Construindo Pontes ao invés de Muros

Dois irmãos que moravam em fazendas vizinhas, separadas apenas por um rio, iam se visitar todos os dias à noitinha. As duas fazendas ficavam bem de frente uma a outra, eles podiam se ver, mas a distância não permitia um diálogo a não ser com o esforço de uma caminhada. Cada dia um deles caminha por longo tempo até chegar a uma ponte distante, atravessava a ponte e caminhava mais um tempo até encontrar-se com o outro irmão em sua fazenda.

Ler mais

Sumário, Bibliografia e Referências Bibliográficas do Texto “Filosofia e Cosmologia: A Physis e o Thauma Sempre Presentes”

Observo aos leitores que nem todos os tópicos apresentados abaixo estão com o mesmo título como foi publicado neste Site, no entanto publico aqui da maneira como está contida na monografia em si.

Ler mais

O Esquecimento do Ser mencionado por Heidegger. E na Astronomia o Esquecimento do Céu

A tarefa declarada de Ser e Tempo é a de determinar o sentido do ser, Heidegger diz que este ser foi esquecido; o mundo ocidental o esqueceu. Mas Heidegger conforme nos lembra Reale e Antiseri (2006, p.208) se vê em aporia, pois “a análise do ser-aí, isto é daquele ente privilegiado que se propõe a pergunta sobre o sentido do ser, não revela o sentido do ser e sim o nada da existência”.

Ler mais

Heidegger e os Gregos: o Ser e o Céu antes e hoje

Neste capítulo vamos sucintamente esclarecer os termos e as definições de fenômeno e fenomenologia através de alguns autores desta corrente filosófica, como Husserl e principalmente Martin Heidegger; e fazer uma analogia entre o esquecimento do Ser tratado por Heidegger no seu livro: Ser e Tempo e a Astronomia, ou melhor, o esquecimento ou desconhecimento desta nossa origem Cósmica. Ao falarmos de fenomenologia não poderíamos deixar de citar Edmund Husserl que foi o mestre de Heidegger e para quem este dedica o seu livro Ser e Tempo.

Ler mais

A Fábula do Rato e uma Analogia com o Ambiente de Trabalho

A fábula que segue nos leva a refletir quanto aos “problemas de trabalho” e as relações interpessoais. A Fábula do Rato, nos mostra claramente como deveríamos nos comportar no Ambiente de Trabalho. Muitas vezes esquecemos que fazemos parte da mesma Rede de Relações Interpessoais.

Ler mais

Quatro Cegos e a Avaliação de um Elefante. Como cada um o vê?

Esta fábula do folclore Indu que segue abaixo é clássica e mostra como cada indivíduo que vê as coisas somente do seu ponto de vista pode pensar estar certo, no entanto pode concluir estar errado quando vê as coisas por outro lado, de outro ponto de vista. Quando ouvimos todos os lados envolvidos em uma situação e outros pontos de vista, podemos tirar uma conclusão mais eficaz e completa de uma situação. A empatia é fator preponderante.

Ler mais

Fragmentos do Livro Política de Aristóteles

Este texto que segue é um fragmento do Livro a Política de Aristóteles, é uma tradução de José Oscar de Almeida Marques – Departamento de Filosofia, IFCH-UNICAMP.
Política de Aristóteles
Livro I Capítulo 1 [1252a] Visto que toda cidade é um tipo de associação e que toda associação se forma tendo em vista algum bem (porque todos os homens sempre agem tendo em vista algo que lhes parece ser um bem), resulta claramente que, se todas as associações visam um certo bem, aquela que é a mais alta de todas e engloba todas as demais é precisamente a que visa ao bem mais alto de todos; ela é denominada cidade (pólis), ou comunidade política.

Ler mais