De quem é a responsabilidade pela qualidade de Vida no ambiente de trabalho e; Conclusão deste Texto

Concluindo esse texto…

3.8. Responsabilidade Pela Qualidade de Vida no Ambiente de Trabalho

Normalmente procura-se passar a responsabilidade para a outra parte, porém é importante relembrar que somos produto do meio, mas também influímos no meio.

Desta maneira não podemos esquecer que o mundo é hoje o que é pelo processo de anos e anos modificados pela influência dos nossos antepassados que geraram a história da humanidade. Da Mesma forma ocorre em nossas empresas, que neste caso, em períodos bem menores é capaz de absorver as influências recíprocas: tanto recebe como influi no ambiente.

Como diz Bom Sucesso (1997)

Além de constituir responsabilidade da empresa, qualidade de vida é uma conquista pessoal. O auto conhecimento e a descoberta do papel de cada um nas organizações, da postura facilitadora, empreendedora, passiva ou ativa, transformadora ou conformista é responsabilidade de todos: acionistas, diretores, técnicos, profissionais das diversas categorias e níveis hierárquicos. Um gesto cada atitude, qualquer proposta, todo silêncio determinam um desenho de organização. (p.47).

Com este enfoque podemos perceber que em um ambiente seja ele qual for, não seremos apenas figurantes em cena, mas sim co-autores e protagonistas que são influenciados pelo meio mas também influenciadores no meio.

Importante também é efetuar-se temporariamente uma pesquisa de clima e de qualidade de vida na empresa, evidentemente esta pesquisa retratará as expectativas dos indivíduos e como eles percebem a empresa, desta forma saberemos se o marketing interno está sendo bem elaborado e difundido pelos colaboradores da empresa saindo de dentro de nossa organização e passando para o mercado externo.

Esta pesquisa é de suma importância e da mesma forma que fazemos pesquisas de mercado para analisar novos entrantes ou concorrência, etc. precisamos fazer também, e acima de tudo este levantamento do nosso “mercado” interno ou melhor nossa clientela interna. Desta forma saberemos como anda o ambiente interno como um todo, da forma como ele é percebido por nosso público.

Observamos que nas pequenas empresas, quando muito, estas pesquisas são feitas de maneira informal, na verdade a maioria das empresas não procura fazer pesquisas quanto ao seu público interno.

Da mesma forma nós investigamos que os funcionários destas pequenas empresas, não procuram em termos gerais, a busca por esta qualidade de vida pessoal, fato este que ocorre por diversas questões, entre elas, possibilidades de “encontrar tempo”, questões de ordem financeira ou por acharem que a empresa deve estar separada de suas vidas particulares. Na prática muitos não se dão conta, como já dissemos, que passam a maior parte de suas vida dentro do ambiente de trabalho. Outros porém, reconhecem que a qualidade de vida no trabalho também depende deles e buscam isto com empenho.

CONCLUSÃO

Começamos este estudo através de uma reflexão quanto aos ambientes e as possíveis influências que estes poderiam propiciar aos indivíduos. Imaginamos diversos locais dos mais heterogêneos admissíveis, experimentamos que verdadeiramente alguns destes ambientes como por exemplo um shopping center, um casamento formal em uma igreja, um baile de carnaval, uma discoteca, as areias das praias do Rio de Janeiro, em suma, diversos ambientes influem no comportamento das pessoas e evidentemente na maneira em que agem nestes distintos locais.

Partindo desta premissa, criamos a hipótese que o mesmo poderia ocorrer nos ambientes de trabalho. Enfocamos os ambientes das pequenas empresas, o qual fez parte deste estudo. Principiamos buscando as questões que mexem nas emoções e por conseguinte movimentam as pessoas, algumas teorias motivacionais foram analisadas, diversos componentes do ambiente físico, e alguns fatores intrínsecos às pessoas também não foram perdidos. Pois como vimos o ambiente distingue-se entre o físico e o social.

O endomarketing ou marketing interno, que engloba a contratação, o treinamento, a motivação dos funcionários das empresas e, faz a comunicação fluir de forma integrada, tem como principal objetivo criar relacionamento com estes clientes internos. Verificamos que nas pequenas empresas em sua maioria não se vive esta questão, não se fazem pesquisas quanto ao clima organizacional, e com raras exceções há treinamentos. Porém de forma empírica e informal algumas destas empresas estão bem sintonizadas com seu pessoal, isto se reflete pelo fato de, em grande parte, estas empresas serem familiares e dirigidas pelo próprio dono, que desta forma está mais próximo de sua equipe e não se utiliza hierarquia intermediária.

Muitos dos funcionários destas pequenas empresas, tem uma afinidade bem estreita com a diretoria, fator este que dificilmente ocorre em grandes empresas, alguns também se sentem um pouco donos da empresa, e desta forma não só recebem a influência, como influem diretamente no ambiente, tanto no físico como no social.

As necessidades dos seres humanos são bem amplas e fazem parte de escalas diferenciadas de indivíduo para individuo. Constatamos que nestas empresas, via de regra, o enfoque está nas necessidades básicas. Porém existindo também uma necessidade de estima e relações sociais bem apurada em muitos membros destas empresas.

Muitos destes colaboradores têm consciência e percebem que permanecem mais tempo no ambiente de trabalho do que eu seus lares, e por este motivo procuram fazer do seu ambiente de trabalho o mais agradável possível, buscam assim harmonizar-se com os colegas e com a diretoria da empresa.

Se tivéssemos que sintetizar os sentimentos ou desejos destes funcionários, utilizaríamos a frase “alegria no ambiente de trabalho”, é o que demonstra que por viverem mais com os colegas de trabalho do que com seus familiares, sentem este desejo, e alguns não possuem outros grupos sociais além do trabalho.

Percebemos que todos os aspectos do ambiente físico e o social no trabalho podem se entrelaçar influindo um no outro, em termos gerais podemos afirmar que as condições físicas favoráveis ao trabalho influem no relacionamento com os clientes internos, tanto quanto estes funcionários podem, através de suas opiniões e condutas sociais influir no ambiente físico.

Da mesma forma as relações interpessoais dentro da empresa, o endomarketing se reflete fortemente nos clientes externos que vivenciam desta forma a realidade vivida dentro da empresa.

Como disse um funcionário: “quando estamos alegres fazemos sorrir nossos clientes,” e é evidente que a alegria no ambiente de trabalho é a melhor maneira de fazermos o marketing interno aflorar para os clientes externos.

Abraços do

Benito Pepe

Bibliografia e Referências Bibliográficas

Próximo tópico: Anexo I (Questionário usado nesta pesquisa) e; Dedicatória e agradecimentos.

Benito Pepe

Benito Pepe: Empresário há mais de 30 anos, Administrador, Filósofo, Astrônomo Amador, Colunista, Palestrante, Instrutor e Professor Universitário. Tem formação acadêmica na área de Administração com pós-graduações em: Administração estratégica de empresas; Marketing; Filosofia Contemporânea; e Filosofia Antiga. Publica Aqui, seus textos sobre Filosofia, Astronomia, Administração, Marketing, Religião, Assuntos da Atualidade, além de um Papo geral.

3 comentários em “De quem é a responsabilidade pela qualidade de Vida no ambiente de trabalho e; Conclusão deste Texto

  • em
    Permalink

    Caro Benito.
    Excelente a abordagem do presene artigo sobre qualidade de vida no trabalho. Mas, como a crise atual pode afetar a qualidade de vida no trabalho, devido ao clima de incerteza que vivemos? Esse fator externo e involuntário da organização pode ser amenizado?
    terenzio

  • em
    Permalink

    Caro Terenzio,

    Falar em Ambientes de trabalho é sempre complexo independentemente da situação econômica do país ou da empresa, mas é claro que em momentos de incertezas econômicas a situação se dramatiza muito. Como você deve ter observado nesse texto, eu divido os ambiente em Físico e Social e reflito sobre as influências mútuas de um sobre o outro. Em um momento econômico pautado em incertezas, é muito raro uma empresa que pense em investir no ambiente físico e mesmo no seu pessoal, mas é evidente que o maior patrimônio de qualquer empresa é o “seu” Pessoal, sendo assim é aí que não se pode “relaxar” nas atenções. O ambiente físico, o estoque, as “estruturas” da empresa poderão ser reerguidas a posteriori, através de crédito por exemplo, mas o seu pessoal precisa do “crédito” de imediato, e é certo que em um momento econômico como este em que passa o mundo, todos os que não forem “Águias” em suas funções não “voam”, caem e morrem… Assim ocorre com as empresas e com o próprio pessoal, não há como amenizar a situação a não ser para os “águias”…

    Terenzio, obrigado por sua contribuição e esteja à vontade para postar outros comentários neste ou em outros artigos.

    Abraços do Benito Pepe

  • Pingback:As Relações no trabalho e os fatores que Influenciam reciprocamente nos ambientes, tanto o Social como o Físico. | Benito Pepe

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.