Quem é “cego”?

Muitos dirão: “cego é aquele que não quer ver”. Eu vou mais além. Cego não é apenas aquele que não quer ver, pois aquele que não quer ver, não vê porque não quer e dessa maneira  é um “cego consciente de sua cegueira”. O pior cego é aquele que pensa estar enxergando, mas no fundo não vê o que “pensa” ver, ele está em um mundo de “fábulas” onde  a “realidade” é uma coisa bem diferente… O cego, e agora me refiro mesmo ao “deficiente visual”, enxerga muito mais do que muitos que possuem sua visão plena, pois eles enxergam com o coração, enxergam através de outros sentidos, diferentemente dos que têm todos os sentidos. Estes não conseguem desenvolver essa verdadeira visão…

 É interessante lembrarmos que são conhecidos cinco sentidos e que a visão é apenas um destes sentidos.  Os outros são: a Audição, o Olfato, o Paladar e o Tato. Sabe-se também que alguns desenvolvem uns sentidos mais do que os outros, desta maneira é normal que quem não tenha bem apurado certo sentido terá os outros ou um dos outros muito melhor apurado que a média das pessoas.

 As empresas e as demais instituições necessitam de pessoas, e a partir do momento que se sabe que as pessoas são a parte mais importante de uma empresa, elas devem ser valorizadas. Qualquer empresa valoriza a capacidade de uma pessoa em sua tarefa, em sua atribuição. As empresas que valorizam a fala, por exemplo, buscam ou treinam quem melhor tenha esta aptidão e certamente será uma pessoa que tenha uma boa audição também, pois quem fala bem, via de regra, ouve bem. Neste caso o deficiente visual deve levar alguma vantagem, pois desenvolve melhor sua audição e, portanto tem mais atenção aos sons do ambiente. Leva vantagem também quando o foco estiver em qualquer dos outros sentidos, pois certamente ele os terá mais bem desenvolvidos, seja a Audição, como falamos, seja o Olfato, o Paladar ou e principalmente o Tato.

 Todos os sentidos no fundo se resumem ao tato, além do tato propriamente dito, temos os sons que se propagam no ar e vêm tocar nossos tímpanos, temos o paladar que é sentido através do tato químico dos alimentos com as “papilas gustativas”; o olfato vem da mesma maneira química pelo ar tocar nosso sentido olfativo; a visão por fim funciona da mesma maneira as ondas e partículas da luz tocam nossas retinas. Portanto o tato é o nosso único sentido.

 Quando falamos da Programação Neurolinguística lembramos de imediato os tipos de pessoas que podemos conhecer, estas basicamente se dividem em três grupos: as pessoas Visuais (que têm predominância na visão); as Auditivas (que tem mais atenção na audição); e as Cinestésicas (as que usam mais o tato, emoções e sensações). Há pessoas que se mesclam nestas três categorias, tendo um equilíbrio entre elas, mas o normal é que haja uma predominância em um dos sentidos.

 Por fim gostaria de concluir dizendo que certamente há outros sentidos que ainda não são conhecidos da ciência e para estes não se sabe ainda como é que se “enxerga”; dessa maneira quem pode ou poderá desenvolvê-lo melhor? Podemos chamá-lo de “sexto sentido” ou “primeiro sentido”. Talvez o verdadeiro sentido aí esteja e seja ele o próprio sentido da existência e da Vida.

 Abraços do Benito Pepe

Benito Pepe

Benito Pepe: Empresário há mais de 30 anos, Administrador, Filósofo, Astrônomo Amador, Colunista, Palestrante, Instrutor e Professor Universitário. Tem formação acadêmica na área de Administração com pós-graduações em: Administração estratégica de empresas; Marketing; Filosofia Contemporânea; e Filosofia Antiga. Publica Aqui, seus textos sobre Filosofia, Astronomia, Administração, Marketing, Religião, Assuntos da Atualidade, além de um Papo geral.

12 comentários em “Quem é “cego”?

  • em
    Permalink

    “O cego e a cegueira do mundo”

    Não vejo, mas creio.
    Acredito num mundo global, culto, educado, fraternal a todas as fontes que alinham o que seja globalizado.
    Não vejo, mas creio.
    A questões que elevem toda forma de vida, e abençoe os ignorantes e desvalidos do ter e do ser.
    Não vejo, mas creio.
    Que o saber invade e não descrimina, a passos maiores que mesquinharia cultural que faça-nos joguetes.
    Vejo! Creio! Enxergo!
    Ontem eu não via e o pior, não acreditava que poderia enxergar além e ter fome por sabedoria, paz, e Vida!
    Hoje acordei com o olhar ao longe vivendo a responsabilidade por compartilhar, envolver e respeitar a Luz da filosofia.
    Amanhã a solidariedade irá me apresentar e a par das negações do que sou, aspiro ver bem além dos que vêem que não posso enxergar, desta forma a vida do meu passado será a esperança ilhada do presente e a fé para o futuro.

    Cícero Augusto

  • em
    Permalink

    Amigo Cícero, obrigado por este texto feito de improviso e que me foi muito útil, espero que ajude também a muitas pessoas que o poderão lê-lo aqui no meu site/blog.
    Abraços do Amigo Benito Pepe

  • em
    Permalink

    Sr. Benito,
    Seu texto nos dá margem a um raciocínio diferenciado no que diz respeito à deficiência visual. Será muito interessante poder contar com o Senhor nesse desafio de quebra de preconceitos.
    Desde já fico grata pela participação e engajamento no assunto.

    ____________________________
    A palestra acontecerá no seguinte endereço:
    Universidade Candido Mendes
    Rua da Assembleia, 10 – 5° andar, sala 507
    Rio de Janeiro – RJ, CEP. 20011-901

  • em
    Permalink

    Olá querida Bianca, obrigado pelo convite para participar da mesa dos palestrantes com esse tema tão interessante e sublime, estarei presente com muito prazer. Aproveito para convidar os amigos e colegas que puderem estar presentes neste evento.

    Para quem queira e possa ir o encontro ocorrerá nesta quinta feira dia 17 de maio as 19:00hs, o Local está na mensagem acima.

    Abraços do Benito Pepe

  • em
    Permalink

    Agradeço aos amigos que estiveram presentes fisicamente e àqueles que estiveram presentes em espírito nesta sublime palestra. Quero também mais uma vez agradecer a Bianca e a Universidade Candido Mendes pelo convite, e dizer que foi um momento de muito aprendizado para mim. Estar à mesa com o Hilário Neto – atleta da seleção brasileira paraolímpica – e com a Gloria Almeida – Vice-presidente do Instituto Benjamim Constant – , foi uma verdadeira honra e Prazer.
    Abraços do Benito Pepe

  • em
    Permalink

    Uma boa comparação pode ser feita com o filme Ensaio para Cegueira de Saramago…

  • em
    Permalink

    É meu amigo, não podemos parar, pois existem muitas coisas que tem que ser dita. MEU AMIGO! O mundo está repleto de cegos, acorrentados no interior da caverna de Platão, com sombras, nada mais que sombras, por todos os lados, vivendo nas trevas de uma ilusão refletida por sombras das suas proprias destruição. preferem ficar presos à caverna, à buscar a claridade real, para salvarem-se do abismo profundo, do qual estão, à beira de naufragaren-se. O seu intelecto doentíu, pelas suas fé cega, e medo de perderem o mundo material que por eles foram criados, os levam a enxergarem sombras, somente sombras, que os cegam profundamente. Meu caro Benito; foi com extrema severidade, que passei, a refletir sôbre a percepção sensitiva e as verdades necessárias, para ver se elas poderiam fazer-me duvidar delas. O resultado foi que a duv´ida invadiu a percepção dos sentidos. O sentido mais podereso, com efeito, é o da vista. Mas quando ele olha para a sombra de uma arvore, por exemplo, vê que ela está parada. E julga que ela está parada, e julga que não há movimento. contudo eu sei que a sombra está se está movendo por distancia infinitamenta pequenas. Outra vez esse sentido olha para o Sol por exemplo, e o vê do tamanho de uma moeda, contudo sabemos que êle é maior muitas vezes do que a terra. Neste e em outros casos de percepção sensitiva, o sentido é como um juiz, forma o seu julgamento, mas o outro juiz o intelecto, mostra que o primeiro está errado. Para mim meu amigo, é esta a verdadeira batalha travada pelos cegos ( não os verdadeiros deficeentes ), mas sim aqueles que fazem quastão de não enxergarem, e que preferem viver nas sombras fantaziosas dos interiores das cavernas da vida, e se julgam mais seguros em suas sombras fantasmagóricas, do que a realidade da claridade da verdadeira luz que uma visão plena, lhes oferecem, estes são os verdadeiros cegos, que perambulam em suas ilusões de viverem, uma vida sã. Meu caro Benito, o que eu quis abordar neste comentário, não foi a verdadeira cequeira fi´sica, e sim a segueira da mente, Pois posso lhe afirmar com absoluta certeza, de que sou testemunha, de muitas pessoas cegas fisicamente, que foram e são verdadeiras lições de vida. Autores de lindas músicas, bonitas obras na literatura de cordel, e idealistas de grandes feitos cotidianos etc. Enquanto isto milhões de cegos, andam por este mundo afora, e envergonham-se de calçarem e usarem as sandálias e as bengalas da humildade. No entanto só enxergam sombras nada mais que sombras, e não buscam entender que um dia, nem sua sombra existirá, pois o seu sol se apagou. É isto aí meu amigo, e mais uma vez, Um Feliz Natal para todos.
    Por falar em todos, me dê noticias do seu irmão e meu amigo Luiz Pepe.

  • em
    Permalink

    Olá meu camarada Dias, valeu pelo comentário, muito poético e detalhado como sempre, Parabéns pelo seu desenvolvimento em todos os sentidos. Quanto ao Luis, ele está bem, ele está conosco lá na loja.

    Abraços do Benito Pepe

  • Pingback:Quatro Cegos e a Avaliação de um Elefante. Como cada um o vê? | Benito Pepe - Palestras, Treinamento de Equipes e Cursos

  • em
    Permalink

    Pepe Gostei de tudo o que li, realmente são fábulas que vão de encontro à nossa realidade, é exatamente nessa, que devemos ate-nos para assim, ainda conseguirmos reverter tantas realidades que necessitam de suporte! Um grande abraço e boa sorte

  • em
    Permalink

    Olá Salete, é isso mesmo! Obrigado pelo comentário, volte mais vezes, ok?

    Abraços, Benito Pepe

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.