazer uma comparação: no mundo inteiro existem milhões de desportista em várias modalidades, porém somente um em sua modalidade recebe o prêmio de melhor do mundo. Como também, no meio artístico os melhores e mais destacados recebem o seus prêmios, que é o Oscar, já no meio intelectual e científico os mais destacados e que lutaram por alguma causa, ganham o Nobel relativo aquilo que cada um foi o melhor.
    Voltando a reunião inicial, os palestrantes começam a mostrar a cada um, daqueles que fazem parte da multidão, que: eles também podem, e deve lutar, para ser o cara, o tal e receber o seu prêmio, por ter se destacado, e deixar de ser apenas um rosto na multidão.
    É só ele querer crescer e transformar sua vida que o “ feedback “ aparecerá, não somente no ambiente de trabalho, como também em tudo que lhe diz respeito.
    É comum nas grandes empresas, notarmos o retrato de um funcionário que se destacou durante o mês, eu pergunto, isto só, já não é um prêmio? No meu entender, ali começa um incentivo para que os demais colegas de trabalho comessem a lutarem, para na próxima reunião não serem somente um rosto na multidão, e sim um sujeito que lutou para ter o seu feedback reconhecido pela empresa em que trabalha.
    E é claro, ser reconhecido no meio da multidão, como um destaque da sua empresa e um exemplo de vida em sua família, e por todos aqueles que o rodeiam. Si cada um lutasse por isto, nós teríamos um mundo bem mais humano e próspero, e vida seria, logicamente bem diferente.
    Bom meu camarada, fica a critério de cada um, criar o seu feedback para que o seu retorno seja mais vantajoso.
    E mais uma vez aquele abraço do amigo J.M.Dias

  • em
    Permalink

    Olá meu camarada JM dias. Obrigado pelo comentário está bem completo, nada a acrescentar nem considerar…

    Abraços, Benito Pepe

  • Pingback:O Problema da Satisfação Intrínseca no Cargo e o Feedback | Benito Pepe - Palestras, Treinamento de Equipes e Cursos

  • em
    Permalink

    Olá!!
    Estive lendo sobre seus artigos e suas paletras…vim parabenizá-lo por suas conquistas!!!!
    Abraços.
    Ana.

  • em
    Permalink

    Olá Querida Ana, obrigado pela visita e pelo depoimento. Esteja à vontade para comentar tudo o que você quiser, ok?

    Abraços do Benito Pepe

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.