O que são pequenas empresas e; A Empresa Familiar


O que são Pequenas Empresas? (2.1.1)
No item anterior demos alguns exemplos de empreendedores e suas empresas. Na verdade, caracterizar uma empresa quanto a ser pequena, média ou grande não é tarefa muito simples.

Podemos pensar em uma empresa como a Coca-Cola, e evidentemente todos vamos afirmar que é uma grande empresa, isto é fácil. Podemos dizer que a Fiat ou a GM são grandes empresas, também é fácil entendermos isso. Mas isso é obvio para empresas que tem seu capital aberto e possuem uma marca conhecida no mundo e podem ser comparadas com outras do mesmo setor.

Conforme comenta Longenecker (1997)

Especificar qualquer padrão de tamanho para definir pequenas empresas é algo necessariamente arbitrário porque as pessoas adotam padrões diferentes. Os legisladores, por exemplo, podem excluir as pequenas empresas de certas regulamentações e especificar 10 empregados por limite. Além disso uma empresa pode ser descrita como “pequena” quando comparada com empresas maiores, mas “grande” quando comparada com menores. (p.27).

Para o caso de empresas que não sejam conhecidas e que não tenham seu capital aberto é preciso alguns parâmetros. E para isto, é possível por exemplo, medir-se o número de empregados, o faturamento anual, o valor do seu patrimônio entre outras comparações possíveis.

Como vimos, pode-se considerar a categoria de uma empresa de várias formas e no caso tributário no Brasil se divide diferentemente se considerarmos tributos Federais, Estaduais ou Municipais. Desta maneira constatamos que até mesmo neste campo há controvérsias. Mas de qualquer forma daremos um exemplo pela receita federal:

– Microempresas faturamento anual de até R$ 120.000,00

– Pequenas empresas (ou empresas de pequeno porte) faturamento anual acima de R$ 120.000,00 indo até R$ 1.200.000,00.

O conceito de microempresa e pequena empresa segundo a lei que as rege diz o seguinte:

Conceito de microempresa e empresa de pequeno porte:

a) microempresa
Lei anterior (Lei nº 8.864/94): 250 mil UFIRs
Pelo novo Estatuto: R$ 244.000,00

b) empresa de pequeno porte:
Lei anterior (Lei nº 8.864/94): 700 mil UFIRs
Pelo novo Estatuto: R$ 1.200.000,00

Como podemos notar, estes novos limites de receita bruta anual não se confundem com o previsto na lei do Simples, para a qual, microempresa é aquela que tenha receita bruta igual ou inferior a R$ 120.000,00 e empresa de pequeno porte que estiver entre R$ 120.000,00 e R$ 1.200.000,00 (exceto para os Estados e Município que aderiram ou venham a aderir ao Simples, caso em que EPP não poderá ultrapassar a R$ 720.000,00).

Como se pode verificar com os exemplos acima, até mesmo para a receita federal e com os comentários feitos, vemos que os critérios são muito amplos e versáteis, e desta maneira teríamos ainda outras formas de considerações legais para a divisão das empresas quanto ao seu porte.

O mais importante é sabermos quais critérios queremos usar, e desta forma entendermos o perfil da empresa.

Para este nosso trabalho consideraremos as seguintes características para as empresas alvo de nossa pesquisa:

– Empresas que tenha algo em torno de 10 funcionários.

– Empresas que sejam conhecidas no seu setor de atuação, tendo alguma relevância e importância entre os colegas concorrentes.

– Não consideraremos faturamento, nem volume de vendas mas sim sua competência no setor de atuação.

Uma Distinção nas Pequenas Empresas – A Empresa Familiar (2.1.2)

Evidentemente existem algumas diferenças entre uma empresa grande e uma pequena ou micro empresa. Embora o tamanho de uma empresa não menospreze sua administração, é claro que influi diretamente nos relacionamento internos e no marketing interno. Isto não significa que uma pequena empresa não possa ser uma “grande” empresa embora pequena, e o contrário também ocorre uma empresa grande pode ser “pequena” nos seus relacionamentos de marketing interno.

Agora uma das distinções que gostaria de comentar é que a maioria das empresas no mundo segundo Drucker (2002) são controladas e administradas por famílias e não apenas as empresas de pequeno e médio portes. (p.324).

Mas o que queremos salientar aqui é que a imensa maioria das empresas, algo entorno de 99% de todas as empresas constituídas no Brasil, são pequenas e micro empresas, sem considerar o imenso número das informais.

Naturalmente uma empresa pequena, de capital fechado, é sem dúvidas, quase que em sua totalidade, formada por membros da família, ou no mínimo com a “alta direção” e tomada de decisões confinadas aos familiares e donos.

Aqui começa uma das diferenças entre uma pequena empresa e uma grande empresa de capital aberto. É exatamente o fato de quem a dirige, quem é o gerente, ou seja normalmente os relacionamentos com os clientes internos, os colaboradores da pequena empresa se dão diretamente da alta administração para os funcionários, ou seja não há intermediários ou quando muito um ou dois gerentes. Isto freqüentemente ocorre nas pequenas empresas.

Segundo Drucker, e concordamos com ele, não se dá muita atenção à empresa familiar e a suas particularidades.

… os livros e cursos de administração tratam quase exclusivamente da empresa de capital aberto e administrada por profissionais – raramente tocam, se é que tocam, nas empresas administradas por famílias. É claro que não há nenhuma diferença entre empresas administradas por profissionais e empresas administradas por membros de uma família em relação ao trabalho funcional: pesquisa, marketing ou contabilidade. Mas no que diz respeito à administração, a empresa familiar requer regras próprias e muito diferentes, as quais tem de ser estritamente observadas. Se não for assim, a empresa administrada por famílias não sobreviverá, e muito menos prosperará. (p.324).

Como vimos, está ai, observado por Drucker, uma das distinções entre as administrações das empresas. Enfocamos sobretudo a administração e o marketing interno das pequenas, pois sabemos que além desta distinção mais ampla, mencionando empresas familiares, temos outra grande diferença que é o tamanho da empresa.

Em uma empresa pequena, normalmente, se pode conhecer todos os departamentos ou divisões e se conhecer, pelo menos, todo o seu funcionamento. É como, vivenciar os primórdios da industrialização. Quando uma pessoa queria, por exemplo, uma simples cadeira. Ela se dirigia ao marceneiro e podia acompanhar todo o processo de fabricação daquele bem, desde o corte da madeira, cerramento das partes para compor o objeto, o aparafusamento, etc. Assim o marceneiro sentia-se feliz e realizado por executar uma tarefa completa.

Em uma empresa grande, ao contrário, muitas vezes, se soube no passado, havia alguma frustração dos operários que na fábrica faziam tarefas específicas e repetitivas à exaustão sempre da mesma forma e restrita a algo como ou cortar ou aparafusar, ou transportar. Em outras palavras havia a sensação de não poder completar o objeto, era como se ele não tivesse participado na construção do produto.

Outra coisa que ocorre em empresas pequenas é que o feedback com a direção pode ser instantâneo, e muitas vezes ocorre não só dentro da empresa mas fora dela, em momentos informais. É mais fácil, naturalmente, se encontrarem todos os membros de uma pequena empresa do que os de uma grande empresa. Desta forma ocorre também entre os membros da direção que , normalmente sendo familiares, estarão em casa, ou em uma festa de família ou seja lá onde for encontrando-se freqüentemente.

Para ilustrar esta situação posso citar alguns momentos pessoais que tive com meu pai, em que não só na empresa, mas até mesmo na praia tomando uma cervejinha, surgiam oportunidades para trocarmos alguma informação, e era sempre um momento de aprendizado com aquele que foi com certeza um grande mestre em minha vida.

Drucker, quando fala de empresas familiares, enfoca as médias e grandes empresas, deixando um pouco de lado as pequenas e micro empresas, mas de qualquer forma podemos extrair um bom conhecimento deste que é considerado o pai da administração. Ele cita por exemplo algumas regras que devem ser seguidas para que a empresa familiar não sucumbe:

A primeira regra é que os membros da família não deverão trabalhar na firma a não ser que sejam, no mínimo, tão competentes quanto qualquer outro empregado que não seja da família e trabalhem, pelo menos, com o mesmo afinco .(p.325).

A segunda regra também é igualmente simples: não importa quantos membros da família façam parte da administração da empresa nem seu grau de competência; um dos cargos mais alto será sempre ocupado por alguém de fora, que não é membro da família.(p.326).

A regra número três é aquela em que a empresa administrada por uma família, exceto as muito pequenas, precisa ocupar um número cada vez maior de cargos-chave com profissionais não-parentes.(p.326).

Como vimos apesar de Drucker enfocar empresas maiores, não podemos desconsiderar suas observações quanto a empresas familiares. Ele cita também, embora possa parecer estranho, a “empresa familiar” mais antiga do mundo que, segundo ele, é a Máfia. Como podemos ver no filme, “o poderoso chefão”, a segunda pessoa mais poderosa das famílias da máfia é o consigliere, o advogado que pode até não ser siciliano.

Como Drucker comenta “A dinâmica de crescimento da economia está se deslocando rapidamente das empresas gigantes para as de médio porte, e estas costumam ser controladas e administradas pelo dono.” Ele conclui afirmando que “a palavra de peso na expressão “empresa familiar” não é “familiar”. Tem de ser a palavra “empresa”.” (p.328).

Drucker pretende com isso demonstrar a importância que se deve ter para com os cargos na empresa. E a independência e autonomia, de forma que a empresa possa continuar, crescer e passar de geração a geração sem sucumbir.

Abraços do Benito Pepe

Benito Pepe

Benito Pepe: Empresário há mais de 30 anos, Administrador, Filósofo, Astrônomo Amador, Colunista, Palestrante, Instrutor e Professor Universitário. Tem formação acadêmica na área de Administração com pós-graduações em: Administração estratégica de empresas; Marketing; Filosofia Contemporânea; e Filosofia Antiga. Publica Aqui, seus textos sobre Filosofia, Astronomia, Administração, Marketing, Religião, Assuntos da Atualidade, além de um Papo geral.

5 comentários em “O que são pequenas empresas e; A Empresa Familiar

  • Pingback:Distinção entre os Ambientes: Físico e Social na Pequena Empresa (2.1)

  • em
    Permalink

    olá li suas publicações foram muito importantes para elaboração de um trabalho, faço faculdade de administração e procuro sempre algo diferente. precisava de algumas coisas relaionadas a Marketing nas pequenas empresas para elaboração do meu tcc….

  • em
    Permalink

    Olá colega Solange, completando sua solicitação como você mandou no e-mail dizendo:

    “ola boa tarde, entrei nste site por um acaso e foi muito bom adorei, me interesso por estes assuntos porque estou no 4º ano de administração e preciso fazer meu tcc o assunto é: estrategia de marketing nas pequenas empresas. será que poderia me ajudar! queria apresentar um otimo trabalho, moro no interiror não tenho muitas idéias…agradecida”

    Bem, colega Solange o meu trabalho no campo de Marketing ficou restrito ao marketing interno (também chamado endomarketing) neste campo eu tenho publicado todo o meu trabalho, o meu tema, como você já deve ter visto no meu site foi: “Ambiente de trabalho nas pequenas empresas e o marketing interno (endomarketing)”.

    O que te sugiro seria ler toda esta minha monografia, você nota que no final de cada postagem há um link para a continuação da mesma, ok?

    No mais, é importante você solicitar uma bibliografia ao teu orientador.Veja também a minha bibiografia quanto a este texto e outros de Administração e Marketing que estão postadas neste site.

    Quanto a estratégia de marketing nas pequenas empresas, se o teu tema já foi aceito ou sugerido pelo teu orientador, você deve agora ir especificando o que você quer dizer sobre o assunto, e definir a linha de pesquisa, será de campo (?) bibliográfica (?) ambas (?) etc. veja o modelo de como fiz a minha monografia… conforme forem surgindo dúvidas faça seu contato, ok?

    Abraço do Benito Pepe

  • em
    Permalink

    gostaria de saber como posso conseguir um curso para meu filho que esta com 18 anos e ainda nao sabe oque quer na vida .

  • em
    Permalink

    Nós temos diversos cursos, tais como: Desenvolvimento profissional, é um curso onde se aprende várias atividades relacionas às empresas, são 4 módulos e se pode entrar em qualquer época do ano pois ele funciona de maneira circular, normalmente as pessoas que estão fazendo este curso são logo encaminhadas para fazer estágios em empresas (95%, são aproveitadas), temos também informática e Inglês. Além dos cursos diretamente oferecidos nas empresas. Se você estiver no Rio de Janeiro pode ligar 2471-7431

    Abraços do Benito Pepe

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.