Vitrola, fita cassete e hoje?

Não me considero tão velho assim, mas pude notar mudanças radicais nos poucos anos de minha vida. Vou comentar somente algumas delas, o caro amigo leitor poderá lembrar e comentar outras que tenham ocorrido com você.

Costumo brincar dizendo que tenho trinta e poucos anos, aliás a última festa de aniversário que fiz foi exatamente a em que completei 30 anos. Sim, eu não pretendo sair dos trinta e poucos anos, fiz trinta e oito, trinta e nove, trinta e dez, trinta e onze, trinta e doze…. Trinta e vinte… e hoje quando escrevo este texto estou com trinta e vinte e três.

Então os últimos quarenta anos de minha vida começaram quando eu tinha 13 anos de idade. Vamos então iniciar relembrando algumas das mudanças que me chamam mais atenção e estão muito marcadas em minha memória.

Começando exatamente naquela época mais ou menos no final dos anos 70,  precisamente em 1978, no meu caso, fazer um curso de datilografia era algo normal e fundamental para quem desejasse trabalhar em um escritório, bancos e na grande maioria das organizações daquela época, então é claro que eu fui fazer um curso de datilografia… asdfg çlkjh, asdfg çlkjh… cada dedinho específico de uma mão em uma letra… no mínimo precisávamos de 120 batidas por minuto, o ideal eram 150, 180 e os feras batiam muito mais, “batiam” quer dizer teclavam. Meu “Certificado de Habilitação” em datilografia é datado de 25 de agosto de 1980.

Interessante que até hoje uso todos os 10 dedos para escrever, dar espaço etc. Pouco tempo depois, conhecer de informática passou a ser primordial, na verdade os PCs (computadores pessoais) começaram embrionariamente em 1976 com o início da popularização através da Apple fundada por dos jovens  Steve Jobs e Steve Wozniak. Depois outras empresas como a IBM entram no setor, mas até chegar ao Brasil e nas pequenas e médias empresas, que correspondem a 99% do mercado, demorou muito mais tempo. Mas quando chegou foi uma chegada triunfal e sem retorno.

As “máquinas de escrever” foram se extinguindo até que praticamente se aposentaram, eu me lembro bem que tinha um amigo cujo o pai era técnico de máquinas de escrever da IBM e ganhava muito bem até montou seu próprio escritório de consertar e fazer manutenções em máquinas de escrever e fez isso algumas vezes em minha empresa.

Bem, a Deus “máquinas de escrever” saudosas lembranças da minha Remington, a única coisa que não tenho saudade era quando estava terminando de escrever uma página completa e errava a ortografia bem na última linha e tinha que escrever tudo novamente… já havia uma espécie de fita corretiva mas ficava feio.

Esta sem dúvida foi a primeira e, portanto, maior mudança e impacto que tive com as transformações tecnológicas e culturais que iria começar a acompanhar, até por que foi o meu primeiro curso com um certificado em “habilitação em datilografia” algo que praticamente não precisei usar.

Evidentemente que depois fui estudar e fazer cursos de informática e, neste campo, muitos outros aprendizados se deram também e principalmente na prática. Aí sim um campo que veio e vem se aprimorando e trazendo um Tsunami constante e frequente.

Volto agora há outras mudanças que também me impressionaram muito. Sempre gostei de fotografia, cheguei a fazer uns pequenos cursos e sabia até revelar as fotografias feitas em filmes, películas que precisavam ser imersas em componentes químicos para revelarem as imagens em um negativo que depois eram replicados em um papel fotográfico.

Também neste ponto notamos uma mudança de equipamentos bem radicais, máquinas com filmes em películas plásticas foram substituídas por máquinas digitais que por sua vez também hoje só existem para profissionais especializados e para quem curta muito de fotografia, pois a grande maioria das pessoas usam mesmo o telefone celular ou melhor dizendo seu Smartphone, seu telefone inteligente no sentido mais profundo da palavra.

Neste campo do “telefone celular” preciso lembrar de minha primeira aquisição de um aparelhinho destes que foi em 1991 custando algo como $ 1.000,00 (mil dólares) só para se ter a linha e mais uma quantia similar para se ter o aparelho, e se pagava tanto pra ligar como para receber as chamadas. Era um tijolão, troço grande. A primeira vez que falei em um desses trambolhos da época na verdade não era meu o aparelho, mas de um colega empresário que possuía uma espécie de maleta e um fio desses enroladinhos que saiam da “maleta” até o aparelho, que coisa não é mesmo?

Quanta mudança rápida e radical! Volto agora antes dos celulares e lembro também de uma outra das revoluções que tive a oportunidade de presenciar: o Fax, abreviatura do termo latino fac-símile. É um aparelhinho que pode receber e enviar uma cópia de documento através da linha telefônica, o remente envia o documento como se estivesse digitalizando um documento e o receptor o recebe do outro lado através de um papel especial em sua máquina de fax, fomos um dos primeiros a ter este aparelho em nossa loja e os vizinhos lojistas iam pedir o favor de enviar ou receber um documento em nosso aparelhinho. O primeiro fax que tive veio importado por um amigo que o trouxe dos EEUU e custou algo como $ 1.000,00 (mil dólares), isso ocorreu em meado dos anos 80.

Assim pude observar e “trabalhar menos” para passar uma ficha de cadastro para uma financeira, por exemplo. Antes de termos um aparelho de Fax, eu tinha que ligar para a financeira e ir ditando os dados cadastrais do cliente nome soletrado, dizia eu Valter da Silva, e o cara do outro lado perguntava Valter com V ou W, e assim ia… demorávamos um tempão para passar uma ficha cadastral completa isso era muito romântico, como diz meu primo Alfredo o trabalho outrora era mais romântico.

Bem a Internet chegou com força e as fichas cadastrais passaram a ser digitadas em um programa on line que já dava ou não uma pré-aprovação da ficha do cliente em instantes o que antes levava um dia inteiro para ser feito.

Quanto a popularização da Internet se dá pra valer a partir dos anos 2000, mas como gosto muito de tecnologia e estar atento às mudanças, em 1998 comecei a ter a Internet também em minha casa, na verdade eu já usava em minha empresa desde 1994, mas como sabia que isso seria algo que eu tinha que estar antenado pois meus filhos (que por sinal ainda não os tinha) iriam viver essa tecnologia normalmente no dia a dia e foi um dos motivos que me fizeram começar a usa-la mais intensamente em casa.

Não precisaria lembrar a velocidade da Internet naquela época: 33kb/s, mas entrava a 28kb ou menos. Era uma noite inteira (literalmente falando) para se baixar e/ou atualizar algo trivial para o uso diário, e tudo isso com linha discada “se ouvindo o som da Internet”, e quando se tirava o telefone do gancho não podíamos ligar (fazer chamadas de voz), portanto ou se entrava na Internet ou se falava ao telefone, não podia fazer os dois simultaneamente. Hoje isso não ocorre mais e muitos podem ter acesso a 35 ou 50Mb e muitos mais Mb de velocidade algo impressionante.

Bem, outras mudanças me marcaram muito vou citar outras delas:

Relógios: desde muito cedo gosto de relógios e os primeiros que muito gostava eram os da Cassio que vinham com agenda de telefones e calculadoras e coisinhas do gênero, tive vários desse tipo; depois passei a usar os relógios com bússola, altímetro e coisas do tipo, pois gosto de fazer caminhadas em montanhas; mais recentemente a nova revolução são os smartwatch ou relógios inteligentes e também as pulseiras fitness (pulseiras para exercícios) que também tem a funcionalidade de um relógio, além de podermos armazenar músicas, marcar a batida do coração, e com GPS embutido que grava o trajeto que caminhamos ou corremos, a distância percorrida em quilômetros, velocidade média etc e etc.

Agendas e utilitários: a minha primeira agenda sem ser de papel também foi uma agenda eletrônica da Cassio, ela gravava compromissos, era também uma calculadora etc; depois veio a Palmtop, um aparelhinho mais sofisticado para a época, tinha uma canetinha que podia ser usada para fazer anotações, e também tinha acesso à Internet por wi-fi e também tinha Bluetooth, ainda tenho uma relíquia destas no meu museu particular.

Agora, pra terminar vamos voltar e fechar a ideia daquilo que chamo o aparelho mais sensacional que já pude, até o momento, presenciar. É ele mesmo o Smartphone, e no meu caso a minha preferência, por um conjunto de circunstâncias históricas como relatei, só poderia ser um que viesse com a canetinha, mas que canetinha sensacional é essa que vem na linha do Samsung Galaxy Note.

Quem começou com essa ideia do telefone inteligente, de maneira mais completa, maravilhosa e o popularizou foi a Apple em 2007 com o iPhone, isso significa que temos apenas uma década desses aparelhinhos e eles já transformaram a vida e a cultura do mundo.

Neste aparelhinho (smartphone) temos como que outros aparelhos embutidos, por exemplo: câmera fotográfica e filmadora; calculadoras de todos os tipos; editor de texto; agenda eletrônica; GPS para navegar em viagens; lanternas, relógios diversos; computador para acessar e-mails, navegar na Internet; muitos tem rádio e TV; gravador de voz; tocador de músicas; leitor de livros digitais; dicionários e tradutores diversos; ah e também é um telefone de voz do tipo antigo; além de uma quase infinidade de possibilidades.

Bem, muitas outras mudanças estão por vir, e você? Conte as revoluções que vivenciou e que tanto te marcaram.

Grande abraço,

Benito Pepe

Related posts:

  1. Quatro Cegos e a Avaliação de um Elefante. Como cada um o vê?
  2. Os Mitos da Meritocracia e da Competitividade tanto na Escola quanto nas Empresas
  3. O Site/blog do Benito Pepe ultrapassa a marca de Um Milhão de Visitas
  4. Veja alguns Destaques das 200 publicações. Parabéns ao Site: Benito Pepe!
  5. O trabalho outrora era mais romântico
  6. A Empregabilidade Depende de uma visão Empreendedora
  7. O que é ser um Ném?
  8. A questão da confiança. Evite frustrações no Ambiente de Trabalho
  9. Vídeo Currículo do Benito Pepe
  10. O Certo pode Ser Errado?

Tags: , , , , , , ,

10 Responses to “Algumas das Mudanças Tecnológicas e Culturais nos últimos 40 anos”

  1. jose maria dias Says:

    Bem meu camarada ! Nisto aí eu te ganhei, pois estou com 3/4 e mais um pouco de século, e também comecei numa máquina de escrever, e daquelas bem antigas, lá por volta de de 1954 quando concluir o meu curso de datilografia.
    Mas o que temos que falar aqui é de BENITO PEPE, a quem eu tive o a satisfação e o privilegio de conhecer a cerca de mais ou menos trinta atras.
    A vida reserva a cada um caminhos diferentes, tive a satisfação de te conhecer como patrão, pois era você, um jovem estudioso quem comandava a burocracia da firma de sua família. Eu acompanhava a tua força, de quanto mais aprendia, mais vontade tinha de aprender. E hoje tenho orgulho de poder dá a minha modesta contribuição nos comentários no teu SITE, pois quem o ler vai ver, quem começou das modestas maquinas de escrever, para a mais alta tecnologia do sistema de comunicação em todos os sentidos, inclusive lecionando em universidades aquilo que aprendeu. Confesso que devido a minha idade, e do mal que fui acometido (AVC) não tenho mais raciocínio para estes aparelhinhos tão importantes na atualidade, pois você sabe na hora o que está se passando do outro lado do mundo.
    Deixo aqui um pedido ao grande ARQUITETO DO UNIVERSO QUE CONTINUE TE ILUMINANDO, DANDO-TE INTELIGENCIA PARA DESMEMBRAR A CIÊNCIA DESTAS TECNOLOGIAS. Um grande abraço do amigo J.M.Dias

  2. jose maria dias Says:

    Bem meu amigo o que eu tenho que acrescentar, é que: que por volta de 1950 c um dia fui a casa do meu saudoso avô, e como ele lá no sertão era um daqueles (coroné) em sua casa tinha um aparelhinho que o camarada tocava a manivela e depois ficava conversando, perguntei-lhe o que era aquilo e ele me disse, isto é um telefone menino, ai ficamos conversando sobre as coisas inventadas naquela época. Ele virou para e disse: ” eu não vou alcançar, mas é bem possível que você alcance daqui a algum tempo, duas pessoas conversando através de um aparelho, cada um do outro lado do mundo, como se fosse um espelho. Eu me lembro que eu ri, e disse o senhor é muito inteligente vovô. Hoje isto é uma brincadeira de criança, fico imaginando, aliás não dá para imaginar quando o meu bisneto tiver a minha idade…Bem meu camarada, o que tiver de ser será. Mais um abraço do amigo J.M./Dias

  3. Benito Pepe Says:

    Grande JM Dias, suas palavras são sempre encorajadoras e incentivadoras. Muito obrigado pelo carinho e gratidão!

    Mas precisamos enaltecer e de fato agradecer ao verdadeiro orientador que depois de Deus foi sem dúvida o meu mestre em minha primeira Faculdade o Sr Benito Pepe (pai) não eu…

    Nos pequenos mas intensos 4 anos que pude ficar com meu Pai na então sua empresa MABE Automóveis, pude certamente ter a minha primeira “formação universitária” aprendizados mil se deram ali..

    Você chegou praticamente quando ele já estava se despedindo desta vida em 1986-87 e me lembro que você foi um dos melhores vendedores que tivemos. Cara fera hem?

    Bem quanto as mudanças que você se refere em seu primeiro comentário acima não tenho o que acrescentar mas quanto ao seu segundo comentário com relação ao telefone esse sim é fantástico o teu avó era mesmo visionário, e acertou uma quanto a uma realidade que está aí o telefone que parece um espelho que as pessoas se podem ver e ver os outros do outro lado do mundo hehe

  4. Benito Pepe Says:

    Quero aproveitar, para complementar mais uma lembrança que me veio ao escolher a imagem para ilustrar este texto… foi exatamente os das Fitas Cassete.

    Quando era jovem e até há um bom tempo, usávamos as “fitas cassete”, no aparelho de “rádio e toca fitas” dos automóveis. Muitas vezes essas fitas se enrolavam dentro do toca-fitas e tínhamos que tira-la cuidadosamente e acerta-las dentro da “Fita Cassete” esse era um dos transtornos da época eheh.

    Hoje quase não usamos mais nem mesmo os CDs mas sim um Pen Drive ou mesmo um som que é transmitido através do Bluetooth diretamente do nosso celular ou de outro aparelho… Essa foi mais uma lembrança das mudanças…

    Grande Abraço,
    Benito Pepe

  5. Carlos Santos Says:

    Texto bem interessante caro Benito. Gosto muito dos seus artigos. Este me proporcionou uma viagem no tempo… lembro de muitas mudanças inclusive nas maneiras e nas brincadeiras que tínhamos totalmente diversas das de hoje em dia obrigado por este texto.

  6. Benito Pepe Says:

    Olá caro Carlos Santos,

    Muito obrigado por seu comentário…. é verdade de fato as brincadeiras de outrora eram bem diferentes, brincávamos sem tanta tecnologia… hoje Vemos as crianças brincando em um computador, tablet e celularés, e com tantas Parafernalhas 3D..? óculos virtuais, etc, de fato os tempos são outros, imaginemos o que ocorrerá Dentro de 10 20 ou 30 anos…

  7. Benito Pepe Says:

    Olá Caro Carlos Santos, obrigado pelo teu comentário. É verdade! Como as brincadeiras eram diferentes.. quando criança me lembro que ainda era comum o Rodar Pião, jogar bola de gudes, brincar de pique-esconde, e tantas outras brincadeiras sem tecnologia, é claro que essas brincadeiras ainda existem mas não são as normais… hoje é mais comum usar-se da tecnologia, o que também acho normal em novos tempos. O que acho que não pode acabar é a brincadeira ao ar livre e isso eu observo que ainda ocorre basta se ir a um parque público, praia e etc se vê ainda estas formas também saudáveis de brincar. Não sou contra a tecnologia, muito pelo contrário sou um apaixonado nela mas precisamos equilibrar nossos tempos, tudo o que é demais faz mal…

    Abraço, Benito Pepe

  8. Carlos Henrique Says:

    Recordo bem das máquinas de escrever. Inclusive, próximo de onde residimos (Praça Marco Aurélio) minha mãe me levava ao médico, e lembro que no sobrado tinha um curso de datilógrafo. Da Avenida Vicente de Carvalho ouviam-se os barulhos dos teclares. É algo que recordo bem. Lembro também que na crista da onda do fax, começaram a chegar os telefones com secretária eletrônica. Era muito diferente. O que relatei acredito que tinha 7 para 12 anos. Hoje tenho 36. Abraços.

  9. Benito Pepe Says:

    Olá Caro Colega de profissão e Amigo prof. Carlos Henrique!

    Obrigado pelo comentário, espero também em outros textos aqui do meu Site/blog. Ok?

    Bem, veja como o mundo é pequeno hem? Foi exatamente neste curso que estava situado nesta Praça Marco Aurélio que eu fiz o meu curso de datilografia… e quer mais uma coincidência: neste dia em que você postou este comentário 25 de agosto eu completava 36 anos (data do meu certificado) em que tinha concluído este curso eheh . e Você tem 36 anos de idade.

    Quanto as secretárias eletrônicas é outra tecnologia que também foi marcante pra mim, uma vez trouxe uma de Miame (USA) em que eu podia da rua ouvir os recados que lá em casa tivessem sido deixados, era algo bem bacana pois não havia, na época, celulares e nem outros equipamentos para sermos encontrados a não ser o telefone fixo. Depois também veio os Teletrins, bips etc…

    Abraço,

    Benito Pepe

  10. Fabio Mesquita Says:

    Fico imaginado lá pelo ano 2050 o que teremos neste mundo pois como você falou nos últimos 40 anos tivemos uma explosão de tecnologia.
    Não estrei aqui para ver mas posso imaginar rssss

Deixe um Comentário

Site/blog Desenvolvido por Benito Pepe no Wordpress 2008-2016.