O Fenômeno (4.1)

Continuando nosso texto: A Filosofia e a Astronomia…

Se procurarmos a definição de fenômeno no dicionário Aurélio teremos que fenômeno é: “Tudo quanto é percebido pelos sentidos ou pela consciência; tudo o que se observa de extraordinário no ar ou no céu”. Bem, esta é uma definição bem abarcante, mas o que gostaríamos de salientar é o termo “o que se observa de extraordinário no ar ou no céu” ou seja aquilo que não é ordinário; fora do comum.

Como este é um trabalho de filosofia é imprescindível buscarmos as definições em dicionários de filosofia, portanto Abbagnano diz inicialmente que fenômeno é:

O mesmo que aparência. Nesse sentido o fenômeno é a aparência sensível que se contrapõe à realidade, podendo ser considerado manifestação desta, ou que se contrapõe ao fato, do qual pode ser considerado idêntico. (2007, p.510).

De qualquer maneira estes são termos assumidos na linguagem comum, vejamos agora como se trata fenômeno a partir do século XVIII.

(…) a palavra fenômeno começa a designar o objeto específico do conhecimento humano que aparece em condições particulares, características da estrutura cognitiva do homem. Nesse sentido, a noção de fenômeno é correlativa com a de coisa em si, a ela remetendo por oposição contrária. Abbagnano (op. cit.).

Naquele século se questionava a capacidade do homem conhecer, ou melhor, a limitação do conhecimento humano, e foi desta convicção, como nos relembra Abbagnano que Kant diz:

Fenômeno é o que não pertence ao objeto em si mesmo, mas se encontra sempre na relação entre ele e o sujeito, sendo inseparável da representação que este tem dele. Por isto mesmo os predicados do espaço e do tempo são atribuídos aos objetos dos sentidos como tais, e nisso não há ilusão. Ao contrário, se atribui à rosa em si a cor vermelha, a Saturno os anéis ou a todos os objetos extremos em si a extensão, sem levar em conta a relação desses objetos com o sujeito e sem limitar meu juízo a essa relação, então nasce a ilusão. (2007, p.510).

Portanto neste sentido, fenômeno não é o objeto que se manifesta, mas o objeto que “aparece” ao homem como tal com suas limitações entendidas nessa época.

Tratando destes termos na contemporaneidade precisamos buscar o que disse Husserl a partir de suas Investigações Lógicas, como comenta Abbagnano:
Fenômeno começou a indicar não só o que aparece ou se manifesta ao homem em condições particulares, mas aquilo que aparece ou se manifesta em si mesmo, como é em si, na sua essência. É verdade que para Husserl o fenômeno neste sentido não é uma manifestação natural ou espontânea da coisa: exige outras condições, que são impostas pela investigação filosófica como fenomenologia. O sentido fenomenológico de fenômeno como revelação de essência. (2007, p.511).

Visto isto podemos comentar Heidegger que considera o fenômeno como o aparecer puro e simples do ser em si e o distingui assim da simples aparência que é indício do ser ou alusão ao ser (que contudo permanece escondido) e que, por isso, é o não manifestar-se ou o esconder-se do ser. Heidegger (Ser e Tempo).
Em suma Abbagnano resume os sentidos ou significados da palavra fenômeno atualmente em uso da seguinte forma:
1) aparência pura e simples (ou fato puro e simples), considerada ou não como manifestação da realidade ou fato real; 2) objeto do conhecimento humano, qualificado e delimitado pela relação com o homem; 3) revelação do objeto em si. (2007, p.511).

Depois destas considerações inicias podemos passar para o termo fenomenologia e entendermos melhor a abrangência que o mesmo toma em nossa contemporaneidade.

Abraços do Benito Pepe

No próximo tópico falamos da Fenomenologia.



Referência bibliográfica:

ABBAGNANO, Nicola. Dicionário de filosofia. 5.ed. São Paulo: Martins Fontes, 2007.

Benito Pepe

Benito Pepe: Empresário há mais de 30 anos, Administrador, Filósofo, Astrônomo Amador, Colunista, Palestrante, Instrutor e Professor Universitário. Tem formação acadêmica na área de Administração com pós-graduações em: Administração estratégica de empresas; Marketing; Filosofia Contemporânea; e Filosofia Antiga. Publica Aqui, seus textos sobre Filosofia, Astronomia, Administração, Marketing, Religião, Assuntos da Atualidade, além de um Papo geral.

2 comentários em “O Fenômeno (4.1)

  • em
    Permalink

    Muito bem meu camarada:
    Este eu vou reduzir bastante, pois no proximo tópico temos a Fenomenologia que é exatamente o estudo do fenômeno, a qual descreve o seu significado, vamos lá!.
    O que é o Fenômeno? Qualquer manifestação ou aparências material ou espiritual, tudo que pode ser percebido pelos sentidos ou pela consciência, fato, aquilo que é raro e surpreendente, maravilhas, pessoas que se destingue por algum dote extraordinário.
    Meu amigo, eu acho que tudo que existe no mundo e no universo infinito são fenômenos, as próprias criaturas animadas e inanimadas são criadas pelos fenômenos naturais.
    O homem é um fenômeno criado pela natureza, em seu ser pode até existir algo de fenomenal,porém ele jamais poderar criar um fenômeno, pois esta força vem do sobrenatural, em fim meu amigo, para se falar sobre fenômenos seria preciso muitos espaços deste que estou postando este comentário, pois para mim os fenômenos são infinitos e acontecem a todos instantes.
    Um abraço J.M.Dias

  • em
    Permalink

    Valeu a contribuição meu caro JM Dias.

    Abraços, Benito Pepe

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.