Os Brancos, Amarelos e Índios são “mutações” do homem original Negro

Continuando o texto, veja o início clique Aqui!

Interessante que muitos vão dizer que o homem foi criado a imagem e semelhança de Deus, partindo-se dessa premissa e se esse for o mesmo Homem Moderno como nós o conhecemos, então Deus era Negro. Muitas pessoas desde criança questionam, por que os homens criados a imagem e semelhança de Deus são tão diferentes entre si? Por que há Brancos, Negros, Amarelos etc.? Os Brancos, Amarelos e Índios são “mutações” do homem original Negro.

Resumindo o trabalho tanto de Langaney quanto de Sforza: se existem diferenças genéticas entre grupos étnicos, elas estão somente na freqüência com que cada gene ou grupos de genes se apresentam nas diversas populações. O que faz, então, com que os etíopes tenham a pele escura, enquanto os belgas têm pele clara? Ainda é cedo para esperar uma resposta definitiva, mas hoje há um consenso de que as diferenças são circunstanciais. “Provavelmente, uma simples questão de clima”, explica Langaney. Do ponto de vista bioquímico, por exemplo, não existem classificações como brancos, negros e amarelos: apenas pessoas com menos ou mais melanina. É essa substância, presente nas camadas profundas da epiderme, que responde pela coloração da pele, dos cabelos e dos olhos. Quanto mais melanina, mais escura a pele.

Ainda não conseguimos explicar o mecanismo de incidência do sol na coloração da pele, nem como isso se transfere hereditariamente, mas sabemos muito bem, por outro lado, que a síntese da vitamina D depende diretamente dos raios ultravioleta”, revela Langaney. Presentes em maior quantidade nas zonas tropicais, esses raios são menos absorvidos por peles escuras do que pelas claras. A falta de vitamina D, por sua vez, causa raquitismo. “Basta uma simples olhadela no mapa-múndi para notar que, geograficamente, de acordo com a região em que se estabeleceram, as populações são menos ou mais claras.” Antes das grandes migrações que, a partir do século XVI, marcaram a história da humanidade, todos os grupos de pele mais escura se situavam nas zonas tropicais, enquanto os mais claros são sempre aqueles próximos das latitudes mais altas. Ao mesmo tempo, zonas intermediárias, como as Filipinas ou a Índia, são ocupadas por pessoas de cores igualmente intermediárias.

Segundo a teoria mais aceita atualmente, os homens que migraram da África Central ou do Oriente Próximo em direção ao norte teriam mudado de cor de pele para melhor absorver os raios ultravioleta . Assim, escapariam à ameaça do raquitismo, já que o Sol aparecia menos por lá do que nas terras de onde, supõe-se, vieram.

Além disso, tudo leva a crer que as diferenças de cor que notamos entre um negro e um asiático, por exemplo, ocorreram há pouco tempo na escala de desenvolvimento da humanidade. Principalmente quando comparadas com características essenciais: é quase certo que o código genético que determina que todos tenham 4,5 metros quadrados de pele antecedeu em muito o que determina a coloração da pele. Para usar o mesmo exemplo, a cor da pele parece levar de 20.000 a 40.000 anos para se modificar. A conclusão vem do fato de a América ter sido povoada, a partir da Ásia do Norte, há não mais de 40.000 anos. Este intervalo teria sido suficiente para que a incidência solar dos trópicos fizesse efeito e escurecesse as populações que ali se estabeleceram, os ameríndios. “E o que são 40.000 anos diante dos 4 milhões de anos que forjaram biologicamente a espécie humana?”, pergunta Langaney.

Assim como a cor da pele, as estaturas também parecem estar ligadas ao tipo de meio ambiente eleito por uma população. E não deve ter sido necessário muito mais tempo do que o gasto nas mudanças de cor para que populações africanas desenvolvessem estaturas tão discrepantes como entre pigmeus (1,50 metro), habitantes da floresta equatorial, e os saras (1,80 m) que habitam zonas áridas do continente. É certo que a transformação das sociedades rurais agrícolas em sociedades urbanas industrializadas interferiu violentamente nessa divisão: um estudo da média de altura dos recrutas militares franceses entre 1880 e 1970 mostra que a população masculina do país chegou a crescer 7 centímetros nesses noventa anos. As exceções só confirmam a regra.

A seu modo, Sforza também reforça a tese de que as diferenças aparentes são mais ligadas a fatores climáticos e ambientais do que a origens distintas. Em sua árvore genealógica, a cor da pele não é um critério e nada impede que brancos e negros saiam da mesma família. Os branquelos lapões do norte europeu vieram do mesmo grupo — caucasianos — que originou os escuros berberes da África. As diferenças, assim como a distância genética, portanto, foram adquiridas através do tempo. Quanto mais distantes geograficamente, menos as populações se parecem. “A rede genética mostra que as discordâncias se fizeram durante a colonização do mundo”, esclarece Langaney.

Embora a cadeia genética de cada uma dessas famílias tenha sofrido alterações à medida que elas se afastavam e se subdividiam, nenhuma desenvolveu qualquer tipo de gene específico. Recentemente, Sforza demonstrou que, além da coincidência geográfica, a familiaridade genética se superpõe quase sempre a uma familiaridade lingüística. Ou seja, quanto mais geneticamente próximos os grupos, mais suas línguas se correspondem.

Arqueologicamente, hoje poucos duvidam da origem africana do “homem moderno”: supõe-se que ele surgiu entre a África Central e o Oriente Próximo, há 100.000 ou 150.000 anos. Pelo menos é o que indicam seus vestígios mais antigos, entre 100.000 e 125.000 anos, encontrados no continente africano. Mas foi com a descoberta do Homem de Qafzeh, um crânio desenterrado na Palestina, que a tese da migração do Homo sapiens sapiens começou a se concretizar: Eva, o nome dado ao mais perfeito exemplar do passado humano, viveu há 92.000 anos. Para Sforza, a data-chave do momento em que os ramos africanos e não-africanos se separaram para iniciar a grande andança, espalhando tipos tão diferentes pelos quatro cantos do mundo que, às vezes, é difícil acreditar virem todos do mesmo ancestral. Para Langaney e Sforza, apenas mais uma prova da sabedoria do velho ditado popular: as aparências realmente enganam.

É amigo leitor, podemos dizer filosoficamente: os nossos sentidos nos enganam….

Abraços do Benito Pepe

Benito Pepe

Benito Pepe: Empresário há mais de 30 anos, Administrador, Filósofo, Astrônomo Amador, Colunista, Palestrante, Instrutor e Professor Universitário. Tem formação acadêmica na área de Administração com pós-graduações em: Administração estratégica de empresas; Marketing; Filosofia Contemporânea; e Filosofia Antiga. Publica Aqui, seus textos sobre Filosofia, Astronomia, Administração, Marketing, Religião, Assuntos da Atualidade, além de um Papo geral.

28 comentários em “Os Brancos, Amarelos e Índios são “mutações” do homem original Negro

  • Pingback:Os Brancos eram Negros há milhares de anos atrás | Benito Pepe

  • em
    Permalink

    achei interessante td oque eu li aqui eu estou estudando engenharia ambiental e gestao de territorio e acordo com tudo isso fasso varias pesquiza a cerca do tema abordado porq tenho necessidade de saber tudo sobre a terra

  • em
    Permalink

    Olá Solange, obrigado pelo comentário. Espero que você possa encontrar mais conteudo do teu interesse no meu site/blog.

    Boa sorte nos teus estudos de engenharia ambiental e gestão de território.

    Abraços do Benito Pepe

  • em
    Permalink

    a cor da pele parece levar de 20.000 a 40.000 anos para se modificar. nenhum homem vive tanto tempo então como modificar a cor da pele? o sol encolhe 1metro e meio por hora a 10mil anos atrás a temperatura media da terra seria de 140 graus não teria condições de haver vida sendo que a temperatura normal é de 22 graus ,então me responda por que os cientitas dizem que a terra surgiu a 4bilhões e meio e a vida nela 1 bilhão de anos depois, o campo magnético que nos proteje da radiação do sol tem uma meia vida de 1.400anos a 10.000 anos esse campo magnetico seria igual ao sol como explicar vida na terra a essa epoca, se os atomos se chocaram na grande esplosão ao acaso de onde surgiu os atomos ,na lei cientifica vida so pode surgir de vida so um ser vivo pode gerar a vida então como pode algo sem vida explodir e gerar a vida

  • em
    Permalink

    Olá Fernando Oliveira, obrigado pelo comentário e pelos questionamentos.

    Em primeiro lugar preciso esclarecer que este não é um assunto em que eu seja especialista, apenas o estudo por gostar do tema. Bem, a cor da pele segundo estes estudos vai mudando de geração a geração, isto quer dizer que não é um único homem que vai modificar a cor de sua pele em sua vida de 80 anos, mas ele vai gerar um filho com outro tom de cor de pele e por sua vez o seu filho outro tom e assim sucessivamente, e, dentro destes milhares de anos, aí sim a cor mudaria, mas isso gradualmente, de geração em geração, entende?

    Quanto ao seu comentário a respeito da temperatura da terra há 10.000 anos ser de 140 graus parece totalmente equivocado….

    Quanto à questão de ter havido vida aqui no Planeta há mais de 10.000 anos é fácil de ser verdade, pois se fazem testes com carbono e outro elementos que constatam a existência de vida no Planeta em milhões de anos atrás através de ossadas de animais etc, como é o caso dos famosos dinossauros, “recentes” 65 a135 milhões de anos atrás.

    No mais deixo seus questionamentos em aberto para quem possa e queira colaborar.

    Abraços do Benito Pepe

  • em
    Permalink

    por favor me esclarece melhor essa questao das diferenças de cor da pele, pois se viemos de um mesmo ancestral, entao porque essa diferença de cor

  • em
    Permalink

    OLá Luciana. Obrigado pelo questionamento! A “mutação” se dá, segundo essa pesquisa científica, em um longo periodo de tempo algo como 40.000 anos foram necessários para que a cada geração a pele fosse clariando isso se deu quando os primeiros negros sairam da África e foram para a Ázia por exemplo, lá sem a incidência de Sol intensa, acho que em florestas e com núvens causadas por mudanças atimosféricas, geração a geração a pele foi clariando…

    A pesquisa demonstrou que aziaticos americanos e afro-americanos estudados eram como primos diretos… ainda que brancos e/ou negros.

    Espero ter ajudado.
    Abraços do Benito Pepe

  • em
    Permalink

    Benito, obrigado pelo seu trabalho de pesquisar postar resumos. Li seu artigo e do foi esclarecedor. Sugiro a todos a leitura da serie de livros de Jean M Auel, que inicia com o livro Ayla, a filha das cavernas (em português); é uma bela história que nos prende e trás, além de diversão, conhecimentos, pois fornece informações, ao longo da história, que permite a gente “viajar” nestes tipos de ciências (arqueologia, evolucao, migrações). P.S. Há um filme sobre o 1º livro, mas ficou ruim, para a quem nao o leu antes. Ah, acabei de ler também um resumo sobre a evolucao das especies, que resume a teoria de Lamarck, a de Darwin e a Newdarwiniana (?), muito bom também. Mais uma vez, Benito, obrigado.

  • em
    Permalink

    Valeu Reinaldo, ficam aí as tuas dicas… Obrigado pelo comentário!

    Abraços, Benito Pepe

  • em
    Permalink

    Gostaria de saber o que você acha de ações afirmativas para negros e índios?

  • em
    Permalink

    Olá Adriana, obrigado pelo questionamento. Se você se refere aos grupos que pretendem se firmar como segmento da sociedade, nada contra. A única situação que me desagrada são grupos que pretendem se firma com benefícios exclusivamente raciais. Acho, por exemplo, delicado um grupo ter privilégios de “cotas raciais” pra entrar em uma universidade. Se for pra dar algum privilégio, que sejam dados às classes economicamente de menor condição financeira, pois é claro que há alguns índios e negros que tem condições financeiras de estudar em bons colégios no ensino médio e dessa maneira não precisariam de facilidade de cotas pra entrar na universidade, no entanto há muitos brancos, amarelos etc. que não possuem essas condições…

    Veja também o meu texto>>> http://www.benitopepe.com.br/2012/02/13/os-mitos-da-meritocracia-e-da-competitividade-tanto-na-escola-quanto-nas-empresas/

    Abraços, Benito Pepe

  • em
    Permalink

    A teoria de Lamarck foi desacreditada a muito tempo,que é principalmente a teoria do uso e desuso,mas quando leio sobre essa questão das modificações na pele,eu vejo essa teoria nisso,pois nos primordios quando negros foram para os polos e tempos foram passando e a pele clareando,isso pra mim é uso e desuso,pois não precisavam tanta melanina nos polos.Assim como as mutações sugeridas por darwin e sua perpetuação perante seleção natural,me parecem muito especificas para ser apenas uma mutação aleatoria,vista a infinidade de mutações que poderiam ocorrer em uma especie,por exemplo..porque nasceu uma girafa “mutante” com pescoço maior ? não poderia ter nascido uma girafa mutante com sei la,um fucinho maior tipo trompa apenas,ou pernas maiores, que fatores teriam sido determinantes para nascer apenas com pescoço maior ou as que nasceram com pernas ou fucinho maior nao se perpetuarem?Acho que o problema de tudo é que sempre intepretaram lamarck ao extremo.Vejam que não entendo de biologia,nem mesmo gosto ou estudo,atualmente estudo para ITA,apenas acho interessante e tenho curiosidade,se alguem ver isso,gostar de biologia e quiser debater e me explicar melhor meus equivocos,fique a vontade em me escrever…

  • em
    Permalink

    Legal Rodrigo, obrigado pela tua opnião.
    Abraços, Benito Pepe

  • em
    Permalink

    Ola professor Benito Pepe.

    Sem duvidas todos no mundo tem como origem os negros da Africa. Entretanto descobertas recentes sugerem que as populações da Eurasia não vieram apenas dos H.Sapiens vindos da Africa mas também de outros humanoides que foram extintos com o passar do tempo.

    Um hominideo pre-humano, o Homo Erectus saiu da Africa, ate na China já encontraram fossil dele. Em simultaneo o Homo Erectus evoluiu para Homo Sapiens da Africa, Neandertal na Europa e talvez Denisovan na Siberia.

    Ha estudos que dão indicios de que houve intercruzamento com neandertais e que só os africanos subsaarianos não descendem deles. O Denisovan é o humanoide que menos se sabe a respeito, foi descoberto ha poucos anos atras e se constatou que quem mais carrega seus genes são os aborigenes da Australia.

    O que o senhor pensa desses intercruzamentos com outros humanoides não africanos? Eles podem por em xeque a afirmação que é o titulo desse texto que diz: Os Brancos, Amarelos e Índios são “mutações” do homem original Negro ? Por mecher num tema muito sensivel esse tipo de descoberta pode ter alguma implicação?

    Essa descoberta em torno do genoma Neandertal saiu nas fontes de maior impacto que se tem no planeta que são a Nature e a Science. Como essa descoberta foi muito recente talvez não tenha sido muito discutida.

    http://www.nature.com/news/2010/100420/full/news.2010.194.html
    http://www.nature.com/news/2011/110809/full/476136a.html
    http://www.sciencemag.org/content/328/5979/710.short
    http://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/23055938

    Reportagens sobre essa descoberta

    http://www.youtube.com/watch?v=llwm_ts3Bo0

  • em
    Permalink

    Olá Pedro, obrigado por sua imensa contribuição e questionamentos! Vou deixar aqui sua publicação e links a fim de que, se houver quem possa contribuir que o faça. Agradecemos toda e qualquer contribuição para este tema.

    A minha opinião, que deixo claro ser apenas um doxa, ou seja, não é de um estudo episteme, é de que o homem tem uma origem comum e que depois ele vai “sofrer” mutações. Pode ser também que ao sair do “éden” ele se mistura e volta novamente ao seu local de origem e assim vai saindo e voltando com novas mutações…

    Abraços, Benito Pepe

  • em
    Permalink

    Amei! Independente de teorias , o importante é que entendamos que somos todos descendentes de um ancestral comum negro e devemos combater em nossas mentes o vírus do racismo.

  • em
    Permalink

    Exatamente isso cara Flavia. Obrigado pelo comentário!
    Abraço, Benito Pepe

  • em
    Permalink

    Boa tarde.
    No site Bubok.es, há um livro publicado com o título: Porque eu sou negro?
    Ali está a explicação sem margem para dúvidas sobre a origem do negro.
    Obrigado

  • em
    Permalink

    Olá José do Egito, caso tenha interesse que eu divulgue o link do teu livro, favor envia-lo para mim. Vá em contato neste site.

    Abraços, Benito Pepe

  • em
    Permalink

    Olá meu camarada, lendo na face o programa “ DEBATES CULTURAIS”, e tendo a certeza de que não posso colocar-me no meio de tantas feras nestes debates. Peguei o livro de filosofia e fui lerpara destrair a cabeça e descobrir que a matemática de Pitágoras e o estudo de Galileu. Sobre os corpos é uma coisa muito interessante.
    Assim como os corpos CELESTES se movimentam no espaço, e que o astro rei (SOL) é quem à tudo comanda. Fui perceber que somos passageiro de uma viagem e que tudo que existe no planeta TERRA são meus caronas inclusive você, brincadeiras a parte. Vamos lá.
    Viajamos num veículo chamado TERRA , com .12.942,000,000 Ks2 ( doze milhões novecentos e quarenta e dois milhões deKm2 diâmetro),em que vivemos que durante o dia, viaja para completar uma volta de (1.300,000). Multiplica aí para mim cada leitor pela idade que tiver, e veja qual o tempo que você passa viajando. Depois alguém diz que não viaja…
    Galileu generalizava a concepção de perfeição do mundo. Aplica-a a todos os fenômenos físicos celeste ou terrestres, O espaço para ele, era todo homogêneos, e os que ai ocorre pode ser determinado matematicamente . Mas do isso, para o mundo que o mundo possa sr descrito de modo matemático é precisa que seja concebido como um espaço homogêneo , indistinto.Contra a evidência observável de que , por exemplo os corpos os corpos leves sobem e os pesados caem , ela propõem..
    A conclusão de cheguei é a seguinte se você colocar dois pedaços de ferro de acordo com seus feitiossobre a água,um vai afundar o outro vai ficar sobre a água. Exemplo dois pedaços de ferro, Um navio vai flutuar. E outro sem feitio nenhum
    com certeza vai afundar.. Bom meu amigo coloquei este comentário aqui , pois confesso a você que estou com dificuldade, não só de visão, e a cabeça, é prreciso muito essforço para raciocinas, mais, tudo bem, DEUS vai me dando forças para comentar oSITE de BENITO PEPE um abraço para você e para a turma DOS DEBATES CULTURAIS .

  • em
    Permalink

    Então estude mais “Anônimo”!

    Derival, não entendi!

    Abraço, Benito Pepe

  • em
    Permalink

    Alguém escreveu ” fasso” do verbo fazer- Com dois s- e pesquisa com Z – , o correto é : Faço , e pesquisa !!!

  • em
    Permalink

    Olá Zamber, é verdade há um comentário acima com esses erros de português.

    Obrigado pela observação e atenção na leitura dos comentadores… a única observação que eu preciso fazer é que eu não altero os comentários, mantenho-os como foram publicados.

    Abraço, Benito Pepe

  • em
    Permalink

    Muito bom o artigo
    Parabens

  • em
    Permalink

    Caro JM Dias, agora que vi teu comentário acima hehe

    Bem, estamos juntos, obrigado! Força e continue na Luta, Coragem e Força!!

    Grande abraço,
    Benito Pepe

  • em
    Permalink

    Preliminarmente, cumpre-me esclarecer que já fui adepto da ideia do evolucionismo “fora da espécie”. Hoje, entretanto, continuo crendo no evolucionismo, mas dentro de cada espécie. Estudos e observações fizeram-me um criacionista racional. Creio que o ser humano original surgiu neste Planeta há milhares; não a milhões de anos. Enquanto estivermos vivendo nesta primeira dimensão (solo da terra) será mui difícil entendermos a plenitude das verdades (realidades). Quanto à especulação de que o primeiro ser humano tenha sido branco, negro ou de outra cor, atenho-me à ideia de que, quando do estado geofísico da terra foi constituído num único continente – a pangeia – o que hoje denominamos de África era, de fato, uma parte ligada ao atualmente denominado Oriente Médio. E, ao que tudo indica, foi nalgum lugar desse oriente próximo, provavelmente ao norte da antiga Mesopotâmia, podendo ter sido no atual território do Iraque. Então, partindo dali, não seria ilógico imaginar que um provável homem branco, ao se separar das proximidades da atual Armênia para o território que se convencionou chamar de África, foi ficando, com o passar do tempo – ou, quiçá, imediatamente! – com a pele escurecida, dando origem aos que chamamos “negros”. Já os que foram para a parte mais oriental, havendo chegado na Mongólia – próxima ao Cáucaso – dirigiram-se para a China, para as Américas, dando origem à raça (etnia) amarela que, mais precisamente, são marrons. Deus, o Eterno (Elohim, Theo), criador, sustentador e governador de tudo que há no Universo, certamente um dia nos esclarecerá os pontos curiosos. Só lembrando: nós, os humanos, somos espírito (ser), possuindo uma alma (sentidos), habitando num corpo físico – sem duvidar de que há corpos celestiais.

  • em
    Permalink

    Olá Sizenando,

    Obrigado pelo seu rico comentário! nos leva a refletir por outros ângulos. E pensar de outra maneira é bem bacana, muito obrigado por isso.

    Abraço,
    Benito Pepe

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.