O Homem e a Natureza; uma Dádiva? Um Acaso? E o Ocaso?

Que a Vida é algo “Maravilhoso”  acho que não se questiona muito. Na sua imensa maioria os seres vivos defendem a sua vida e a querem prorrogar ao máximo, seja por instinto ou racionalmente, queremos viver mais e mais…  se a Vida é uma Dádiva ou um Acaso, pouco Caso faz para muitos, mas quanto ao Ocaso, aí preocupa a tantos “humanos”.

Neste texto não vou argumentar as ideias: Dádiva ou Acaso. Esse tema pode ser lido no meu texto, “A origem do Universo e da Vida (há vida só aqui na Terra?)” o que pretendo aqui é polemizar a Relação do homem com a natureza em épocas passadas e a diferença que ocorre a partir da modernidade, e a sua preocupação com o Ocaso.

O homem há poucos milhares de anos atrás tinha um convívio e harmonia com a natureza que poderíamos dizer que ele sentia-se parte da natureza, o ser humano contemplava aquela Natureza e até a reverenciava. Ele, ainda que intuitivamente,  sabia que fazia parte desse Todo que os gregos antigos diziam:  physis. O homem, a natureza, os deuses gregos, tudo era imanente ao cosmos. Dessa maneira sabia-se que um estava ligado ao outro,  nasceram juntos, eram irmãos.

Hoje quando falamos e pensamos na natureza, muitas vezes nos vemos refletindo quanto aos animais, as florestas, o ar com sua “quantidade certa” de oxigênio respirável para o ser humano, a água, etc. Mas será que estamos pensando na Natureza, na ecologia no sentido amplamente planetário ou será que estamos pensando em nós mesmos? Bem, que nós somos os seres vivos que mais influíram na Natureza, em todos os tempos do planeta, parece algo verdadeiro. Nós não só influímos na natureza como a transformamos, a modificamos, a exploramos como se fosse algo exclusivamente posto aqui para Nós esses animais onipotentes e egocêntricos.

Portanto se faz necessário que esses animais onipotentes façam alguma coisa para não deixar escapar a Sua Fonte de Vida. É óbvio que quem transforma e/ou explora alguma coisa deve fazer algo para não acabar definitivamente com a sua Fonte.

Os homens observam os animais  na natureza e muitas vezes se perguntam: que estranhos são esses animais, o que é que se passa pela cabeça deles? Fazem essas perguntas sem perceber que os estranhos não são os animais, somos nós. Nós somos os estranhos, somos os diferentes em muitos aspectos, ainda que guardemos muito de nossa animalidade, estamos em um processo de “humanização” deixando nosso território animal e entrando no novo território humano.

O Planeta Terra está aí há 4 bilhões de anos, diversas espécies já passaram por aqui, algumas precisaram acabar para que outras proliferassem, se algumas daquelas espécies não tivessem sido extintas, é provável que nós não estivéssemos aqui. E quem poderia afirmar que para outras espécies virem a existir aqui no Planeta não seria necessário que nossa espécie fosse embora?

Nós queremos, isto sim, é nos perpetuarmos no planeta. É lógico que temos que cuidar da natureza, é claro que Nós os maiores exploradores e destruidores de todos os tempos desse Planeta, precisamos cuidar para que ele não acabe por nós mesmo, mas não podemos pensar, como é  praxe no pensamento, que estamos cuidando para as futuras gerações. Acho que o nosso pensamento deveria estar pautado em outros termos. Será que vamos acabar com o planeta de uma forma que nenhuma vida mais seja possível?

A nossa espécie é apenas uma, das milhares, que passaram ou passarão pelo planeta, mas as outras espécies extintas não acabaram com o planeta. Houve situações naturais que o fizeram, mas a natureza, como sábia,  deu nova Vida no Planeta e ao Planeta.

Abraços do Benito Pepe

Benito Pepe

Benito Pepe: Empresário por 30 anos, Administrador, Filósofo, Astrônomo Amador, Colunista, Palestrante, Instrutor e Professor Universitário. Tem formação acadêmica na área de Administração com pós-graduações em: Administração estratégica de empresas; Marketing; Filosofia Contemporânea; e Filosofia Antiga. Publica Aqui, seus textos sobre Filosofia, Astronomia, Administração, Marketing, Religião, Assuntos da Atualidade, além de um Papo geral.

16 comentários em “O Homem e a Natureza; uma Dádiva? Um Acaso? E o Ocaso?

  • em
    Permalink

    olá
    estou muito feliz, por ter encontrado material desta natureza. conheco a qualidade do seu trabalho, pois fui sua aluna na ufba, posteriormente fui aluna tbem de sua esposa na pós- graduação. admiro o trabalho de ambos. gostaria de poder compartilhar das palestras proferidas por vcs, além de ler os assuntos de tamanha relevãncia. grande abraço, continuem instruindo rompendo os indices de desinformados.
    abraço
    rita paixão.

  • em
    Permalink

    Olá Rita, eu devo ser homônimo desse professor que você admira. Fico muito feliz em saber que há um professor, meu xará, na universidade da Bahia e que é um bom profissional, isso é bom para os Benitos hehe… Quanto a mim eu me considero um ótimo profissional mesmo (desculpe-me a modéstia), aliás dou aulas por puro prazer, pois vivo como empresário. Quanto a romper o índice de desinformados é o que procuro fazer sempre embora não seja tarefa fácil não. Há muito dogmatismo e mentes fechadas… muita gente na “caverna” e pior não quer sair de lá, está feliz assim…

    Abraços do Benito Pepe

  • em
    Permalink

    Olá Professor e empresário Benito!!! estava pesquisando sobre o homem e a natureza quando me deparei com seu site, maravilhoso, fiquei feliz , pois vai ser de muito proveito em um trabalho que tenho que fazer pro meu professor de antropologia, a pra tu saber estou fazendo faculdade de teologia, e tivemos uma aula muito boa sobre antropologia, assistimos o filme Uma verdade incoveniente, e agora o seu artigo servirá pra concluir minha pesquisa. Parabéns por sua dissertação a respeito desse tema e por todo seu site que é muito educativo. Sou professora também, e concordo contigo a respeito de que as pessoas estão na caverna, infelizmente cada vez mais caminhando pro escuro, parece que é mais comodo ser alienado do que reflexivo, porque o alienado caminha no ritmo do Zeca pagodinho: Deixa vida me levar, vida leva eu (rsrsrsrs) e por aí vai…. Bom, era isso que queria te deixar. Obrigada por sua contribuição e por saber que vale muito a pena “romper o índice dos desinformados” Um abraço
    “Para quem tem experiência com Deus, o mundo é uma grande mensagem”
    (Leonardo Boff)

  • em
    Permalink

    Olá Kátia Farias, obrigado pelo carinhoso comentário, gostei muito!!

    Fico feliz em saber que meu texto vai te ajudar em um trabalho na disciplina “Antropologia”, aliás tema que gosto muito, é um dos assuntos que sempre estou lendo… Antropologia, Arqueologia, Astronomia, Filosofia e Religião, são temas que leio com muito prazer. Parabéns pela faculdade de Teologia! (Gostaria de lembrá-la para citar os créditos do meu site). Por fim é muito bom ter comentários aqui no meu Site/blog de uma colega professora, inteligente como você, isto valoriza meu site, e pelos seus comentário noto que você leu muita coisa mesmo.

    Se você gostou mesmo, recomende para os amigos, valeu?

    Abraços do Benito Pepe

  • em
    Permalink

    Oi, pessoal

    Geralmente eu só leio as postagens e comentários aqui, mas estou com uma dúvida e gostaria de saber se algum de vocês pode me dar umas dicas. Eu vou tirar 30 dias de férias agora no próximo verão, e estava pensando em ir para Praça José de Alencar. Alguém aqui já foi pra lá? Gostaram? Vale a pena passar 30 dias lá? Quais atrações turísticas vocês recomendam? Se alguém puder ajudar, escreve aí.. Valeu mesmo, pessoal! Abraço!

  • em
    Permalink

    Olá “triebread” acho que você postou aqui por engano…
    Abraços, Benito Pepe

  • em
    Permalink

    Olá meu camarada, posso falar para você que a praça José de Alencar no centro de Fortaleza é muito aconchegante e o teatro que leva o mesmo nome é muito bom também, mais você não pode deixar de ir a praça do Ferreira, também no centro, pois quem não conhece este lugar não pode dizer que conhece Fortaleza. Vá também a praça da lendária igreja da Sé, tudo perto, vá ao mercado popular onde você encontra todo tipo de artesanato e muitos bordados artísticos verdadeiras obra primas. Você não pode deixar de ir a praia de Aldeota, que fica entra as praias de Iracema e Mucuripe, lá você encontra uma infinidades de vans que te apanha as seis horas da manhã na porta do teu hotel e te leva para as mais lindas praias do litoral Cearense, cada dia vai a um lugar, muito lindo mesmo! Posso te afirmar pois passei 15 dias na Aldeota, isto sem contar com uma feira artesanal diariamente e varias barracas onde você saboreia os mais deliciosos peixes e a gostosa lagosta. Só posso te desejar uma gostosa férias. Pois você bem as merece , vá com Deus e divirta-se. Um abraço do amigo J.M.dias. Se quiser mais alguma dica entra no Facebook ou E-mail.

  • em
    Permalink

    Olá meu camarada, houve um equivoco da minha parte, por favor apague as dicas que passei. Pensei que era você que ia tirar ferias akakakakak.

  • em
    Permalink

    Fala meu amigo JM Dias! Deixemos as dicas aí, podem ser úteis para outrem..
    Abraços Benito Pepe

  • Pingback:Quem é Deus e quem somos nós? | Benito Pepe: Palestras, Workshops, Treinamentos de Equipes e Cursos

  • Pingback:Quem é Deus e quem somos nós? | Debates Culturais – Liberdade de Idéias e Opiniões

  • em
    Permalink

    Bem meu camarada, se pretendemos fazer uma descrição fiel da natureza sagrada do ser humano, teremos que falar de Deus. De todos os homens nascidos neste mundo, Jesus Cristo foi ” o ser humano mais semelhante a Deus” foi também o’ Deus mais semelhante ao ser humano’. Vemos aí que o ser humano é dotado de natureza divina., Se a nossa mente é dotada, de natureza divina., O ser humano é dotado de Amor, Verdade, é Vida, é energia, é Sabedoria, é Espirito, tudo isto herdado do Pai. Ele nos deu todos estes atributos para sermos capaz de dominar as coisas naturais, e consequentemente dominar a natureza divina.
    Bem meu amigo infelizmente ante a força do progresso, não pode haver retrocesso, o homem vem devastando a natureza a muito tempo, infelizmente não em beneficio do progresso, mas pela ganancia do vil metal!, não respeitando nem os verdadeiros donos, que são os animais e os nativos da terra. Meu amigo isto não acontece por ACASO. Aí é onde mora o problema, eles nem de longe, estão imaginando no que isto pode levar o Planeta ao O)CASO.
    Já que falamos em ocaso, vou narrar um fato inesquecível que aconteceu comigo , que me lembra um OCASO LINDO.
    No último dia 31 de janeiro do seculo XX, estava eu sentado numa cadeira de praia à beira da lagoa de Araruama, onde moro, tomando uma cervejinha (naquela época eu podia beber) estava sozinho escutando o bramido do mar, quando de repente um fato me chamou atenção; pois fazia um lindo dia de sol. Uma, enorme bola de fogo começava a mergulhar la no infinito horizonte, parei de tomar a cerveja, para observar, como a natureza é linda, pois naquele momento, eu estava vivendo o último por do sol, ou seja! O ÚLTIMO OCASO DO SÉCULO XX. Um abraço do amigo J.M.DIAS.

  • em
    Permalink

    Bom diaaa!!
    Showww..amei… realmente estranhos somos nós pois deixamos de ser como fomos criados e nos transformamos em seres ” racionais” precisamos sair um pouco da caixinha onde pensamos em nós mesmos e realmente pensar no legado que estamos deixando para as gerações futuras. Sair um pouco do discurso e efetivamente fazer coisas concretas no nosso dia a dia , nem que seja simplesmente abaixar para pegar um papel de bala no chão.
    Tento fazer a minha a minha parte, sei que ainda é uma gotinha no oceano, mas todos os dias encontro também muitas gotinhas por ai…rsrsrs.

  • em
    Permalink

    Que Bacana JM Dias, Emocionante teu relato!

    Interessante como graças à Deus você tem maravilhosas lembranças,que alegria eu poder ler isso meu camarada.

    Lindo pensar que o ocaso e o acaso na verdade não é por acaso ehehhe

    Grande abraço,

    Benito Pepe

  • em
    Permalink

    Bacana Oneide, obrigado pelo carinho do comentário no meu Site/blog ele está mais rico agora hehe

    Bem, quando falamos hoje em “sair da caixinha” eu me remeto ao celebre, eterno e um dos pensamentos Platônicos tão bem sintetizado na “Alegoria da Caverna” http://www.benitopepe.com.br/2009/03/31/a-alegoria-da-caverna-de-platao-%E2%80%93-livro-vii-da-republica/ sem dúvida precisamos sair das poucas cavernas em que mergulhamos e conhecer outras…

    Grande Abraço,

    Benito Pepe

  • em
    Permalink

    NATUREZA QUE MARAVILHA QUE NÃO É RESPEITADA PELOS HOMENS POIS NÃO SABEM TIRAR PROVEITO DE UMA FORMA TRANSPARENTE E AMIGÁVEL

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.