O Poder do Foco, Percepção Seletiva e o Sistema de Ativação Reticular

Este texto que segue, e que tenho orgulho em publicar, faz parte da monografia do meu amigo e colega prof. Leandro Marcelino de Lima. Poderíamos também intitular este trecho como “atenção seletiva”, com a leitura atenta você perceberá por que, para isso tenha foco na leitura. Vamos ao texto:

O assunto do foco e da atenção vem sendo objeto de estudos tanto da Psicologia como da Neurociência Cognitiva, dentre outras disciplinas (LIMA, 2005). Os mecanismos responsáveis pelo controle da atenção possibilitam a interação do indivíduo com o meio ao seu redor de forma organizada, voluntária e involuntária. Tais mecanismos têm relação direta com os processos de ensino e aprendizagem uma vez que estes solicitam certos níveis de atenção para que os estudantes alcancem seus objetivos.

Segundo Ferraz (2005 citando JAMES, 1890, p. 375), a atenção pode ser entendida conforme a citação abaixo:

“Todos sabem o que é a atenção. É a ação de tomar posse realizada pelo espírito, de forma clara e vívida, de um entre outros vários objetos ou séries de pensamentos simultaneamente possíveis. Focalização, concentração da consciência são sua essência. Implica o afastamento de algumas coisas para ocupar-se efetivamente de outras, e é em condição que tem seu contrário real no estado confuso, ofuscado e desregrado, que em francês se chama distraction e em alemão Zerstreutheit.”

A partir da citação acima, observa-se que o ato de concentrar a atenção em algo, focar, requer a ação de realizar “o afastamento de algumas coisas para ocupar-se efetivamente de outras”, assim como as pessoas fazem quando querem estudar e se isolam em um quarto fechado, querem namorar e vão para um lugar reservado e aconchegante, querem trabalhar seu lado espiritual e buscam um ambiente propício para isso, querem crescer na vida e melhorar seus rendimentos financeiros e buscam cursos e livros a respeito, dentre inúmeros outros exemplos. Todas estas situações servem ao princípio de selecionar os estímulos e informações que se deseja, afastar-se de fontes de distrações externas e concentrar a atenção, manter o foco em algo em especial, algo que realmente seja desejado, a fim de se obter um melhor resultado.

Quando se fala em “selecionar o que se deseja” entende-se uma ação de filtragem de estímulos e informações que serão ou não percebidas pelos nossos sentidos. Essa função de selecionar o que a pessoa notará ou não conscientemente, compete a estrutura cerebral conhecida como Sistema de Ativação Reticular (SAR), que atua com uma espécie de filtro que só nos permite perceber as informações e estímulos que estão no foco da nossa atenção, que são importantes para o nosso intuito. Essa estrutura também atua como um potencializador que amplia, amplifica a nossa percepção para tudo aquilo que está relacionado com o objeto do nosso desejo principal ou foco de atenção, orientando o nosso comportamento e evidenciando a importância de se manter em mente bons estímulos e influências positivas (LIMA, 2005; ROBBINS, 1993).

Um exemplo clássico da atuação do SAR é aquele de quando uma pessoa, por exemplo, compra um carro ou apenas começa a desejar muito adquiri-lo e como que num passe de mágica, de repente começa a ver pessoas e mais pessoas passando com aquele veículo da mesma forma, cores e detalhes que ela também deseja. Será mesmo que de uma hora pra outra aquele veículo entrou pra moda e todas as pessoas deram um jeito de comprá-lo ou será que a mudança ocorreu na sua forma de ver as coisas ao seu redor?

A resposta está na segunda opção. Foi o foco de atenção, a percepção do indivíduo que se alterou quando o mesmo começou a desejar aquele objeto em particular e então atribuiu maior importância ao mesmo. Neste momento, o SAR recebeu a mensagem de que deveria selecionar predominantemente as informações referentes aquele objeto e relegar a um segundo plano tudo que não se relacionasse com o mesmo, ou pudesse de alguma forma contribuir positivamente para sua conquista. Ou seja, o objeto agora em foco sempre esteve lá, as pessoas sempre passavam pelo indivíduo com ele, mas como não era importante, como não estava no foco, a pessoa simplesmente não os via.

Para o processo de Coaching e o de ensino e aprendizagem no geral é especialmente importante compreender tais mecanismos descritos acima, porque muitas vezes todo um processo educativo pode ficar comprometido simplesmente porque o aprendiz não levou em conta a importância de ter um foco definido e de concentrar sua atenção nele, ou então porque o ambiente não proporcionou ao mesmo a desejada filtragem de estímulos e informações que poderiam favorecê-lo em seu desenvolvimento.

Entende-se então com isso, que não só para o processo de Coaching, mas para tudo na vida, aquilo em que concentramos a nossa atenção e o nosso foco se fará mais presente em nosso dia-a-dia, influenciando diretamente nas nossas possibilidades de ação e comportamento. Uma pessoa que direciona seu foco para acontecimentos ruins, por exemplo, estará levando seu SAR a ampliar sua percepção para este tipo de ocorrência e influenciando a pessoa a ver o mundo ao seu redor de uma forma negativa.

Da mesma forma, seu crescimento pessoal também está sob a igual influencia e relação, de modo que a medida que esta direcionar predominantemente seu foco de atenção para as fontes de estímulos, informações, orientações, estratégias, pessoas, atividades, coisas e fatos que possam contribuir positivamente para o seu crescimento e desenvolvimento, mais recursos e oportunidades começarão a ser notados por essa pessoa, ampliando suas possibilidades de escolha e podendo acelerar seu processo de crescimento como um todo.

 

            “Aquilo que prende a atenção determina a ação.”

William James

Por:

            Professor Leandro Marcelino de Lima, extraído de sua monografia de graduação intitulada: Coaching – Construindo um modelo mental de sucesso: A Educação Física em prol do Desenvolvimento do Potencial Humano (março/2011).

Instituto de Educação Física e Desportos da Universidade do Estado do Rio de Janeiro. 

Abraços do Benito Pepe

Referências bibliográficas

LIMA, Ricardo Franco de. Compreendendo os mecanismos atencionais. Ciências e Cognição. Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP), Campinas, SP, Brasil. v. 06; p. 113-122. 2005. Disponível em: http://www.cienciasecognicao.org/pdf/v06/m24554.pdf. Acessado em: 11/03/2011.

FERRAZ, Gustavo Cruz. Consciência e atenção: Algumas considerações acerca das abordagens de William James e Aron Gurwitsch. 2005. 110 f. Dissertação (Mestrado em Psicologia) – Universidade Federal do Rio de Janeiro. Instituto de Psicologia / Programa de Pós-Graduação em Psicologia, 2005. Disponível em: http://teses.ufrj.br/ip_m/gustavocruzferraz.pdf. Acessado em: 11/03/2011.

Benito Pepe

Benito Pepe: Empresário por 30 anos, Administrador, Filósofo, Astrônomo Amador, Colunista, Palestrante, Instrutor e Professor Universitário. Tem formação acadêmica na área de Administração com pós-graduações em: Administração estratégica de empresas; Marketing; Filosofia Contemporânea; e Filosofia Antiga. Publica Aqui, seus textos sobre Filosofia, Astronomia, Administração, Marketing, Religião, Assuntos da Atualidade, além de um Papo geral.

10 comentários em “O Poder do Foco, Percepção Seletiva e o Sistema de Ativação Reticular

  • em
    Permalink

    Parabéns..adorei seu texto!.. você.. foi bem inteligente.. com suas palavras…

  • em
    Permalink

    Olá minha querida Andrea. Muito obrigado pelos parabéns e elogios. Fico feliz com sua visita e comentário. Continue acompanhando as publicações do site, pois tem sempre um artigo muito interessante a sua espera. Um forte abraço e seja sempre bem vinda!

  • em
    Permalink

    Estimado amigo,estou impressionada com o conteúdo e teor das explicações! Parabéns! Vc sempre muito articulado e esclarecido…enfim,amei!

  • em
    Permalink

    Minha grande amiga Valéria, que bom receber sua visita e comentário. Muito obrigado por suas palavras e parabéns. Fique a vontade para visitar sempre o site. Estaremos sempre postando artigos interessantes e relacionados a tudo que dialogamos a tempos.

  • em
    Permalink

    Senhor professor Leandro:
    Não tenho o prazer de conhece-lo, quero lhe dá os meus parabéns pelo enrequecimento no site do meu amigo Benito com o seu inteligentissimo texto.
    Na minha modesta opinião, o foco da atenção de um individuo, leva-o à uma vida regrada ou não, para mim a percepção depende destes dois fatores para um dia a dia normal ou não. Criar e manter um estilo de vida saudável, é focalisar em sí mesmo toda sua atenção. Abandonar antigos hábitos ruins, pode ser desafiador, e até mesmo pequenas mudanças em geral exigem forte motivação.
    Para mim, o individuo é exatamente o que define o seu foco de atenção para consigo mesmo, pois ninguém jamais poderá alimentar-se por ele.
    Foi um prazer ler o seu texto, e um grande abraço para o senhor e para o meu amigo Benito.
    J.M.dias

  • em
    Permalink

    Olá companheiro José. Primeiramente muito obrigado por suas palavras e todas as suas considerações sobre o texto. Você está certíssimo em sua colocações sobre motivação e hábitos. Logo estarei postando outros trechos deste trabalho e abordando as questões referentes a Motivação, Hábitos e Modelos Mentais. Adorei seu comentário, por si só foi muito enriquecedor. Espero poder contar sempre com seu olhar apurado e inspirador em nossas postagens.

  • em
    Permalink

    realmente leandro, você tem razão nesse texto, pois muitas vezes focalizamos muitas vezes algo e esquecemos o que esta acontecendo ao nosso redor, nos dedicamos a vezes demais a algo que tem importância mais esquecemos, que tem pessoas ao nosso lado precisando de uma conversa ou uma palavra amiga,e também sabendo ser positivo naquilo que deseja, esse seu texto ele é muito inteligente, na realidade você é uma pessoa bem inteligente, que sabe exatamente usar as palavras, parabéns que deus possa sempre cada vez mais te abençoá

  • em
    Permalink

    Oi Gislene. Obrigado por sua contribuição. Você tocou em um ponto muito interessante. Na verdade isso que você comentou é possível acontecer sim, aliás até acontece bastante, mas nem é por uma questão de foco e sim de gerenciamento pessoal. Quando se fala em gerenciamento pessoal, gerenciamento de vida, deve-se entender que é necessário ter tempo para cada parte. Na vida precisamos de tempo para nossas necessidades básicas, para o convívio social e vida afetiva, para o trabalho e estudos, para realização de coisas que possam aumentar nossa auto-estima e nos possibilitar a auto-realização. Tendo clareza de entendimento a cerca destes fatores e aspectos da vida, é possível organizarmos o nosso tempo de uma forma que nos permita focar nossa atenção em uma coisa de cada vez, sendo cada uma no seu devido momento e espaço. Assim conseguimos atender a nós mesmos e também ajudar e dar atenção as pessoas queridas ao nosso redor. Adorei sua colacação. Fique a vontade para novos comentários e um forte abraço.

  • em
    Permalink

    Olá Leandro, tudo bem?
    Adorei todo conteúdo do texto vc nos transmitiu clareza, satisfação ao lê-lo e exatidão. Precisei consultar o assunto para melhor entendimento. Estudo Psicologia e este assunto muito nos enrriquesse quando bem entendido. Saiba que seu pensamento diriniu bastante as dúvidas que havia com outro texto fornecido pela faculdade. Espero poder contar com novos assuntos vindos de professores notáveis como o senhor. Obrigada, Suely.

  • em
    Permalink

    Olá Suely.
    Vou bem obrigado.
    Espero que esteja tudo em paz contigo também.

    Fico muito feliz em saber que meu trabalho lhe foi útil e pode servir de referência. É sempre bom poder contribuir de alguma forma para o crescimento e desenvolvimento de outras pessoas. Isso nos ajuda a crescer também. Muito obrigado por seu comentário e elogios. Esse é um assunto pelo qual tenho grande interesse e no que estiver ao meu alcance, estarei sempre disposto a ajudar. Um forte abraço pra você e até a próxima. Sucesso em seus estudos e carreira.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.