A Alegoria da Caverna de Platão – Livro VII da República

Esta alegoria, também chamada Mito da Caverna foi escrita por Platão século IV a.C, está contida no livro VII da Republica de Platão. É Leitura imprescindível para todas as pessoas de qualquer área de atuação.

Prefiro usar a palavra “Alegoria” pois penso que demonstra mais claramente o objetivo de Platão. A Palavra mito pode lembrar algo não tão representativo ou até mesmo “mentira” se considerada com o uso contemporâneo, e na realidade se usássemos o Mythos com o sentido ainda remanescente na época de Platão poderia se confundir ainda mais, tendo em vista que o Mythos Grego tinha uma força muito especial na Cultura de então. (para saber mais sobre mythos leia Do mito à Filosofia…). Portanto vamos a Alegoria da Caverna! Mas antes recordemos um pouco quem foi Platão.

Platão viveu em Atenas (427-347 a.C), era de família Nobre, seu nome verdadeiro era Arístocles, mas seus “ombros largos” deram-lhe o apelido que tem o Significado da palavra “Platão”. Ele foi discípulo de Sócrates (considerado por Platão, e por outros, como o homem mais sábio e justo de então). Platão fundou a famosa Academia uma espécie de universidade pioneira dedicada à pesquisa científica e filosófica e um centro de formação política. Desenvolve a Teoria das Idéias onde menciona que o processo do conhecimento se desenvolve por meio da passagem progressiva do Mundo das Sombras e Aparências para o Mundo das Idéias e essências.

Para Platão, somente os filósofos, amantes da verdade, teriam condições de libertar-se da Caverna das ilusões e atingir o mundo luminoso da realidade e sabedoria.

Quando falamos dessa Alegoria podemos destacar alguns pontos que normalmente não são tão bem lembrados. Por exemplo: a questão dos Paradigmas e a questão do “conhecimento”. (veremos isso mais à frente)

Podemos dividir e entender esta alegoria da Caverna em três etapas:

1.1. – o ambiente, o local e a situação em que se encontram as pessoas.
1.2. – a libertação dolorosa e a saída também dolorosa da caverna.
1.3. – o retorno à caverna – a educação – o desejo de repassar o conhecimento deslumbrado.

Outros pontos que podem ser lembrados: o prisioneiro que escapa pode ser Sócrates; quando ele retorna e tenta libertar os outros presos, demonstra o que deve fazer um bom político, um bom governante, ou um bom educador como queiram. Todos esses sentidos estão subjacentes no diálogo.

Vamos agora ler Platão através de seu texto adaptado e narrado por Marilena Chaui. Depois faremos novas considerações.


A Alegoria da Caverna

Imaginemos uma caverna subterrânea onde, desde a infância, geração após geração, seres humanos estão aprisionados. Suas pernas e seus pescoços estão algemados de tal modo que são forçados a permanecer sempre no mesmo lugar e a olhar apenas para frente, não podendo girar a cabeça nem para trás nem para os lados. A entrada da caverna permite que alguma luz exterior ali penetre, de modo que se possa, na semi-obscuridade, enxergar o que se passa no interior.

A luz que ali entra provém de uma imensa e alta fogueira externa. Entre ela e os prisioneiros – no exterior, portanto – há um caminho ascendente ao longo do qual foi erguida uma mureta, como se fosse a parte fronteira de um palco de marionetes. Ao longo dessa mureta-palco, homens transportam estatuetas de todo tipo, com figuras de seres humanos, animais e todas as coisas.

Por causa da luz da fogueira e da posição ocupada por ela, os prisioneiros enxergam na parede do fundo da caverna as sombras das estatuetas transportadas, mas sem poderem ver as próprias estatuetas, nem os homens que as transportam.


Como jamais viram outra coisa, os prisioneiros imaginam que as sombras vistas são as próprias coisas. Ou seja, não podem saber que são sombras, nem podem saber que são imagens (estatuetas de coisas), nem que há outros seres humanos reais fora da caverna. Também não podem saber que enxergam, porque há a fogueira e a luz no exterior e imaginam que toda luminosidade possível é a que reina na caverna.

Que aconteceria, indaga Platão, se alguém libertasse os prisioneiros? Que faria um prisioneiro libertado? Em primeiro lugar, olharia toda a caverna, veria os outros seres humanos, a mureta, as estatuetas e a fogueira. Embora dolorido pelos anos de imobilidade, começaria a caminhar, dirigindo-se à entrada da caverna e, deparando com o caminho ascendente, nele adentraria.

Num primeiro momento, ficaria completamente cego, pois a fogueira na verdade é a luz do sol e ele ficaria inteiramente ofuscado por ela. Depois, acostumando-se com a claridade, veria os homens que transportam as estatuetas e, prosseguindo no caminho, enxergaria as próprias coisas, descobrindo que, durante toda sua vida, não vira senão sombras de imagens (as sombras das estatuetas projetadas no fundo da caverna) e que somente agora está contemplando a própria realidade.

Libertado e conhecedor do mundo, o prisioneiro regressaria à caverna, ficaria desnorteado pela escuridão, contaria aos outros o que viu e tentaria libertá-los.

Que lhe aconteceria nesse retorno? Os demais prisioneiros zombariam dele, não acreditariam em suas palavras e, se não conseguissem silenciá-lo com suas caçoadas, tentariam fazê-lo espancando-o e, se mesmo assim, ele teimasse em afirmar o que viu e os convidasse a sair da caverna, certamente acabariam por matá-lo. Mas, quem sabe, alguns poderiam ouvi-lo e, contra a vontade dos demais, também decidisse sair da caverna rumo à realidade.

Algumas considerações da Marilena Chaui

O que é a caverna? O mundo em que vivemos. Que são as sombras das estatuetas? As coisas materiais e sensoriais que percebemos. Quem é o prisioneiro que se liberta e sai da caverna? O filósofo. O que é a luz exterior do sol? A luz da verdade. O que é o mundo exterior? O mundo das idéias verdadeiras ou da verdadeira realidade. Qual o instrumento que liberta o filósofo e com o qual ele deseja libertar os outros prisioneiros? A dialética. O que é a visão do mundo real iluminado? A Filosofia. Por que os prisioneiros zombam, espancam e matam o filósofo (Platão está se referindo a condenação de Sócrates à morte pela assembléia ateniense) (?) Porque imaginam que o mundo sensível é o mundo real e o único verdadeiro.

Bem, amigo leitor, podemos perceber claramente que a Caverna é o mundo como nós o vemos, muitas vezes com nossos pré-conceitos, paradigmas e dogmatismos, “conhecemos” apenas a “nossa caverna” e achamos que tudo e o todo está contido ali. Imagine um homem de uma tribo no meio da Floresta amazônica que nunca saiu de lá de sua tribo, nunca viu nem assistiu uma Televisão (aliás ele não perdeu nada por isso, muito pelo contrário…) ele só conhece o seu mundo a sua caverna. Nós somos assim quando através de “achismos” e crendices mirabolantes que nos são passadas, acreditamos ser os donos da verdade, e não ouvimos nada e mais ninguém.

Outro paralelo interessante à Alegoria da Caverna é o próprio exemplo da televisão, imagine pessoas que vivem só encarando uma televisão com suas “informações”, novelas e programas de auditório etc. Essa é uma Caverna. É preciso “abrir a mente”, pensar, refletir, questionar, enfim Estudar Filosofia! Não podemos ver sem refletir, não sejamos como os presos da Caverna de Platão, que quando apareceu um “libertador” quiseram o matar.

Abraços do Benito Pepe

links Relacionados:


Bibliografia

CHAUI, Marilena. Convite à filosofia. 13.ed. São Paulo: Ática, 2005.

PLATÃO, A república. São Paulo: Martin Claret, 2007.

Related posts:

  1. Texto Completo da “Alegoria da Caverna” contido no Livro “A República” de Platão
  2. Voltamos à Caverna, mas agora ela é high-tech
  3. Outra forma da divisão das Obras de Platão e um Pequeno Comentário
  4. Pequena Biografia de Platão
  5. Platão, uma visão geral de sua obra e doutrina
  6. Obras de Platão
  7. A Doutrina de Platão
  8. República, uma Forma de Governo, no Brasil desde 15 de Novembro de 1889
  9. A F1 – Fórmula 1 – em Alegoria a uma empresa

Benito Pepe

Benito Pepe: Empresário por 30 anos, Administrador, Filósofo, Astrônomo Amador, Colunista, Palestrante, Instrutor e Professor Universitário. Tem formação acadêmica na área de Administração com pós-graduações em: Administração estratégica de empresas; Marketing; Filosofia Contemporânea; e Filosofia Antiga. Publica Aqui, seus textos sobre Filosofia, Astronomia, Administração, Marketing, Religião, Assuntos da Atualidade, além de um Papo geral.

315 comentários em “A Alegoria da Caverna de Platão – Livro VII da República

  • em
    Permalink

    A minha “caverna” é o pecado. Nela eu estava presa mas Jesus, o meu Libertador, arrancou as algemas que me prendiam ao pecado e hoje sou liberta; porque Jesus venceu a morte!Ele ressuscitou!

  • em
    Permalink

    Olá “anônimo” obrigado por seu comentário.

    Você como uma pessoa religiosa e Cristã e olhando o “mundo” de dentro de seu prisma, o observará de uma maneira própria. Quem está subindo uma montanha tem um panorama diferente de quem está no topo ou de quem está na base. Em outras palavras cada um tem um ângulo de observação, e só pode ver a floresta por completo quem sai de sua própria árvore e vai a uma montanha ou em um lugar alto para poder ver a floresta por completo.

    Partes da obra de Platão, foram de fato tomadas pelo Cristianismo, observo que Platão escreveu esta alegoria, contida no livro VII da Republica, aproximadamente 500 anos antes de surgir o Cristianismo, desta maneira ele não poderia estar se referindo ao Cristianismo que nasceria muito tempo depois (meio milênio mais tarde). De qualquer forma é um ponto de vista interessante para quem é Cristão declarar que a caverna é o “pecado” e quando a pessoa se “liberta” do pecado sai da caverna.

    Bem, embora não seja esse o objetivo do texto de Platão, e que deve ser lido com reflexão e de preferência assistindo a uma boa aula de filosofia, eu agradeço o seu comentário e concluo dizendo que o magistério da religião é independente da Filosofia embora muitas vezes aquele tome este.

    O homem que é preso e morto na narrativa de Platão seria Sócrates o “libertador” dos prisioneiros, dos que só viam “sombras” e não conheciam a verdade fora da caverna, Sócrates dito por Platão seria o homem mais sábio do mundo grego e sempre estaria questionando interrogando, refletindo. Este (Sócrates) dizia “só sei que nada sei…” por isso ele estava pronto e aberto ao novo, ao “conhecimento”. Quando achamos que já sabemos tudo e que a nossa “verdade” é a única e que o resto do mundo está errado, não estamos prontos a aprender, só aprende quem procura… e quem procura aprende a respeitar as demais visões e denominações e evidentemente saberá que não sabe tudo, assim é o ciclo da vida, quando penso que sei tudo não sei nada.

    Aprendamos a sair da Caverna juntos.

    Abraços do Benito Pepe

  • em
    Permalink

    quais os fatos mais macantes da vida do filósofo? vc pode me ajudar?

  • em
    Permalink

    Olá, Falar sobre os fatos mais marcantes da Vida de Platão em poucas palavras não é tarefa fácil, mas vou dizer que Platão era um homem de família Aristocrática e que estava ligado a Pólis, a cidade grega, de pólis vem a palavra Política. Um de seus diálogos é justamente “A Republica”, onde Platão desenvolve muitas de suas “teorias”.

    Quanto a alguns fatos marcantes na vida de Platão temos certamente a morte de Sócrates, um dos seus “mestres” e inspiradores, certamente o seu principal inspirador; outro fato marcante em sua vida seguramente foi a Academia que ele funda (uma espécie de universidade, a primeira do mundo).

    Considerando que vc é a mesma pessoa que me mandou um e-mail com estas perguntas a baixo:

    Por favor, gostaria de fazer algumas perguntas sobre a vida do filósofo Platão, pois preciso fazer um trabalho sobre sua vida e acho que sua ajuda será de grande valia para mim: (1) Quais os fatos mais marcantes de sua vida? (2) Ele se inspirou em quem? E quem ele influenciou. (3) O que ele pensou sobre:a) Ética. b) política. c)Teoria ou mundo das idéias. d) Metodologia e) Religião e metafísica. f) Sobre os indivíduos (ou pessoas). Desde já agradeço se puder me ajudar.

    Olha para fazer um trabalho sobre a Vida de Platão e dependendo da profundidade deste trabalho, seria interessante pesquisar em alguns livros sobre a vida deste filósofo, você pode observar na bibliografia contida neste meu site/blog se alguma te atende e pode ir até alguma biblioteca.

    1. Quanto aos fatos mais marcantes na vida de Platão dei dois exemplos acima, com as leituras que você vai fazer você encontrará outros…

    2. Certamente Platão se inspira em muitos “pensadores” antigos, um deles como disse foi Sócrates, outros dois nomes bem marcantes no pensamento de Platão foram Heráclito e Parmênides, aliás tenho um texto neste blog com esse tema: Parmênides e Heráclito.
    Quanto aos seus seguidores são inúmeros, o mais famoso da sua época foi Aristóteles, mas Platão foi e é tão vivo ainda hoje que estamos aqui falando dele 25 séculos depois e posso dizer que há milhares de Mestres e Doutores em filosofia, espalhados pelo mundo, que fazem suas pós-graduações só em Platão.

    3. Quanto a esta 3ª questão: O que ele pensou sobre: a) Ética. b) política. c)Teoria ou mundo das idéias. d) Metodologia e) Religião e metafísica. f) Sobre os indivíduos (ou pessoas).

    Aí complica muito mais eu escrever algo aqui com tão poucas palavras, por isso não vou nem ousar, mas preciso deixar claro que Platão em seu pensamento juntamente com seu mestre Sócrates foram os principais “fundadores” da Metafísica. Mas ele não poderia prever (acredito eu) que 500 ou 800 anos depois o cristianismo “tomaria” emprestado ou “adaptaria” suas “teses” para esta nova religião então nascente. O principal estudioso e utilizador das doutrinas de Platão para a Igreja Cristã foi “Agostinho” que viveu entre os séculos IV e V de nossa era.

    Espero ter podido ajudar um pouquinho que seja.

    Abraços do Benito Pepe

  • em
    Permalink

    olá Benito,muito abrigado você me ajudou muito
    meu nome é Rosemeire

  • em
    Permalink

    Ok Rosemeire, Sinto-me feliz por isso, é por isso que posto meus artigos e textos, justamente para “ajudar” pessoas que precisem refletir algum tema.

    Abraços do Benito Pepe

  • em
    Permalink

    Oh PeePee valeuu …

    vOuu tirar 10 naa prOva deee filOsofia …….

    ee muito enteresante a alegoria da carvenaa
    komo eles viviam presos des da infancia ate a morte … geração por geraçãO….

    beejOh

    J.T

  • em
    Permalink

    Oi; eu queria saber oque o Platão pensava sobre metodologia ?

    BY: Isa Tenori.

  • em
    Permalink

    Olá Isa Tenori, obrigado pela pergunta.

    Para dizer o que Platão pensava sobre metodologia, precisamos primeiro entender como se compreende a metodologia hoje e assim falarmos nesse sentido. Segundo o dicionário Oxford de filosofia, metodologia é “o estudo geral do método nos diversos domínios particulares de investigação…” inclui-se aqui a filosofia, a ciência e tantas outras “fontes” do “conhecimento”.

    Como, para Platão, a verdade estava no mundo das ideas, e portanto na razão, na matemática, no mundo intangível; para ele no mundo sensível não seria possível o conhecimento, tudo aqui é corruptível, é mutável e perecível e além do mais tudo aqui no mundo material são apenas sombras… desta maneira o conhecimento e a verdade estava puramente na razão e no mundo das ideas, no mundo supra-sensível.

    A metodologia pode ser entendida como o método que usamos para se chegar a um resultado de pesquisa por exemplo; e dessa maneira, como disse, Platão buscava e incentivava seus interlocutores e discípulos a buscar a dialética, mas não uma dialética simplesmente pautada em opiniões que seriam debatidas a fim de se chegar à verdade; em Platão, temos duas fases: na 1ª com os diálogos socráticos, “a dialética é um processo de descoberta da verdade por meio de perguntas feitas com o objetivo de explicar aquilo que já é implicitamente sabido” (*) é sumamente um processo de reminiscência, de algo que a alma já tenha contemplado no mundo das ideas; na 2ª fase, “a dialética torna-se a totalidade do processo de iluminação, pelo qual o filósofo é educado de modo a atingir o conhecimento do bem supremo, a forma do bem”.(*)

    Platão via o bem supremo, como a verdade por excelência, e para se atingir o bem supremo somente através do pensamento, da reflexão, da razão, independia portanto de investigações e pesquisas empíricas no mundo tangível, aqui não se encontraria a verdade, estaríamos estudando apenas sombras ou seja cópias imperfeitas da verdade.

    (*)Citações do Dicionário Oxford de Filosofia

    Abraços do Benito Pepe

  • em
    Permalink

    olá meu nome é Renata
    e presciso fazer um pararelo do filme Ensaio da cegueira e Alegoria da caverna, poderia me ajudar

  • em
    Permalink

    gostaria de saber a sua opinião quanto a relevancia da alegoria da caverna da "produção" de teoria do conhecimento. estive estudando platão recentemente, e sem duvida este foi um de seus textos que mais me chamou a atenção
    obrigado

  • em
    Permalink

    Olá Renata, eu ainda não assisti ao Filme, devo fazê-lo brevemente. De qualquer maneira, acho que melhor do que assistir a um filme, quando existe um livro que lhe deu origem, é lê-lo antes. Mas não sou daqueles que pensam que é melhor não ver o filme quando há o livro, digo que podemos fazer os dois, mas ler o livro primeiro, se não você fica com as imagens que são apresentadas no filme como sendo as senas que seriam elaboradas por tua imaginação, o que ao meu ver é mais interessante, então ler primeiro, e ver o filme depois, nesta ordem.

    Mas sou favorável a uma boa adaptação para o cinema como é o caso deste filme, até onde estou informado. Pois assim haverá uma gama de pessoas que poderão refletir tema tão “espantoso” e filosófico, como os que são narrados pelo José Saramago em seu livro. Dessa maneira, milhares de pessoas que não têm o hábito da leitura, pelo menos poderão ter acesso a uma ótima obra da literatura mundial. Depois certamente os maiores apreciadores comprarão o livro, o problema é que será mais difícil abstrair as imagens que ficaram do filme e criar novas…

    Bem, quanto a sua solicitação, Acho que um bom paralelo que você poderia fazer é ir colocando as “pessoas das sombras”, os acorrentados da Caverna, como os cegos da estória do José Saramago, e depois ir traçando os “movimentos” tanto os da saída da Caverna como os dos personagens. Lembre-se que há etapas nos movimentos da Caverna.

    A primeira etapa se dá nos homens acorrentados e vendo apenas sombras, há um que se liberta bruscamente (talvez pelo “Thauma”, pelo espanto”) e começa a saída dolorosa da Caverna; a segunda etapa se dá naquele momento intermediário quando ele enxerga as “coisas” através da luz do fogo, ele está ali no “ambiente dos sofistas” ainda confuso, vendo as coisas, porém ainda “embaçadas”. A terceira etapa se dá quando ele finalmente sai da caverna e, depois de se acostumar com a luz do Sol, consegue ver as coisas “elas mesmas” ou seja ele contempla a Idea; E por fim a quarta etapa se dá quando ele volta à caverna a fim de “tentar” ajudar aos demais colegas, aí acontece o que narramos acima..

    Obs. Leia também os comentários acima e principalmente este que posto abaixo…

    Veja também os links para outras postagens relacionadas aí encima…

    Espero ter podido ajudá-la,

    Abraços do Benito Pepe

  • em
    Permalink

    Olá, “Anônimo”, que solicita minha opinião quanto à “relevância da alegoria da caverna na “produção” da teoria do conhecimento”.

    Bem, se melhor pudéssemos, formalizar esta “pergunta” ou solicitação de opinião, Eu perguntaria em primeiro lugar: o que é o conhecimento? E esse é um dos questionamentos que a Teoria do Conhecimento vai fazer. Ela vai estudar varias nuances relativas ao que se refere o “conhecimento”, como, e se é possível obtê-lo. Neste aspecto estuda-se: empirismo, racionalismo, relativismo, ceticismo, criticismo, positivismo, idealismo entre outros “temas” para o estudo da teoria do conhecimento.

    Mas quando falamos da época clássica da filosofia, ali no século V a.C. principalmente com Sócrates e Platão que é o caso que você menciona e especificamente quanto a Alegoria da Caverna de Platão, temos que distinguir dois aspectos principais. Um é o próprio racionalismo ou melhor a razão, o “Logus” grego; e o outro é o sensível ou a sensibilidade dos sentidos.

    Nestes âmbitos Platão é claro na utilização da “razão” e vai estudar na Academia, juntamente com seus discípulos, principalmente a matemática. Para Platão, a matemática estava em um estágio mais próximo do mundo das ideas, ou comparando-se com a Alegoria da Caverna, a matemática estaria mais próxima do “fora da Caverna” embora ainda não com toda clareza que a luz do Sol proporciona, como é o caso do "fora da Caverna" mesmo.

    Se você ler a “linha dividida” que Platão apresenta também neste livro a República, você entenderá que a matemática é onde podemos “aperfeiçoar” nossa Alma ou melhor é aquela que faz com que os jovens da Academia abstraiam todo o sensível e “vejam” que há como pensar sem o sensível, aí está o ponto mais próximo para se compreender as ideas antes de contemplá-las, ou de relembrar (através da “reminiscência”).

    Na minha opinião e opinião está do campo da “Doxa”, palavra grega para dizer entre outros sentidos a “opinião” que no contexto da Alegoria acima apresentada poderíamos dizer que estava entre os “Sofistas” aqueles que carregavam as estatuetas e diversas outras coisas a fim de "emitir" uma sombra que seria vista pelo “pessoal das sombras” lá embaixo presos e acorrentados, esses coitados estavam no campo das opiniões mais abstratas ainda pois estavam emitindo opiniões de sombras e evidentemente que para elas aquelas eram as coisas reais.

    Os sofistas também pensavam que estavam com coisas reais, mas podemos questionar: será que eles conseguiam ver as coisas com sua “cor natural” através de um simples fogo? Ou Eles também estavam vendo uma figura embaçada, pois eles também estavam dentro da caverna, certo?

    Bem, caro(a) interlocutor(a) para dar a minha opinião quanto a esse tema eu precisaria saber melhor onde nos encontramos agora, nas sombras, na luz do fogo, ou fora da caverna. De qualquer maneira podemos e devemos distinguir os dois aspectos que mencionei: o sensível (os sentidos) e o inteligível (a razão), neste sentido a Alegoria da caverna contribui para o “conhecimento” dizendo que ele só é possível pela razão.

    Abraços do Benito Pepe

  • em
    Permalink

    muito obrigado Benito,
    grata pela atenção,
    um abraço fortalecido,

  • em
    Permalink

    Obrigado Benedito;
    vai ajuda muito no meu trabalho sobre platão.

    Bjs;*

    BY : ISA TENORI

  • em
    Permalink

    Ok Renata, sinto-me feliz em contribuir. Estarei sempre disponível. Pode postar outros questionamentos nesta ou em outras postagens, você também estará contribuindo no meu Site/blog.

    Abraços do Benito Pepe

  • em
    Permalink

    Olá Belle (Isa Tenori), Legal que o meu Site possa ter ajudado, este foi um dos propósitos de eu lança-lo, aliás o meu objetivo é compartilhar os meus textos e desenvolver os nossos pensamentos, tanto o meu como dos amigos e amigas leitores como você. Sinto-me feliz quando sei que estou ajudando, o que eu não gosto de jeito nenhum é quando há pessoas que simplesmente copiam um texto, o bom é ler, reler e interpretar. Quando se copia alguma coisa deve-se fazer como citação e mencionar a fonte.

    A propósito meu nome é BENITO e não Benedito, de qualquer maneira é xará e quer dizer Bendito, Bento, Abençoado. E é assim que eu me sinto quando ajudo as pessoas, principalmente as que têm gratidão, como você, Obrigado.

    Abraços do Benito Pepe

  • em
    Permalink

    ai Benito pow me manda um paralelo entre alegoria da caverna de platao e o filme ensaio sobre a cegueira!!!meu email e [email protected] aguardo por favor

  • em
    Permalink

    Olá “anônimo” acima eu já respondi essa questão para a Renata, veja minha mensagem aí em cima, mas deixo claro que este site pode ajudar a fazer trabalhos escolares, monografias etc, no entanto eu não posso fazer mais do que isso. Sugiro que você assista ao filme e/ou leia o livro e faça esse paralelo, veja meus comentários acima.

    Abraços do Benito Pepe

  • Pingback: Texto Completo da “Alegoria da Caverna” contido no Livro “A República” de Platão

  • Pingback: Outra forma da divisão das Obras de Platão e um Pequeno Comentário | Benito Pepe

  • em
    Permalink

    muito bom relata sobre seus pensamentos sobre a filosofia e o que era filosoia para ele

  • em
    Permalink

    Vc pode me ajudar?
    Qual o nome completo de platão?

    Brigada..

  • em
    Permalink

    Olá, o Nome de Platão é Aristócles. O nome completo eu não tenho conhecimento. Mas é bom lembrar que “Platão” significa largo, grande. Esse apelido foi dado ao Aristócles pelo fato de ser um homem de grande postura física, tinha “ombros largos” e ninguém usa este nome “Aristócles”, quanto mais o seu nome completo, o grande Filósofo passou a ser conhecido como Platão e pronto. Desculpe-me a comparação, mas ninguém fala Edson, e muito menos “Edson Arantes do Nascimento” agente conhece é o Pelé.

    Abraços do Benito Pepe

  • em
    Permalink

    isso ta me confindo , axo qui isso é mei loucura af , mais oque na real memo , como podemos saber se estamos ou não nessa tal “caverna” ?
    axo uma coisa , a filosia quer saber muito de respostas e eu axo qui o mundo nun é feito de respostas é feito de perguntas .. me responda se pudder!

  • em
    Permalink

    Ola´ (Há!) como eu verifiquei no seu e-mail seu nome deve ser Sérgio, certo? Bem, em primeiro lugar obrigado pelo teu comentário. Depois preciso concordar com você que o mundo é feito de perguntas não de respostas, assim é a Filosofia, nós questionamos muito mais do respondemos, é claro que se não fizermos perguntas não achamos respostas… é isso que a filosofia busca: questionar, fazer perguntas, duvidar, etc. é assim que podemos quebrar paradigmas. Quanto a isso leia meu texto: o que é a filosofia, o que faz um filósofo, para que estudar filosofia?.. clique no link>>

    http://www.benitopepe.com.br/2009/01/18/o-que-e-filosofia-o-que-faz-um-filosofo-para-que-estudar-filosofia-2

    Agora, quanto a estarmos na “Caverna” é claro que isso é uma alegoria, e como tal representa um “aspecto”, um “espelho” de uma “realidade” maior. Pense e reflita!

    Abraços do Benito Pepe

  • em
    Permalink

    não . o msn do meu primo , meo nome é gabriel , ainda bem qui concordo mais acabei discutinu com minha professora aqui de santa catarina , nusa minhas opinioes não batem com a dela, ela espoe muito a opinião dela na materia , eu axo muito interesante filosofia , pensamento esas coisas , mais eu coloco muito na minha mente oque minha professora fala e fico mei loco sei lá , tenhu medo tem horas , é muita coisa estranha , ae esse asunto de caverna , me perguntaram se eu tava fora ou dentro da caverna, eu disse qui tava dentro , pois pra tentar me esconder de um mundo , qui penso só em mim , qui eu quero ficar na caverna pra não colocar na cabeça oque os outros tão pensanu de mim , intendi?! mais dae ela falo como vc quer ficar dentro da caverna sendu qui seo jeito de vestir chama atenção , mais eu disse pra ela nun tenhu culpa qui todos olham pra mim , meu corpo esta aqui mais minha mente não! eu meio qui tento desifrar oque os outros pensam de mim , gosto de confundir as pessoas , pra elas não “julgar” outra pessoa pela aparencia nun é porque ando com um jeito (estilo) sei la de ropa eu penso igual , cada coisa , fiqei meio refletino , mais terminando axei muito otaria essa mateia me discupe cara , mais nu nfaz meu tipo axo qui temos qui ser livres ué pra que ficar debatenu , querenu só respostaas , opinioes , isso é muito estranhu , mais valeo por tudo

  • em
    Permalink

    Ok, então teu nome é Gabriel… bonito nome, Gabriel o pensador. Viva Santa Catarina! Viva Blumenau! (terra maravilhosa).

    Rapaz você prova que na verdade está querendo pensar, buscar respostas, discordar, é isso mesmo! Isso faz a filosofia, mas é preciso fundamentar o nosso pensamento, a reflexão é importantíssima, discordar faz parte, mas é preciso ter leitura e mais leitura, até porque não se pode concordar ou discordar de algo que não se “conhece”, por exemplo como uma pessoa pode dizer: “ah, eu não gosto de maça” se ela nunca tiver provado da fruta, aliás há frutas “proibidas” e elas às vezes podem ser danosas… mas só sabe quem prova e muitas vezes o preço é a “morte”. Estou falando em parábolas para dizer em outras palavras que o preço do “conhecimento” filosófico pode ser caro, no sentido que são poucos que procuram se aprofundar na matéria, é mais fácil deixar para lá e não pensar, não estudar essa matéria, quero relembrar que esta matéria foi proibida na época do regime militar no Brasil, sabe porque? Ela é perigosa mesmo, faz pensar! E você sabe, não é? Pensar não é bom para o povo é melhor que este povo fique vendo futebol, assistindo a novelas, passeando no Shopping, e tantas outras ocupações fúteis… para que pensar em filosofia? Isso é um saco! É assim que querem que você pense, ou melhor não pense…

    Gabriel fique à vontade para ler outros textos filosóficos que tenho postado aqui no meu site e será um prazer ter outros comentários teus, leia com calma e reflita cada trecho que ler, releia se necessário e reflita. Não quero que você goste de filosofia, mas estarei mais feliz se puder contribuir para que o teu pensamento tenha fundamentos, e fundamentação se dá com leitura e mais leitura, só se conhece uma “fruta” quando a “comemos”

    Abraço do Benito Pepe, te espero em outros textos.

    “Coisas estranhas estão presentes no mundo a filosofia apenas faz pensar nelas”

  • em
    Permalink

    sinto qui vou me afundando cada ves qui penso nessas coisas , uma coisa muito ruim, não sei explicar , mais axo qui isso fas com que a pessoas não seja livre , ela prende um poco ,mais na verdade , eu não quero” comer a fruta eu e so tentar desifrar oque essa fruta ira faser em mim ” mais sem experimenta- la, sou evangelico e axo qui essas paradas me confundem um pouco , ano passado a professora mando fase uma trbalho com a pergunta : vc esta a caverna?! eu não fiz , porque não tenhu resposta pra isso, querem saber de mais axo, muito loco tudo isso..mais axo qui não vou dar importancia pra materia , pra esses textos , tenhu medo de começar a refletir muito e fica mei loco , eu gosto de pensar pensar, coisa do tipo refleção , pessoas , sentimentos .. mais minhas opinioes não batem com nada , filosofia pelo que intendi só acredita em provas concretas! eu não axo isso certo ha coisas qui não tem provas e é comprovado qui existe :~ seilá … valeo cara

  • em
    Permalink

    Fala meu camarada Gabriel, interessante que você seja evangélico, um cara que tem um linguajar jovem e um estilo próprio e diferenciado de se vestir e é evangélico… Legal!

    Eu também creio, mas não como se ensina dentro da institucionalização das religiões. Aliás eu sempre lembro aqui no meu site/blog que a religião cristã se “apoderou” das doutrinas filosóficas para adaptá-las ao cristianismo. Está aí um bom motivo para estudar filosofia se você leva a religião a sério, caso contrário esqueça isso tudo de filosofia e “viva em paz”, como você se sentir bem, cumpra só o básico da filosofia para a tua escola e não se aprofunde, mas se você estiver em uma “religião de mente aberta”, como acredito que seja a tua, pode estudar filosofia, Agora se for uma das religiões radicais elas inclusive proíbem o estudo da filosofia, é bom que você saiba, não foi só o regime militar que proibiu a filosofia algumas religiões também a proíbem, é melhor não pensar, entende?…

    Fique com Deus e “pense a filosofia se quiser”.

    Se quiser pensar, Leia todos os comentários que deixei para outros leitores sobre este tema a “Alegoria da Caverna,” veja aí em cima alguns vão servir para você, vá desde o início.

    Abraços do Benito Pepe

  • em
    Permalink

    ée as veses oque eu demostro ser pelo meu modo de vestir ñem sempre comprova oque eu penso , é bom isso , gosto de tentar confundr as pessoas .. pessoas julgam muito pela “capa” sou um cara com estilo , ando bem diferente dos outros , cada passo qui eu dou na rua , um olhar diferente ruim me afronta , mais nem pá .. sigo minha vida de boa , creio no meu deus , axei meio confso pra mim essa materia porque viajo muito em meus pensamentos , debato sempre minhas opinioes com a professora , sei lá axo qui so eu consigo debater com ela na sala :~ curtu isso mais minha mente pensa de um geito qui a filosofia pensa totalmente diferente , muito loco .. mais valeo muito cara por conversar ..sinto sei lá qui um dia vc possa me inteder ou intendi , valeo abraços

  • em
    Permalink

    Ok, Gabriel, prazer em conhece-lo ainda que pela Internet, se você vier ao Rio de Janeiro me avise. Sei que você no fundo é um pensador.. filósofo é isso… um pensador!

    Abraços do Benito Pepe

  • em
    Permalink

    OLÁ, MEU NOME É IURE?
    PRECISO FAZER UMA DISSERTAÇÃO NO QUE CONCERNE A TEORIA DA ALMA, JUSTIFICANDO A PARTIR DA DICOTOMIA ENTRE O SENSÍVEL EO INTELIGÍVEL.
    VC PODE ME AJUDAR

  • em
    Permalink

    carverna? em que aspecto deve-se a essa realidade? Quem foi e o que pensou Platão no sentido de filosofia???
    Podes me ajudar?!

  • em
    Permalink

    Olá Iure, a única coisa que posso te ajudar agora de imediato seria te recomendando a leitura de toda essa postagem que fiz sobre Platão, ela com certeza terá alguns detalhes que te ajudarão. Começa com o texto “Platão uma Visão geral de sua obra e doutrina” >> http://www.benitopepe.com.br/2009/08/02/platao-uma-visao-geral-de-sua-obra-e-doutrina/

    Brevemente estarei postando algo mais sobre Platão, em princípio será sobre “O Conhecimento em Platão”

    È bom lembrarmos que para Platão a Alma é a morada do “conhecimento” e que o conhecimento é originário do “mundo das ideias”, dessa forma é algo imanente ou melhor inato, já nascia conosco e o que temos portanto são lembranças daquilo que já sabíamos, isso se dá com a reminiscência em Platão.

    Portanto a Alma é a morada do conhecimento. O sensível é o nosso mundo material aqui no nosso Planeta, e aqui só há sombras… não se sabe nada da verdade; o Inteligível este sim é um caminho, e é onde está a verdade, Platão usa, por exemplo, a matemática para mostrar que há como se pensar o inteligível com a razão… dessa maneira é claro que ele era um racionalista… é claro que simplesmente através dos sentidos não chegariámos ao conhecimento.

    Bem, espero ter ajudado um pouquinho.

    Abraços do Benito Pepe

  • em
    Permalink

    Olá Fátima, tua pergunta é muito abrangente, te sugiro a leitura do texto completo da alegoria da caverna, veja aqui >> http://www.benitopepe.com.br/2009/06/04/texto-completo-da-%E2%80%9Calegoria-da-caverna%E2%80%9D-contido-no-livro-%E2%80%9Ca-republica%E2%80%9D-de-platao/

    Para te dizer quem foi e o que pensou Platão no sentido de filosofia, te sugiro a leitura do texto “Platão uma visão geral de sua Obra e Doutrina” > http://www.benitopepe.com.br/2009/08/02/platao-uma-visao-geral-de-sua-obra-e-doutrina/

    È bom relembrar que a Caverna é “apenas” uma alegoria… isso não é algo “real” no sentido material.

    Abraços do Benito Pepe

  • em
    Permalink

    Olá Benito, muito grata por uma nova oportunidade de leitura. Analisar que pessoas viviam presas de geração a geração, confesso que é uma filosofia de vida na qual EU não faço parte. Hoje, ou melhor de um tempo pra cá o meu EU saiu da caverna, estou na fase de superação, e o computador para mim é o fator maior. Espero crescer mais e poder compartilhar com vc.

  • em
    Permalink

    Ok Fátima, te espero por aqui mais vezes, esteja à vontade para ler e comentar todo artigo que desejar.

    Quanto a essas pessoas que viviam toda a sua vida presas e acorrentadas, é interessante perceber que eles não sabiam disso, ou seja, no sentido que “nós que não estamos acorrentados” podemos, olhando de fora, notar esse drama, para eles aquilo era normal eles não sabiam de sua realidade, aquilo para eles era o real, era a verdade, assim se passa também para aqueles que passam a sua vida em frente a tela da tv, para eles aquilo é a realidade, não conhecem outra coisa, a não ser as sombras que lhes são mostradas.

    Ficar interagindo com o computador é diferente você pode procurar o que quer e estará lendo à vontade, basta escolher bem.

    Então boas leituras. Espero que o meu site/blog seja um bom caminho para você.

    Abraços do Benito Pepe

  • em
    Permalink

    Qual a relação entre o miot da caverna e policia comunitária

  • em
    Permalink

    Amauricio, eu não vejo, em princípio, nenhuma relação direta entre polícia comunitária e o mito da caverna, mas se formos analizar com calma certamente encontraremos condiçoes que haverá alguma relação. Me diga exatamente o porquê desta pergunta, assim talvês eu possa ajuda-lo.

    Abraços do Benito Pepe

  • em
    Permalink

    bem, estou fazendo um trabalho onde tenho que realizar esta façanha, relacionar o mito da caverna com o tema policia comunitária

  • em
    Permalink

    Amaurício como você disse, parece mesmo uma façanha. Bem, vamos pensar o que a alegoria da caverna de Platão pretende lembrar. Há pessoas que estão “presas” acorrentadas dentro de uma caverna e só podem ver uma única coisa, sombras, que para eles é a realidade. Será que a polícia comunitária, seria o grupo dessas pessoas ou estaria representada pelo “cara” que consegue se soltar e sai da caverna, depois volta para tentar soltar aos demais (?) bem estou tentando pensar… e te ajudar a pensar também. Será que poderíamos relacionar a comunidade com os presos? Ou será que a policia comunitária é representada pelos presos? Bem, eu sinceramente não vejo alternativa a não ser solicitar que você releia calmamente o texto da alegoria da Caverna e tente encontrar dentro do contexto apresentado no teu curso essa relação, é preciso pensar, refletir… Te sugiro que acompanhe o link (neste Site/blog) que mostra o texto completo desta alegoria, conforme forem surgindo as dúvidas pode postar um comentário que vou tentando ajudar.

    Quando você tiver essa solução e chegar a um pensamento, por favor poste aqui, ok?

    Abraços do Benito Pepe e boa Sorte!!

  • em
    Permalink

    Olá , meu nome é Raphael…

    Vc poderia me ajudar a ter uma ideia de uma fábula com esse texto da alegoria da caverna??

    Trabalho de escola!!

    desde ja agradeço…

  • em
    Permalink

    Caro Raphael, segundo o verbete correspondente na enciclopédia Barsa, Fábula é

    …uma narrativa alegórica em prosa ou verso, cujos personagens são geralmente animais, que conclui com uma lição moral. Sua peculiaridade reside fundamentalmente na apresentação direta das virtudes e defeitos do caráter humano, ilustrados pelo comportamento antropomórfico dos animais.

    Bem, amigo Raphael o que você precisa fazer é pensar uma ‘estória” em que você possa transformar os personagens da “Alegoria (“mito”) da Caverna” apresentado por Platão, e transformá-los em animais ou mesmo mantê-lo como personagens humanos, mas no final deixe claro a moral da Estória.

    Precisamos lembrar que no caráter mais significativo, essa Alegoria apresentada por Platão já é uma linda fábula. Além dela apresentar uma moral, apresenta um pensamento filosófico e uma reflexão quanto à realidade em que se encontram os homens no mundo (na Caverna). Espero ter contribuído.

    Para você ter uma melhor ideia, veja e leia o texto completo da Alegoria da Caverna, neste link>> http://www.benitopepe.com.br/2009/06/04/texto-completo-da-%E2%80%9Calegoria-da-caverna%E2%80%9D-contido-no-livro-%E2%80%9Ca-republica%E2%80%9D-de-platao/

    Abraços do Benito Pepe

  • em
    Permalink

    olá Benito! primeiro gostaria de te parabenizar pelo site, magnífico!
    segundo, sou estudante de filosofia e estou concluindo um trabalho de filosofia política, e gostaria de sua ajuda (se possível). o que eu estou tentando fazer neste meu trabalho, é explicar o significado político da alegoria da caverna, mas estou tendo uma certa dificuldade. já escrevi bastante sobre o tema, mais sinto que ainda não está completo. será que vc poderia dar a sua opnião sobre o tema?
    obrigada!

  • em
    Permalink

    Olá Thais, obrigado pelo “site magnífico”, é sempre bom ter reconhecimento pelo nosso trabalho. Quanto ao teu trabalho de filosofia política, é claro que Platão tinha total interesse e um sentido político em grande parte de sua obra e em especial na República, e a alegoria da Caverna é exatamente um momento em que Platão tenta explicar mais claramente do que nunca, como se encontram os homens alienados, os “pobres coitados” que pensam que sabem, pensam que estão bem informados, mas na verdade estão tão somente vendo sombras. Há muito mais sentido político na Alegoria. O que você escreveu até agora? pode me dizer, mande por e-mail ou resuma e poste aqui, podemos estudar melhor o tema, ok?

    Para mais dicas quanto a trabalhos escolares leia meu texto >> http://www.benitopepe.com.br/2009/10/31/dicas-para-trabalhos-escolares-monografias-tcc/

    Abraços do Benito Pepe

  • em
    Permalink

    Olá Benito! Obrigada pelo interesse em me ajudar. Estou te enviando o meu texto por e-mail, achei melhor ainda não postar aqui até ele estar realmente terminado.
    aguardo seu comentário, ok?!
    abraços, Thaís.

  • em
    Permalink

    ops! não tenho seu endereço de e-mail.

  • em
    Permalink

    Ok Thais, mandei meu e-mail para você através do teu cadastro aqui.

    Caso tenha algum problema pode mandar pelo Contato deste site.

    Abraço, Benito Pepe

  • em
    Permalink

    olá Benito, você pode me ajuda com um comentário sobre as ideias do livro sétimo da Alegoria da Caverna?

  • em
    Permalink

    Olá Felipe, Este texto é exatamente para isso, ajudar com as “ideias” contidas no livro VII da república que é o livro onde está contida a Alegoria da Caverna de Platão. Releia com calma este texto, e você irá extrair essas “ideias” ok? Qual dúvida em um ponto ou outro, pode postar aqui novamente. Veja também o texto completo da Alegoria da Caverna, o link está lá encima. Boa sorte!!

    Abraços do Benito Pepe

  • em
    Permalink

    não gostei porque está muiito grande, bando de preguiçosos resumam…

  • em
    Permalink

    Olá “kkk” deixe de ser “preguiçoso” e leia mais kkk.

    Abraço, Benito Pepe. Volte sempre, mas sem preguiça heheh

  • em
    Permalink

    gostaria de saber a resposta sobre o mito da caverna o que significa grihlões? o que simboliza o prisioneiro? o que siguinifica a segueira causada pelo sol? qual a relação entre o mito dacaverna de platão e o metodo de aprendizagem de hoje? deexemplo de mito de caverna dos dias de hoje?

  • em
    Permalink

    Olá, primeiramente gostaria de parabenizá-lo pelo brilhante texto.
    Poderiam fazer um texto elucidando o texto X?? Mto obrigada!

  • em
    Permalink

    Olá Carol, obrigado pelas perguntas. Bem, os Grilhões são as “correntes” são as “cadeias” que nos aprisionam, que fecham nossos olhos, que não deixam que a gente tenha liberdade e poder de observação, de questionamento, ou seja são os grilhões que impedem que “vejamos” com amplitude. O prisioneiro somos nós. A cegueira causada pelo sol (o sol é a luz é a evidência do “conhecimento verdadeiro”) ocorre quando de repente descobrimos que não sabíamos, então de supetão nos “espantamos” com o Novo com a quebra de um paradigma, em fim a luz apavora os ignorantes que muitas vezes preferem ficar na escuridão, sua zona de conforto…

    Quanto a relação entre o mito da caverna e o método de aprendizagem de hoje, seria um tema mais complexo pra eu falar em poucas palavras pois isso vai depender de onde ele é aplicado qual a instituição, e qual é o curso etc, mas podemos dizer sumamente que Platão abre uma nova era através de sua metodologia, e vemos hoje muitas escolas buscando o mesmo…

    Olha dar exemplo de fatos do mito da Caverna nos dias de hoje é muito fácil, ligue a sua TV e entre nesta Caverna ok? Vá ao cinema assistir um besteirol qualquer e entre em uma caverna ok? Entre em várias páginas da Internet que só tem besteirol e você verá mais uma caverna, sacou?

    Abraços do Benito Pepe

  • em
    Permalink

    Olá Camila, obrigado pelos parabéns e pelo “brilhante” texto, sempre me honra! Acho que você se refere ao Livro “X” onde Platão elucida o “mito de Er”, é isso? Bem, se for, brevemente posso fazer um texto sobre o tema, certamente esse mito será mencionado por mim nos meus próximos trabalhos acadêmicos.
    Abraços do Benito Pepe

  • em
    Permalink

    Sim, me refiro ao livro X onde Platao elucida o mito de Er. É que preciso fazer um trabalho pra faculdade relacionando este texto com situações ou histórias escolares onde prof/alunos/comunidade escolar precisam lidar com questoes que sao percebidas neste texto.
    E como consegui filosofar a partir da leitura de seus textos estou te pedindo essa ajuda …
    Obrigada mais uma vez!!

  • em
    Permalink

    Olá Camila, fico feliz que você tenha conseguido “filosofar” através da leitura dos meus textos. Assine no meu site para receber as novidades por e-mail, assim logo que eu postar algo sobre o livro “X” da “Republica” de Platão você ficará sabendo.
    Abraços do Benito Pepe

  • em
    Permalink

    porque a alegoria da caverna é considerado o mais importante da obra ” A República de Platão?

  • em
    Permalink

    Olá Pámela, além de podermos dizer que a “Alegoria da Caverna” é uma das partes mais “importantes” no diálogo chamado a “Republica”, obra de Platão; poderíamos dizer mais ainda, que é uma das partes mais importantes de sua obra. Isso por vários motivos, como você deve saber não há um professor de filosofia que vá deixar de dar essa aula sobre a alegoria da caverna. Ela é uma alegoria, ou seja, deseja mostrar (falar outra coisa) que fica clara e subentendida de maneira lógica e alegórica. No diálogo “A Republica” onde Platão procura falar de uma cidade ideal, e fala da Justiça, etc, esta alegoria da caverna mostra onde deve estar o nosso valor, as coisas “reais”. Nos livros VI e VII (onde está contida a alegoria da Caverna) da República, temos o clímax da história do ocidente, e esta alegoria da caverna sem dúvida sintetiza muito do ensinamento de Platão.

    Abraços do Benito Pepe

  • em
    Permalink

    Agradeço por postar um texto de comunicação clara e objetiva. Abraços.

  • em
    Permalink

    Olá Adenilson, te agradeço o comentário. Volte sempre…

    Abraços, Benito Pepe

  • em
    Permalink

    Olá, gostaria de saber um exemplo de conceitos científicos que são válidos para um contexto específico e não para todos. Por exemplo:a Lei de Ohm é uma delas, onde através de um modelo ( que não é valido para tudo) podemos ter uma visão de mundo reduzida. Então, com uma visão de Teoria Geral de Sistemas na Alegoria da Caverna de Platão, não consigo encontrar outro exemplo. Será que você poderia me ajudar?
    Desde já agradeço.

  • em
    Permalink

    Olá Sarah, obrigado pelo comentário, porém não posso te ajudar, pois desconheço o contexto da lei de Ohm e a sua relação com a filosofia, que não encontrei por desconhecê-la. Acredito também que não há sentido científico na alegoria da caverna de Platão. Aliás, essa lei de Ohm é um conceito bem científico, e no caso de Platão é bem filosófico.
    Se alguém puder ajudar a Sarah, por favor, publique um comentário aqui..
    Abraços do Benito Pepe

  • em
    Permalink

    qual é questao politica presente na alegoria da caverna ?

  • em
    Permalink

    Olá Bruno obrigado pela pergunta. A questão política, ou melhor, as questões políticas são muitas… E são bem amplas na alegoria da caverna de Platão, é bom lembrarmos que, Platão tentara explicar de outras maneiras a importância da distância que devemos ter das “paixões” e de tudo o que nos distancia da Razão. Platão também deixa claro que o melhor homem para ser o governante é o filosofo, pois este estaria mais bem preparado em todos os âmbitos mencionado neste diálogo “A república”. No mais é preciso um pouco mais de reflexão ok?

    Abraços do Benito Pepe

  • em
    Permalink

    Tenho 17 anos e estou no ensino medio .E estou fazendo um trabalho sobre
    “A alegoria da caverna de Platão´´.Espero me sair muito bem Bjãos Obrigado(a)

  • em
    Permalink

    Olá Beatriz, também ficarei muito feliz em contribuir no seu trabalho, espero que tire nota 10, depois volte para comentar o resultado, e principalmente o teu aprendizado, ok?

    Abraços do Benito Pepe

  • em
    Permalink

    qual o paralelo entre o prisioneiro é o filososo, o mito da cavena

  • em
    Permalink

    Olá Naelio Silva, obrigado pelo questionamento.

    Um dos prisioneiros, exatamente aquele que “consegue escapar”, pode ser analogamente entendido como o filósofo. Ele consegue escapar das correntes que o aprisionava desde sua infância e vai lá fora da “caverna” ver “a verdade” não mais sombras como todos os demais que continuam presos… Este Prisioneiro que escapa , e pode ser representado pelo filósofo tenta voltar na caverna para “mostrar” aos demais que ali dentro não se “conhece” a “verdade”. Desta maneira ele se sentiria melhor consigo com sua “consciência” pois estaria mostrando aos demais colegas que ali só se viam “sombras”… o problema é que matam este prisioneiro-filósofo…. Assim teria ocorrido com Sócrates? Assim ocorre hoje em dia com os que tentam demonstrar aos demais que vivem no mundo das Sombras?

    Abraços do Benito Pepe

  • em
    Permalink

    muito obrigado pois tive uma boa compreenção do texto

  • em
    Permalink

    Olá Naelio Silva, obrigado pelo comentário. Fico muito Feliz que o texto tenha sido de boa compreenção para você. Volte sempre e leia outros textos meus, teus comentários e criticas serão bem vindos.

    Abraços, Benito Pepe

  • em
    Permalink

    sensacional esse texto ,condiz perfeitamente com minha realidade…e é muito triste ver que grande parte das pessoas preferem matar quem veio liberta las!!!!!!

  • em
    Permalink

    Olá Karla obrigado pela congratulação. Infelizmente esse é um fato, as pessoas desprezam os que mais contribuem para sua “formação”. Isso se passou com o Filósofo Sócrates e se passa hoje em dia com os alunos que desprezam seu verdadeiro mestre, aquele que cobra, aquele que parece chato, exigente. Aquele que nos faz pensar…Este será o professor que nunca esqueceremos, pois é com este que aprendemos.

    Abraços do Benito Pepe

  • em
    Permalink

    Estou no 7° período de Pedagogia e vou fazer estágio no ensino médio,ministrando aulas de filosofia,as informações aqui encontradas então sendo de grande valia em meu trabalho.Obrigada.

  • em
    Permalink

    Olá Edvalma, obrigado pelo comentário carinhoso. È por comentários como o teu que continuo na empreitada de escrever e ler as críticas. Aliás, quando comecei a postar meus textos, esperava por isso: críticas e elogios.

    Agradecerei-te se você continuar postando seus comentários, ok? Boa sorte na empreitada de professora de filosofia, esteja à vontade para qualquer dúvida e consulta que queira fazer.

    Abraços do Benito Pepe

  • em
    Permalink

    Olá! Primeiramente, assim como todos já fizeram, gostaria de te parabenizar pelos textos, pois são de grande valor!
    Estou precisando urgentemente de uma ajuda, rs! Tenho que entregar um trabalho na faculdade (Pedagogia) esta tarde e tenho quatro questões sobre a Alegoria da Caverna que não consegui responder ainda! Você pode me ajudar? As respostas podem ser curtas, de forma resumida!

    1- Sobre a teoria do conhecimento de Platão nessa alegoria, experimente estabelecer uma correlação entre as imagens relativas ao Sol e à idéia do Bem.

    2- Sobre a reavaliação do conceito de educação nessa alegoria, Qual é o objeto do conhecimento que está, hierarquicamente, em posição superior à dos outros objetos?

    3- Sobre o filósofo, o poder e a felicidade, Por que o melhor governante é o que não quer governar? Qual é o gênero de vida superior, para o Sócrates platônico, à luz dessa alegoria?

    4- Até que ponto essa alegoria (República) oferece subsídios para compreendermos a experiência de Platão na corte dos tiranos de Siracusa (Dionísio o velho, Dioniso o jovem), relatada na Carta VII?

    Desde já MUUUUUUUUUUITO obrigada!!!

  • em
    Permalink

    Olá Bruna, obrigado pelos elogios quanto aos meus textos. Bem, como você está vendo eu não tive condições de postar uma resposta a tempo para você, me desculpe, mas estava envolvido com treinamentos de equipes e não pude ver tua mensagem no mesmo dia que você a postou e pelo que você disse precisava da resposta para o mesmo dia, de qualquer maneira vou tentar ajudar agora para quem sirva a tempo.

    1. O Sol representa a ideia do “bem” que para Platão estava acima de todas as “ideias”. O Sol, é luz, é Calor, é Vida. Sem o Sol não podemos enxergar nada, ele é a fonte e a possibilidade do “conhecimento,” o bem nesta alegoria estaria nesta mesma sintonia, ou seja, o Sol referindo-se ao mundo sensível (o nosso mundo material) e de outro lado o Bem, referindo-se ao mundo inteligível (ou mundo “imaterial” o mundo da Razão, o “mundo das ideias”.

    2. Eu entendo que acima de todos os “objetos do conhecimento” encontra-se a matemática e a Razão é ponto preponderante para tal. No entanto para este tópico peço que, por gentileza, outros comentadores acrescentem algo mais…

    3. Olha dizer que o melhor governante é o que não quer governar é ponto tratável até nos nossos dias. Em primeiro lugar o bom governante não é aquele que simplesmente quer o poder pelo poder, mas sim aquele que governaria com imparcialidade e independência, dessa maneira o filósofo, para Platão, seria o melhor governante. Dessa maneira o filósofo é aquele que conseguindo sair da Caverna veria, enxergaria o todo, o conjunto da realidade, ele não veria só as sombras como os demais e, portanto seria o melhor para governar. Este é o Filósofo.

    4. O Platão teve muitas desilusões políticas, entre elas a decisão que levou seu grande mestre Sócrates à Morte. A propósito é por isso que muitos lêem este homem que consegue escapar da caverna como o próprio Sócrates narrado por Platão.

    Espero ter podido contribuir um pouco, quero deixar claro e afirmar que estas resposta estão muito breves e que precisam ser completadas além de um polimento e alguns reparos eventuais, Pois As fiz muito rapidamente.

    Abraços do Benito Pepe

  • em
    Permalink

    Não sou estudante de filosofa e nem mesmo estou fazendo faculdade (por enquanto só pretendo), mas uma amiga minha pediu para que eu fizesse um trabalho para ela com o tema de ” fazer uma analogia (comparação) da Alegoria da Caverna com a sociedade moderna” , onde graças as informações aqui transpassadas, acho que consegui chegar a um bom conceito. Onde gostaria de saber da sua opinião como melhor conhecedor do assunto.
    Desde já agradeço, um abraço.

    ANALOGIA :
    “A caverna é o mundo em que vivemos, e o prisioneiro que sobe a região superior para tentar enxergar alem das sobras, podemos compará-lo com a sociedade atual, na Alegoria da Caverna, Platão resume a aprendizagem do homem.
    Nos tempos atuais com os desenvolvimentos tecnológicos, culturas expandidas, liberdade de expressões, mesmo com todo esse universo de conhecimento que se abrange por todos os lados muitas vezes as populações se restringem a uma forma de vida com pré-conceitos, se fixando a crendices e atitudes ultrapassadas, fechando-se a uma caverna, convencidos de que tudo e todo que é necessário já estão ali. Fazendo assim com que ocorra o interesse de algumas pessoas tentar explorar seus conceitos, e, ao perceber que a algo melhor e maior do que já le foi passado, sua vontade é de se aprofundar e obter todo tipo de informação possível, onde logo sua ideologia passa-se de vez de somente sobras ou questionamentos á conhecedor da luz, sabedoria ou realidade. Podemos comparar tal situação a um estudante de pedagogia, onde, depois de obter o conhecimento necessário, sua maior vontade é de expandir todo ele ao maior número de pessoas possíveis, diversificando as opiniões e reações de todas elas.
    Contudo, esse estudante que agora professor mesmo mostrando e passando todo seu conhecimento adquirido a essas pessoas, nem sempre obtém o resultado esperado, pois são algumas dessas mesmas que não irão aceitar tais conceitos, não respeitando e muitas vezes desmoralizando ao profissional que tenta transpassar suas ideologias, tudo devido a um aprendizado que já lhe foi pré-estabelecido pela sociedade de acordo com a convivência, não abrindo espaço para novas experiências fechando-se em ciclos viciosos de ditadores da verdade, outrora, há aqueles também que irão ter a curiosidade e esperteza de abrir suas mentes, abrangendo seus conceitos à procura de libertar novos prisioneiros.”

  • em
    Permalink

    Olá Aryadini. Obrigado pelo comentário e Parabéns pelo mesmo. Se você quer que eu expresse minha opinião quanto ao teu pequeno relato, posso dizer que sim, ele está muito bom. Se você quer saber algo específico esteja à vontade para perguntar. Ok?

    Abraços do Benito Pepe

  • em
    Permalink

    Meu querido, amigo a fonte destes comentários é o livro História da Filosofia de Bernadete Siqueira Abrão. Editoro Nova Cultura. Estou firme neste estudo.
    A ” A verdadeira filosofia “, proclamada por Platão, recusa a solução dos sofistas, para os quais a justiça e a injustiça não passam de convenções.Sócrates já havia apontado um caminho diferente: uma e outra confundem-se porque os homens não sabem verdadeiramente o que é a justiça, isto é, não conhecem a sua essência. Platão denomina essas essências de EIDOS, palavra que pode ser traduzida por ideia ou forma. Assim, se no mundo sensivel há vários cavalos diferentes, existe, por outro lado, uma única ideia do cavalo. e para os diferentes círculos que percebemos, há uma só ideia do circulo. A pluraridade das coisas e as mudanças são proprias do mundo sensível.
    Esses dois mundos segundo Platão, embora separados, estão relacionados num sentido preciso: as coisas sensíveis imitam as ideias que lhes correspondem, do mesmo modo como um pintor imita o seu quadro a natureza. Como imitação, as coisas sensíveis são sempre imperfeitas, e isso explica porque o mundo sensível é variado e sempre em mutação. Por fim, o despertar da alma para o mundo inteligivel faz-se por sentimento, que é o amor. Inicialmente, o amor é carnal e deseja o corpo belo, mas, aos poucos, passa a desejar a propria beleza e o conhecimento da sua ideia. E o que pode haver de mais belo para o intelecto senão a verdade? O amor que deseja a verdade é a propria filosofia (literalmente, amor ao saber ). Platão ilustra os passos desse amor que deseja conhecer por meio da ce´lebre alegoria da caverna, que abre o Livro VII de a REPUBLICA. Segundo essa alegoria, o mundo sensível é como uma caverna em que os homens se encontram acorrentados de tal modo que só podem olhar para as paredes escuras. Atrás deles há uma fogueira cuja luz projeta na parede sombras obscuras á única realidade para esses homens. Mas um deles consegue escapar. Fora da caverna, a intensa luz do sol ofusca-lhe a visão. Os olhos, porém, acostuman-se à claridade e ele vê a verdadeira e bela realidade: o mundo inteligivel. Maravilhaddo, não pode deixar de voltar à caverna, a fim de comunicar aos companheiros a sua descoberta. Mas eles não o compreendem. Riem, e, depois, matam-no. O filosofo que chega à verdadeira realidade tem uma missão: a de voltar à caverna, ao mundo sensível dos homens, mesmo que ali seja incompreendido. Afinal, viu a luz do sol que ilumina toda a realidade; a luz que, ao possibilitar o conhecimento, proporciona também o conhecimento de como os homens devem agir. Conhecer para Platão, é conhecer o bem, a idéia suprema que como o sol, ilumina as demais idéias, tronando-as compreensíveis. Conhecer o bem significa que finalmente é possivel organizar a cidade não mais segundo as opiniões, mas tendo como base o verdadeiro conhecimento. Este mostra que a cidade dependem de três funções: a satisfação das necessidade básicas dos habitantes, a defesa do território e, por fim, a administração. A população, por isso, deve ser dividida nessas funções, segundo aptidão de cada um: uns serão agricultores e artesãos; outros guerreiros e guardiães da cidade. Aqueles, por fim que se destacarem nos diversos níveis progressivos de educação pelo verdadeiro conhecimento, devem dirigir a cidade. Por isso Platão, na Carta VII: ” Os males não cessarão para os homens antes que a raça dos puros e autenticos filosofos chegue ao poder”. Uma conclusão talvez drstica mas inevitavel para quem foi levado à filosofia pelo desencanto com a política cega dos homes.
    É meu amigo, agora entendí, porque o mundo está cheio de cegos, mas não de cegos deficientes, e sim verdadeiros cegos que fazem questão de não enxergar, a não ser,aquilo que lhes convém.

  • em
    Permalink

    Muito bom meu camarada, melhor do que este comentário que você compilou deste livro “História da Filosofia de Bernadete Siqueira Abrão. Editoro Nova Cultura.” Foi o seu próprio comentário…

    É isso mesmo os “cegos” que pensam estar enxergando algo “real” mas estão vendo apensas “sombras” o Real está fora da caverna, ou fora dos nossos dogmatismos e fé cegas…

    Em falar em cegueira, há alguns meses atrás eu fui convidado pela minha prima que na ocasião trabalhava na biblioteca da faculdade Candido Mendes no centro do Rio de Janeiro, para participar de uma mesa e apresentar uma pequena palestra de 20 a 30 minutos, no auditório da faculdade, falando dos deficientes visuais e de sua inclusão social. Na ocasião preparei um texto intitulado “Quem é Cego?” Dê uma olhada nele. >>> http://www.benitopepe.com.br/2010/06/13/quem-e-%E2%80%9Ccego%E2%80%9D/

    Abraços do Benito Pepe

  • em
    Permalink

    muito bom o texto *—–*

  • em
    Permalink

    Nossa achei muito interessante o seu modo de pensar, você tem um ponto de visto muito lógico e claro, fácil de se entender, acho que você deve ser professor de filosofia pois você escreve de um modo muinto claro de um jeito que todos entendam o que você quer nos mostrar (e porque você “fala como meu professor de filosofia, claramente).
    Seu texto me ajudou muito com o meu trabalho de filosofia (tirei um 10,00), mas só estou escrevendo isso pois acho que o dez merecido seria seu, pois foi seu texto que me ajudou.
    Agradeço se puder responder
    Obrigada
    Pâmela

  • em
    Permalink

    Olá Pâmela, obrigado pela retribuição, e parabéns pela nota 10! A nota é tua, espero que você tenha elaborado o texto e não simplesmente copiado e colado, certo?

    Bem, respondendo ao teu comentário. Eu sou professor de filosofia, sociologia, administração e marketing, além disso, e principalmente neste momento, estou dando palestras e treinamentos de equipes em diversas empresas, a propósito verso sobre os diversos assuntos publicados no meu Site/blog. Estou a disposição para ser contratado.

    Abraços do Benito Pepe

  • em
    Permalink

    Muito obrigado, você me ajudou muito em todos os meus trabalhos.
    Abraço

  • em
    Permalink

    ola tenho um trabalho pra fazer da faculdAde e n sei como fazer uma relaçao da teoria geral dos sistemas com a alegoria da caverna.
    por favor me ajude
    obrigada

  • em
    Permalink

    Olá Ana, obrigado pelo depoimento é sempre bom poder contribuir. Melhor ainda quando posso saber que ajudei em muitos trabalhos.

    Abraços do Benito Pepe

  • em
    Permalink

    Olá Maiana, seu pedido está aí publicado. De qualquer maneira se você tem alguma dúvida especifica mande-a para que possamos ajudá-la melhor.

    Abraço, Benito Pepe

  • em
    Permalink

    De que maneira a ”Alegoria da Caverna” de Platão encontra eco nos dias atuais?

  • em
    Permalink

    A ”Alegoria da Caverna” ainda ecoa nos dias de hoje

  • em
    Permalink

    Olá Alexsandra e Ana Paula obrigado por vosso questionamento.

    A vossa pergunta está muito direta e objetiva, na prática poderíamos explanar muito sobre esta abordagem: “alegoria da caverna X dias atuais”. Isso certamente poderia dar um ótimo texto e você desenvolver um bom trabalho acadêmico. De qualquer maneira só vou dizer que Platão é um dos filósofos que está bem atual nos nossos dias.

    A Alegoria da Caverna pode ser entendida e interpretada com uma gama de possibilidades, e algumas dessas possibilidades são: analisar onde está o “valor” do conhecimento; outra é onde ele (o conhecimento) está; outra é, será que o que eu sei é o verdadeiro?

    Por fim você pode reler o meu texto e verá no seu conjunto, tanto quanto nos próprios comentários, uma “infinidade” de possibilidades de ecos com os dias atuais, ok? Bom estudo e bom trabalho.

    Abraços, Benito Pepe

  • em
    Permalink

    Ola Benito Pepe
    Estou fazendo uma “Reflexão” que relacione o Sentido da Alegoria da Caverna com situações de nossa propria Realidade .Queria ums exemplos de voçê, com situações da realidade Quais são as nossas cavernas hoje em dia,se somos verdadeiros Prisioneiro, delas.

  • em
    Permalink

    Olá Pã, as nossas cavernas são tantas… vou dar alguns exemplos clássicos e outros: podemos começar com a própria televisão que “vende” muita ilusão, é claro que também tem coisa boa, mas é preciso peneirar muito. Há muita gente que vive dentre desta caverna televisiva; outro exemplo mais contemporâneo é a ilusão dentro da Internet; outro são as religiões (falsas doutrinas mercantilistas); outro exemplo é a caverna dos nossos conceitos ou melhor pré-conceitos e aí vai por diante é só você pensar no mundo e relendo o meu texto você vai lembrando de outros exemplos, ok? Bom trabalho.

    Abraços do Benito Pepe

  • em
    Permalink

    ola Benito gostaria de saber quando foi publicada essa obra????em que ano????se vc puder me responder serei muito grata.abraço e parabéns pelo texto.

  • em
    Permalink

    Olá Dyna, esta obra “A republica” de Platão é muito antiga ela vem do século IV antes de Cristo, como eu lembro logo no Início deste texto:
    Esta alegoria, também chamada Mito da Caverna foi escrita por Platão século IV a.C, está contida no livro VII da Republica de Platão.

    Agora, há muitas traduçoes da Republica recentes…

    Abraços, Benito Pepe

  • em
    Permalink

    Olá Benito
    Confesso que no Magistério eu achava horrível as aulas de filosofia, mas agora fazendo Pedagogia parece que minha mente esta se abrindo, aos poucos é claro, será que poderia me ajudar em uma questão sobre a Alegoria? A pergunta do professor foi: Que mensagem podemos tirar da Alegoria da Caverna, e o que isso tem haver com a Educação hoje em dia?

  • em
    Permalink

    Olá Jocelita, podemos tirar muitas mensagens da “Alegoria da Caverna” com relação a educação que é um dos pontos em que Platão pretendia despertar com esta alegoria, podemos refletir, por exemplo, onde está o verdadeiro conhecimento? O que é a verdade? Como podemos chegar até ela? Etc. Nos dias de hoje, como podemos perceber claramente há uma infinidade de cavernas por todos os lados e há uma multidão presa, cada uma em uma diversidade de cavernas. A mais comum e fácil de se notar é a televisão e seu arsenal anti-cultural e contra conhecimento “útil”, outra caverna é a própria Internet, isso quando ficamos presos em Sites, ou jogos, ou redes sociais só e só… As Cavernas são muitas…

    A Educação precisa estar consciente que estamos com muito mais cavernas hoje do que na época de Platão, portanto precisamos visitar todas, mas sem perder o foco.

    Bem, com este espaço eu só pude dar esta pincelada com o propósito de tentar ajudar um pouquinho.

    Abraços do Benito Pepe

  • em
    Permalink

    No texto “Alegoria da Caverna”, Platão apresenta uma situação hipotética onde pessoas que tenham vivido por toda a vida dentro de uma cavern, pudessem apenas , durante todo esse tempo, ver as sombras que vinham do exterior, projetadas na parede da mesma, o que para elas, eram a única realidade. Qual é a relação desse texto com a educação? Por favor, preciso de uma resposta a respeito dessa pergunta.

  • em
    Permalink

    Benito muito obrigada, como disse agora que minha mente esta se abrindo com essa disciplina, quando escrevi precisa de uma luz para o dia seguinte, mas mesmo assim valeu, comparando com minha resposta a ele, acredito que o caminho do raciocínio foi o mesmo apenas palavras diferentes.
    Um grande abraço meu amigo.

  • em
    Permalink

    Olá .. estou fazendo um trabalho de filosofia e queria saber se vc poderia me ajudar dizendo quais são as tais sombras do mito da caverna nos dias de hoje. O que são ou quais são essas sombras no dia de hoje? .. se puder agradeço .. Bjão;D

  • em
    Permalink

    Olá Di, este questionamento já foi feito antes, verifique meus comentários anteriores e principalmente faça uma reflexão relendo o texto da alegoria da caverna, pense e reflita o que você acha que essa Alegoria da Caverna tem a ver com a Educação. Boa Leitura e bom trabalho.

    Abraço, Benito Pepe

  • em
    Permalink

    Valeu Jocelita, fico muito feliz em saber que você está mais iluminada ehehhe. Parabéns pra você. Volte mais vezes e deixe seus comentários em outros textos meus que você possa gostar ok?

    Abraços do Benito Pepe

  • em
    Permalink

    Olá Karen este texto eu já o postei há um bom tempo, portanto há dezenas de comentários que lembram essa questão das sombras. Elas são inúmeras, reveja os comentários e bom trabalho.

    Abraços, Benito Pepe

  • em
    Permalink

    . O prisioneiro que escapa da caverna é o Filósofo. Segundo Platão, é da natureza do Filósofo permanecer no mundo iluminado (mundo inteligível), desconsiderando totalmente aqueles que ainda vivem na caverna (mundo sensível)? Cite uma passagem do texto de Platão que responda ao solicitado

  • em
    Permalink

    O mundo sensível (da multiplicidade, das mudanças e das opiniões) é oposto ao mundo inteligível (da unidade, da imutabilidade e da verdade absoluta), mas ambos estão intimamente ligados. O Sol do mundo inteligível é o que ilumina a escuridão da caverna. As sombras ou imagens projetadas no fundo da caverna são cópias imperfeitas de quê?

  • em
    Permalink

    . Descreva o mundo inteligível do ponto de vista técnico, sem utilizar as metáforas que Sócrates utiliza no diálogo.

  • em
    Permalink

    Que relação há entre a Alma Racional, da Teoria das Três Almas, de Platão, e o seu mundo inteligível?

  • em
    Permalink

    O que vocês compreendeu pelo esforço que cada um de nós tem de fazer para sair do domínio da “dóxa”, segundo Sócrates?

  • em
    Permalink

    Olá Janaina, eu só vou te dar uma orientação, mas você deve encontrar as resposta sozinha ok? Vá até o próprio texto do Platão, ele é bem pequenino, e leia com atenção, ponto por ponto, você irá encontrar as respostas que procura, se tiver dúvida ainda releia o meu texto acima e se continuar com alguns pontos em dúvida, volte aqui e exponha os pontos embaraçosos para você, está bom assim?

    Vá lá>>> http://www.benitopepe.com.br/2009/06/04/texto-completo-da-%e2%80%9calegoria-da-caverna%e2%80%9d-contido-no-livro-%e2%80%9ca-republica%e2%80%9d-de-platao/

    Abraços, Benito Pepe

  • em
    Permalink

    O que impele esse regressar á caverna??
    .
    Dica: Nietzsche responde diversas vezes… E não passa pela hipócrita ética de Kant!

  • em
    Permalink

    Olá André essa é uma boa pergunta, fica aí a oportunidade pra você e outros que queiram voltar aqui e responder, no mais também deixo uma dica, todo ser que aprende algo novo deseja ardentemente passar essa “informação” não obstante nem sempre essa é uma tarefa simples, muito pelo contrário…

    Abraços, Benito Pepe

  • em
    Permalink

    qual a diferença na alegoria de platão entre conhecer a realidade e a sombra da realidade?

  • em
    Permalink

    Olá Mary, obrigado pela questão. A diferença entre conhecer a realidade e a sombra da realidade é exatamente o que parece. A realidade é a coisa em si, e a sombra é apenas uma projeção “sem forma bem definida”, “sem cor” e “é bidimensional”, em fim as sombras são as ilusões. A realidade é a luz e as imagens bem definidas e reais. Mas você precisa contextualizar essa questão dentro do que teu professor solicitou…

    Abraços do Benito Pepe

  • em
    Permalink

    Como poderiam as paixões e a ignorância acorrentar os homens e privá-los da realidade?

    Explique o fato do escravo ter sido morto ao tentar libertar os homens acorrentados,alertando que todos estavam sendo enganados por falsas imagens da realidade.

  • em
    Permalink

    Olá Edilson, esse tipo de questionamento acadêmico, ou seja, perguntas de professores. Eu respondo ajudando você a refletir e chegar às respostas, ok?
    Vamos, lá… Em primeiro lugar o que são paixões? O que é a ignorância? Por que essas coisas podem te “cegar” Se você ficar “preso e acorrentado” com “futilidades” por exemplo?… Será que há coisas que nos impedem de ver a realidade e a “verdade”?

    Quanto ao “escravo” que foi morto, isso ocorre sempre no nosso mundo, você já parou para pensar e refletir quanta gente que quer mostrar a realidade e o que de fato importa, para os “cegos” e estes o ridicularizam e o chamam de diversos termos pejorativos?

    Espero ter podido colaborar com sua reflexão…

    Abraços do Benito Pepe

  • em
    Permalink

    Olá Benito.. primeiramente meus parabéns pelo trabalho que tem feito .. e segundo queria pedir uma ajuda .. eu sou estudante de economia e admito não ter tanta familiaridade com a filosofia… você sabe me responder qual a comparação da historia da vida e da morte se Sócrates com a Alegoria da caverna .. li alguns textos já porem ainda estou confusa para escrever sobre o assunto você pode me ajudar?

  • em
    Permalink

    Olá Ana Carolina, obrigado pelo carinhoso comentário. Quanto à questão por ti levantada, Há alguns autores que acreditam que quando Platão escreve esta “alegoria da caverna”, estaria se referindo a Sócrates. Sócrates seria o homem acorrentado que consegue escapar dos grilhões e depois quando volta à caverna para tentar ajudar aos outros também escaparem desses grilhões é morto por estes… bem esta seria uma das hipóteses mais prováveis para a relação de Sócrates com a Alegoria da Caverna de Platão.

    Abraços, Benito Pepe

  • em
    Permalink

    professor estou concluindo meu curso de pedagogia e gostaria q me ajudasse!discorra o texto alegoria da caverna explicando:cada fase do processo do saberna concepção de sócrates:desdeas sombras da ignorância até á luz do conhecimento verdadeiro.expique também o que o texto tem a ver com a questão da educação(pedagogia)propriamente dita.
    obrigada.

  • em
    Permalink

    Ola professor.
    Ao seu ver, qual a relação entre a educação e a Alegoria da caverna?

  • em
    Permalink

    adorei pois tem o que eu preciso para o meu trabalho.

  • em
    Permalink

    Gostei muito, tirei todas as minhas dúvidas, para um trabalho. Muito obrigado !

  • em
    Permalink

    Olá Adélia. Você precisa refletir a situação em que os homens se encontravam – presos e na total ignorância – apenas pensado que sabiam a verdade… E você pode entender que o homem que consegue se libertar está representando o Sócrates. Pode também entender que a Maiêutica socrática, ou o parto que Sócrates procurava praticar extraindo o conhecimento dos homens, demonstra também o que a Alegoria da Caverna tem a Ver com a educação, entre outros pontos que deixo pra você refletir, ok?

    Abraços do Benito Pepe

  • em
    Permalink

    Olá Regina. Vide a resposta dada para a Adélia logo acima.
    Abraços, Benito Pepe

  • em
    Permalink

    professor muito obrigada.tem muita gente ainda presa na caverna!precisamos mostrar a luz ;e vai de cada um buscar o verdadeiro sol que nos ilumina…………..
    abraços……
    ADÉLIA

  • em
    Permalink

    Ok Adélia, boa sorte! Volte sempre, leia e comente outros textos meus ok?

    Abraços, Benito Pepe

  • em
    Permalink

    oi, queria saber o que significa a rampa ascendente na saída.abraços

  • em
    Permalink

    Olá Anderson, você pode ver esta “rampa” como algo que precisa ser escalado e muitas vezes o será com dificuldade, a fim de se alcançar a Luz verdadeira, ou seja, o conhecimento verdadeiro. E isso não é tarefa fácil e simples é árdua e é mesmo uma “rampa” muitas vezes bem inclinada….

    Abraços, Benito Pepe

  • em
    Permalink

    “mas ler o livro primeiro, se não você fica com as imagens que são apresentadas no filme como sendo as senas que seriam elaboradas por tua imaginação, o que ao meu ver é mais interessante, então ler primeiro, e ver o filme depois, nesta ordem.”
    Cena com “s” não dá né?

  • em
    Permalink

    Olá Felipe, é isso mesmo! Mas uma boa aula ou apresentação em palestra também é muito bom.

    Abraços, Benito Pepe

  • em
    Permalink

    Olá professor!
    Voltei para agradecer a sua atenção e boa vontade. Como me indicou, li a resposta que deste para a Adélia e foi de muita valia para que eu pudesse comentar em meu trabalho.
    Muito obrigada e parabéns pelo site.
    Um abraço,
    Regina.

  • em
    Permalink

    Valeu Regina, fico feliz com a gratidão apresentada.

    Abraços, Benito Pepe

  • em
    Permalink

    Oi Benito!
    Voltei pra pedir ajuda novamente…rsrsrs
    Meu trabalho desta semana está relacionado com Lyotard e a ” condição pós-moderna” ou seja, na perspectiva de Lyotard, e qual o papel do ensino neste novo estado cultural.
    Será que vc pode me ajudar?
    Grande abraço, aguardo sua resposta.
    Regina.

  • em
    Permalink

    Olá Regina, neste caso de Lyotard sinto não poder colaborar, este não é um dos temas de meus estudos…
    De qualquer maneira posso “pincelar” dizendo que na pós-modernidade surge a chamada “crise da modernidade”, ou seja, é um momento de reflexão quanto a tudo o que ocorreu na modernidade, por exemplo, este homem que foi capaz de “separar” átomos e partículas subatômicas e também foi capaz de voar com o avião, mas com este avião joga bombas atômicas contra os japoneses… A pós-modernidade é um momento de reflexão: até que ponto vale todo este “CONHECIMENTO DO HOMEM”? Como devemos usar o conhecimento?

    Abraços, Benito Pepe

  • em
    Permalink

    Ta bem detalhado e muito bem explicado, estava com varias duvidas ..
    Vai ajudar bastante na prova de amanhã.

    Beijoos :*

  • em
    Permalink

    Espero que tenha tido um ótimo resultado, bom Sorte!

    Abraços, Benito Pepe

  • em
    Permalink

    O mito da caverna de platão nos leva ao que e mais enganador que a politica e a historia , vem aglutinando na mente das pessoas , um exemplo seria a televisão ele so nos fornece as informações que os convem por este motivo e importante que sejamos seros criticos de todo tipo de informação que a midia em geral nos fornece, e preciso que criemos ideias novas e que elas sejam difundidas para que as pessoas vejam as verdades em todos os aspectos .

  • em
    Permalink

    ola tudo bem estou precisando de ajuda ,preciso fazer um parecer sobre o dialogo de Socrates e Glauco no texto Alegoria da Caverna desde o processo do saber , desde as sombras do conhecimento verdadeiro e tambem o que a Pedagogia tem a ver com a questão da educação.

  • em
    Permalink

    Olá Wirke, obrigado pelo comentário e contribuição.

    Abraços, Benito Pepe

  • em
    Permalink

    Olá Marli, estes temas já foram questionados aqui e já se encontram nos comentários acima. Leia com calma e você encontrará as respostas. Boa Sorte!!

    Abraços, Benito Pepe

  • em
    Permalink

    Cara, vc sabe tudo sobre filosofia ein, rsrs.
    Poderia me ajudar? qual a única alma que não foi copiada do mundo das ideias?
    Tô procurando direto, mais ñ acho e preciso p/ 4ª feira agr, desde já, obg! ^_^

  • em
    Permalink

    Olá Hannah, eu não sei tudo de filosofia não! Por exemplo, essa eu não sei. A propósito deixo aqui essa tua indagação pra quem souber colaborar conosco…
    No entanto acho que esta pergunta não está bem formulada, ou será que está?

    Alma copiada? Será que é isso mesmo?

    O nosso mundo sensível, para Platão, de fato era simplesmente uma cópia do “mundo das ideias”…

    Contemos com a colaboração dos experts, tá bom Hannah?

    Abraços, Benito Pepe

  • em
    Permalink

    kkk, nossa! Dessa vez mato meu professor de filosofia, kkkk. Mais msm assim, obg por responder, rsrs ;D

  • em
    Permalink

    Ah…agr vi que o senhor msm me deu a resposta, rsrs. Ligando os fatos percebe-se que a resposta é nenhuma, pois segundo Platão, todas as coisas deste mundo são copiadas do mundo das idéias.
    Haha’ vlw ^_^

  • em
    Permalink

    qeriia qe me ajudassem em :
    analise critica do conhecimento de platão , abordando o mito da caverna e sua relação com a atualidade

  • em
    Permalink

    Olá “anonimo” logo acima. Esse assunto já foi abordado aqui, faça uma releitura atenta deste texto e dos comentários, ok?

    Abraços, Benito Pepe

  • em
    Permalink

    obrigado mesmo me ajudaram mto meu trabalho ficou otimo
    valeuuu

  • em
    Permalink

    Olá Andrile, parabéns pelo trabalho. Boa sorte nos teus estudos.

    Abraços, Benito Pepe

  • em
    Permalink

    Uau, Benito! Parabéns! A ajuda que você nos dá é imensurável! E o modo como consegue se expressar é invejável, dum modo bom, obviamente. Continue assim! Muito obrigada!

  • em
    Permalink

    Valeu Gabriela, tuas palavras me enobrecem. Muito obrigado! Volte sempre e comente outros textos, ok?

    Abraços, Benito Pepe

  • em
    Permalink

    Explique como foi o processo de libertação do prisioneiro…
    eu não entendi muito bem!

  • em
    Permalink

    Olá anônimo acima, releia com atenção, você perceberá que foi muito doloroso e sofrido, e o seu retorno idem… Veja também o texto completo, observe o link no final do texto, leia lá também.

    Abraços, Benito Pepe

  • em
    Permalink

    Oi, adorei o seu texto e graças a ele tive uma luz para meu trabalho sobre esse texto que consiste na pergunta. 1) Qual seria a missão político-filosófico do filósofo?

    Eu ja li e reli o texto diversas vezes, tenho algumas ideias mas não consigo colocá-las no papel. Pode dá uma ajuda?
    Obrigada 🙂

  • em
    Permalink

    Olá Vanessa, uma dica é pensar que Platão, neste diálogo, indica que o melhor homem para governar a Polis é o Rei Filósofo. Portanto sua missão seria mesmo a de governar, dirigir a “Polis” (a Cidade-Estado). Agora, poderia ser um filósofo ou um rei transformado em filósofo, entendeu?

    Leia também o texto completo de Platão, ok? Veja os links acima..
    .
    Abraços, Benito Pepe

  • em
    Permalink

    Fale sobre a caverna dos dias atuais

  • em
    Permalink

    Olha Paloma, as cavernas são tantas, não é mesmo? é só você pensar como muita gente se fecha no seu mundinho e acha que ele é o único certo? E o Pior não está aberta ao novo e às vezes até “mata” os que lhe querem mostrar um bom e novo caminho…

    Abraços, Benito Pepe

  • em
    Permalink

    Olá Benito, lendo o trecho da alegoria da caverna de Platão, entendi e refleti sobre esta imensa caverna que estamos vivendo neste universo mundial. Infelizmente a nossa fogueira que reflete o clarão para o interior da caverna não é o nosso maravilhoso SOL, e também não estamos tentando sair do interior da caverna, e sim, empurrados por nós mesmo, cada vez mais, para o interior da mesma, onde deve haver um abismo profundo e tenebroso, que fatalmente a humanidade irá cair. As fogueiras estão acesas nos quatro cantos do mundo, do Ocidente ao Oriente, e as suas sombras fantasmagóricas se espalham em todos lugares. São sombras de Robin-Hood ao contrario, ou seja, tirando dos pobres dando para os ricos, sombras imperialistas, sombras capitalistas, sombras atômicas, sombras que se dizem democráticas, mas que escraviza o cidadão, em fim, são sombras altamente destruidoras, que nós a distinguimos e sabemos o que significa, diferente dos prisioneiros das cavernas de Platão que não sabiam distingui-las. Nós no entanto, apesar de sabermos que estas sombras são formadas por labaredas de um fogo maldoso e perverso, temos consciência de que nada podemos fazer para combate-las. Mas uma coisa é certa, estas fogueiras acesas, pelos quatro cantos do mundo, é o caminho sem retorno para o interior desta caverna que estamos vivendo, e suas próprias sombras refletidas pela fogueira, será a auto destruição dos seus criadores O Grande Arquiteto do universo lá do alto deve estar olhando as sombras, nada mais que sombras, auto destruindo-se, e cada vez mais se aprofundando no interior da caverna, ao invés de tentar uma solução para suas saídas. Bom meu amigo, no primeiro comentário Fiz uma compilação, e agora uma reflexão. Um ábaco do amigo J.M.Dias .

  • em
    Permalink

    É isso aí meu camarada JM Dias! Você pode e sabe fazer comentários deste nível, portanto não quero nada mais teu copiado… Só vale comentários com tuas palavras, pois estes sim enriquecem o meu Site! Pense bem… Se alguém encontra tuas sábias palavras como estas que você publicou agora, pode ser levado à reflexão, agora, quando é um texto qualquer o cara vai lá e busca no Google, no entanto palavras como as tuas é difícil achar, entende? A não ser aqui no meu Site, pois você as publica aqui ehhe, valeu meu caro!! Parabéns!!

    Abraços, Benito Pepe

  • em
    Permalink

    ola Benite, gostaria que voce me ajudasse em uma pergunta. Com base nos seus conhecimentos transponha o mita da caverna para os dias atuais. A resposta pode ser breve. Obrigada.

  • em
    Permalink

    Olá Jaque, para você ter a resposta a esta pergunta, é simples! Vou te ajudar…
    Em primeiro lugar “pense”, reflita sobre o mito da caverna, o que esse mito ou alegoria quer dizer? Como estavam aqueles “homens presos” vendo somente sombras? E Aí como se encontram muitos homens hoje em dia, e então te ajudei?
    Mas pense um pouco, ok? Leia e releia com atenção o texto acima e comentários, se necessário…

    Abraços, Benito Pepe

  • em
    Permalink

    Olá, Benito. Antes de qualquer coisa quero te parabenizar pela criação deste espaço tão útil. Gostaria que você, se possível, me dissesse o que Platão realmente afirmou, em relação à Teoria do Conhecimento, na Carta Sétima. Seria o fato de precisarmos do conhecimento empírico para que, assim, possamos chegar ao conhecimento científico? Em outras palavras, a necessidade de preconceitos, sentidos, paixões e opiniões para que saiamos da cegueira em rumo à libertação do olhar intelectual. Tudo isso em detrimento do mito narrado por Sócrates a Glauco. De antemão, muito obrigado.

  • em
    Permalink

    Olá Paulo, não tenho conhecimento profundo com relação à “carta sétima”, mas pelo pouco que conheço de Platão, acho que ele não fundamentaria o conhecimento em empirismo. Muito pelo contrário, Platão seria racionalista, além do mais, falar em “necessidade de preconceitos, sentidos, paixões e opiniões para que saiamos da cegueira em rumo à libertação do olhar intelectual” parece um tanto paradoxal em se falando de Platão.

    Abraços, Benito Pepe

  • em
    Permalink

    Valeu, Benito. Obrigado.

  • em
    Permalink

    ola benito,…
    gostaria de saber o motivo especifico por qual Platao escreveu o mito da caverna
    ??
    ?? eduardo!

  • em
    Permalink

    Olá Eduardo, Platão neste diálogo chamado “A Republica” tenta demonstrar, entre outras coisas, quem seria a pessoa ideal para governar a Polis, ou seja a Cidade Estado, e ele vai relatando através de analogias ou alegorias como este Homem deveria ser, como deveria ser o seu comportamento, a sua visão, o seu estilo de vida, os seus interesses, os seus conhecimentos, etc. E procura mostrar que a verdadeira luz, a verdadeira missão, o verdadeiro conhecimento não se obtém pelas “sombras” mas através da verdadeira luz que se consegue ao sair da Caverna. Bem, esta é uma interpretação bem geral. Sugiro-te ler o texto completo deste “Mito da Caverna” veja o link>> http://www.benitopepe.com.br/2009/06/04/texto-completo-da-%e2%80%9calegoria-da-caverna%e2%80%9d-contido-no-livro-%e2%80%9ca-republica%e2%80%9d-de-platao/

    Abraços, Benito Pepe

  • em
    Permalink

    Oi pessoal!gostaria de saber de entre as tres correntes(emperismo,racionalismo e criticismo) qual e a mais conviniente e porque?

  • em
    Permalink

    Olá Salvador! Tua pergunta talvez dependa de um contexto. Qual seria ele? O Empirismo, Racionalismo e Criticismo, são correntes respeitáveis e cada uma delas tem o seu valor, ser mais conveniente me soa estranho… Agora se estivermos contextualizando uma certa situação poderíamos declarar para aquele contexto esta ou aquela corrente mais conveniente. Qual seria a situação?
    Abraços, Benito Pepe

  • em
    Permalink

    ola pepe!!! queria saber qual o significado das pessoas amarradas pelas pernas e pelo pescoço? E conforme a dialetica platonica, a que tipo de conhecimento corresponde esse estagio? obrigada pela atenção….

  • em
    Permalink

    Olá “aluna”! Estas pessoas representam os “ignorantes” aqueles que são ludibriados ou querem permanecer na ignorância, estes só observam sombras, ou seja o que não é o Real. Esse estágio corresponde ao mais baixo nível, pois eles não conseguem ver nem mesmo os objetos que são iluminados por uma luz tênue do fogo dentro da caverna. Depois da libertação, eles alcançam o momento intermediário, mas ainda assim verão os objetos com nebulosidade, o verdadeiro conhecimento estará fora da caverna com a própria luz do Sol… Espero ter colaborado pra que você desenvolva mais esta ideia e a adapte ao teu contexto de estudo.
    Abraços, Benito Pepe

  • em
    Permalink

    Olá! Gostaria de saber quem escreveu o livro A República e quais são personagens principais do livro VII, obrigada

  • em
    Permalink

    Olá “anonima” veja os links acima, há um inclusive com todo o texto e seus personagens, um a um… Quem escreveu a Republica foi Platão, e evidentemente o livro VII contido no Diálo “A Republica”.

    Abraços, Benito Pepe

  • em
    Permalink

    Mito ou alegoria da caverna relacionar com o conhecimento

  • em
    Permalink

    Muito bom e explicativo o texto!

  • em
    Permalink

    Parabéns Pepe, sinceramente fiquei impressionada com tuas respostas, se ver claramente que és também um grande filósofo. Sou estudante de Ciências Biológicas e temos uma disciplina muito legal que é Fundamentos Antropo-filosóficos da Educação. Neste momento estamos estudando sobre o mito da caverna e não imagina como ler teu site me ajudou, serei uma visitante assídua. De forma indireta me ajudou muito. Obrigada por tua disponibilidade.

  • em
    Permalink

    Boa tarde Benito.
    Gostaria de te parabenizar pelo site, ele tem uma grande função na vida de estudantes ! Pode ter certeza que ajuda muito a todos.
    Eu também tenho uma questão sobre a alegoria da caverna…

    Gostaria que falasse um pouco sobre, em que medida a alegoria da caverna platônica pode ser considerada uma pedagogia para a verdade.

    Estarei esperando ansiosamente por sua reflexão, muito obrigada !

    Abraços Tássia Oliveira.

  • em
    Permalink

    Muito Obrigado Josy! São Palavras como essas que me incentivam a continuar postando meus textos. Volte Sempre e recomende meu Site/blog.
    Abraços, Benito Pepe

  • em
    Permalink

    Olá Tássia! Obrigado pelo comentário e questionamento! Sumamente a alegoria da Caverna, apresenta que os homens ali “presos” precisam se libertar para conhecer a verdade que está fora daquela “realidade” suposta por eles. O conhecimento leva à verdade. Releia o texto agora e vá refletindo nesses termos, além de outros pontos que você vai perceber…
    Abraços, Benito Pepe

  • em
    Permalink

    Muito obrigada Benito, Muito enriquecedor os seus posts. Continue assim ! 😉
    Agora irei elaborar meu trabalho sobre a alegoria da caverna. Obrigada mais uma vez !!

  • em
    Permalink

    Adoreii , vaii me ajudar muito em meu trabalho ..
    Eu ia pergunta meu professor mas fiquei com vergonha(rs’) , tem diferença entre filosofo e professor de filosofia ? ou ser professor de filosofia já leva ser um filosofo ? (gostaria que entrasse em contato comigo , tenho muitas pergunta :s)

  • em
    Permalink

    Valeu Tássia! Volte sempre e bom trabalho! Quando puder leia outros textos e deixe seus comentários.
    Abraços, Benito Pepe

  • em
    Permalink

    Olá Im, pode fazer suas perguntas à vontade, ok?
    Quanto ao fato de ser Filósofo e/ou professor de filosofia, é só considerar como o professor ensina… Se o professor filosofa, ou seja, leva os alunos à reflexão, ele é um filósofo. Se apenas passa a matéria e o conteúdo é um professor. Mas é bom lembrar que todos podemos ser filósofos, inclusive outros professores filosofam em suas aulas… O filósofo é, sumamente, aquele que ama o conhecimento, ama o saber… Veja também meu texto>> http://www.benitopepe.com.br/2009/01/18/o-que-e-filosofia-o-que-faz-um-filosofo-para-que-estudar-filosofia-2/
    Abraços, Benito Pepe

  • em
    Permalink

    oque a luz do sol simboliza ? nos dias atuais o que poderiamos chamar de luz ?

  • em
    Permalink

    Olá Rafael, gostaria de te pedir para pensar um pouco. Vou te ajudar: Será que sem a luz do sol você poderia enxergar alguma coisa (considerando-se esta como a única luz ok?); lembre-se também de uma lâmpada que aparece nos personagens quando têm uma ideia, o que são luzes ou o que pode iluminar um caminho? Vamos refletir…

    Abraços, Benito Pepe

  • em
    Permalink

    entao,, diante das cicunstancias um resumo basico deste livro?

  • Pingback: Voltamos à Caverna, mas agora ela é high-tech | Benito Pepe: Palestras, Workshops, Treinamentos de Equipes e Cursos

  • em
    Permalink

    Ótima postagem, talvez um dia saio da alienação de uma sociedade hipócrita…
    Não é fácil quebrar tantos paradigmas, mas pretendo chegar lá!

  • em
    Permalink

    è assim mesmo Leonir, de vagar e sempre…
    abraços, Benito Pepe

  • em
    Permalink

    como se explica a volta do filosofo deste mundo luminoso da verdade para a escuridao da caverna?

  • em
    Permalink

    Olá “Anônimo” não sei exatamente o que você quer com esta pergunta, mas o mais óbvio é que quando descobrimos uma “Verdade” queremos voltar e contar a todos… por isso ele volta na Caverna…
    Abraços, Benito Pepe

  • em
    Permalink

    Esse texto me lembra o filme “Os Croods”
    Assistam, é muito interessante.

  • em
    Permalink

    Certamente vou pegar a tua dica cara Samantha.
    Abraços, Benito Pepe

  • em
    Permalink

    Olá! Obrigado por compartilhar a alegoria da caverna. Há algum tempo a buscava, foi uma indicação de um dos professores do curso de Letras.

    Uma dúvida: Platão e Aristóteles eram duas ou uma só pessoa? Sempre soube que um foi discípulo do outro. Mas houve quem dissesse que Aristóteles era um pseudônimo de Platão, posto que este estava fugido. É realmente assim? Agradeço desde já!

  • em
    Permalink

    Olá Alexandre obrigado pelo depoimento.

    Essa tua dúvida quanto a Platão e Aristóteles eu nunca havia ouvido antes, tudo indica que são dois filósofos sim e diferentes em seus pensamentos, ainda que haja alguma identidade de pensamentos em alguns de seus textos, Aristóteles foi discípulo de Platão e teria rompido com o Mestre e fundado sua própria escola de filosofia chamada Liceu, a de Platão chamava-se Academia, daí o termo até hoje usado: vida acadêmica…

    A quem muitas vezes se atribui ser o próprio Platão é Sócrates, mas mesmo este (Sócrates) tudo indica ter existido também e ter sido um dos mestres do próprio Platão.

    Busque neste meu Site pelos nomes destes filósofos pra saber mais, ok?
    Abraços, Benito Pepe

  • em
    Permalink

    professor gostaria de saber quai foram os ensinamentos que Platão representa com a alegoria da caverna? por favor me responda rapido pois estou fazendo uma prova que contem esta pergunta e ñ sei como responder. Desde ja muito obrigado e ate a proxima bjs

  • em
    Permalink

    Boa tarde,

    Qual pode ser a razão pela qual Platão nos descreve a libertação como
    “não-livre”, como “forçada”?

  • em
    Permalink

    Olá Mary, sinto muito não te responder antes, é que o meu tempo é bem estreito… Bem, de qualquer maneira esse teu questionamento é bem didático e depende do contexto em que o tema foi apresentado pelo teu professor, e ele quer entender o que o aluno compreendeu do tema, entendeu?

    Abraços, Benito Pepe

  • em
    Permalink

    “Anônimo”, essa é uma boa pergunta. Você, entendendo a situação em que “aqueles homens” se encontram na caverna, pode perceber porque esta libertação não é livre… Eles se encontram entre amarras, fechados em um mundo que é o único conhecido por eles, não estão abertos ao novo e ainda matam aquele que consegue escapar e volta pra tentar resgata-los… pense um pouco sobre isso…

    Abraços, Benito Pepe

  • em
    Permalink

    Excelente texto! Mais uma vez parabéns, Benito!
    Quem puder e tiver interesse, vejam o filme Os Croods. Quando vi este filme e o Benito me indicou este texto, achei interessantíssimo a ligação entre o texto e o filme. Além de ri um pouco com a comédia do filme… Fica a dica…

  • em
    Permalink

    Olá Samantha, obrigado pelos elogios.. eu ainda não assisti este filme, mas ouvi ótimos comentários…

    Abraços, Benito Pepe

  • em
    Permalink

    com base no texto alegoria da caverna
    poque é mais facil permanecer no lugar que estar do que ir para outro?

  • em
    Permalink

    Olá Karol, tendo em consideração o que você ouviu em sala de aula e leu neste e em outros textos qual foi a tua conclusão? Vamos ver se você está próxima…

    Abraços, Benito Pepe

  • em
    Permalink

    gente mim ajuda responde esse dever aki por favo e pra hj…. pergunta aki….. QUAL E O SIGNICADO DA CAVERNA E DAS PESSOAS AMARRADAS PELAS PERNAS E PRLO PESCOÇO? CONFORME A DIALEITICA PLATÕNICA A QUE TIPO DE CONHECIMENTO CORRESPONDE ESSE ESTAGIO

  • em
    Permalink

    Olá Rannyele, te sugiro uma releitura atenta do texto acima e que solicite tirar apenas algumas eventuais dúvidas, ok?

    Abraços, Benito Pepe

  • em
    Permalink

    Benito qual o significado que se pode dar pelas pessoas amarradas pelas pernas e pelo pescoço?

  • em
    Permalink

    se possível me responda até amanhã….
    🙂

  • em
    Permalink

    Olá Lety, tente contextualizar e comparar com os nossos dias de hoje, pessoas “presas” na frente da TV, em aparelhinhos eletrônicos com uso fútil… pense também em tudo que pode nos deixar “amarrados”… boa meditação…

    Abraços, Benito Pepe

  • em
    Permalink

    brigado Benito pelo ajuda só precisava de um ” empurrãozinho “…

  • em
    Permalink

    Quais aspectos dos dias de hoje poderíamos considerar do mundo sensível (aparências) e quais do mundo das idéias (essências)?

  • em
    Permalink

    Olá meu amigo, todas as vezes que vejo um comentário sobre a caverna de Platão, sinto vontade de falar sobre o assunto.
    Infelizmente as pessoas não percebem, ou não querem entender, que a humanidade ao invés de tentar sair do interior da caverna, estão se aprofundando cada vez mais para seu interior, levando consigo o poder de aumentar as alegorias que cada um carrega em suas mãos, que ao invés de diminuir as sombras fantasmagóricas. Transformam as sombras em verdadeiros e poderosos monstros que nem a própria mente será capaz de traduzir, os perigos que carregam sem destino certo. Sim meu amigo, a humanidade está completamente presa numa caverna, com sombras e alegorias muito piores e mais perigosas do que as existentes nas épocas da verdadeira caverna de Platão. Infelizmente meu amigo, as gerações que se sucedem estão acorrentadas de todas as formas,assistindo os clarões, mas não de uma eterna fogueira natural, mas sim de uma fogueira criada pelo egoísmo de uma humanidade.Que já não sabem distinguir o que é sombras ou figuras, e de onde vem, nem para onde vão, a única coisa que sabem é que estão presas à uma tecnologia que os guia em todos os sentidos,, tirando muitas vezes o raciocínio natural de cada um. É meu amigo , e assim caminha a humanidade Aquele abraço do amigo J.M.Dias

  • em
    Permalink

    Olá Maicom, essa é uma boa questão, me parece ter sido feita por um professor de filosofia para seus alunos, portanto vou te indicar um caminho para auxilia-lo no pensamento e reflexão…

    É bom lembrar em primeiro lugar que a filosofia de Platão não está ultrapassada e nem fora do contexto do mundo atual, a pesar dos seus 2.500 anos (500 anos antes de Cristo).

    Mundo sensível (aparências) poderíamos dizer que são todas as coisas que, segundo Platão, passa, não é o verdadeiro valor na vida, nem para a vida e nem da existência… o mundo das ideias, ao contrário, é o mundo das essências, do que é verdadeiro e eterno, o que sempre fica e ficará, o que permanece. Então como digo: “A única coisa que levamos desta vida é a lembrança da vida que levamos e a única coisa que sempre estará conosco é o nosso conhecimento” agora reflita: onde está a essência, não está a aparência…

    Abraços, Benito Pepe

  • em
    Permalink

    gostaria de saber a a relação desse texto com a realidade da educação e da administração. Obrigado!

  • em
    Permalink

    Olá “Anônimo”, tente reler o texto e os comentários que seguem, certamente você será levado a novas reflexões que te auxiliaram nessas questões.
    Se continuar em dificuldade, retorne com as novas dúvidas…

    Abraço, Benito Pepe

  • em
    Permalink

    para mim,a caverna de platão se refere como fomos enganados desde o seu tempo ate os dias de hoje com a religiao, os enganos que colocam goela abaixo nos meios de comunicação, a politica e tudo que temos de podre nessa terra imunda, resta acordarmos e sair desta ilusão ou pelo menos tentar

  • em
    Permalink

    Olá Vania Torres, obrigado por deixar sua opinião…
    Abraços, Benito Pepe

  • em
    Permalink

    Oi Benedito Pepe, obrigada pele oportunidade de leitura,gostaria de saber porque você não teceu nenhum comentário sobre minha opinião.

  • em
    Permalink

    Olá Vania Torres, não é em todos os comentários que deixo minhas considerações, mas já que está curiosa, posso dizer:

    1. A religião eu vejo como um bem e ao mesmo tempo um mau para a humanidade, há muito de bom e positivo quando não pensamos de maneira institucionalizada…

    2. Quanto aos Meios de comunicação veja este meu texto>> http://www.benitopepe.com.br/2009/02/24/a-industria-cultural-e-a-influencia-nas-das-ciencias-especialmente-a-astronomia/ nele eu abordo a questão da Industria Cultural (há uma relação com os meios de comunicação e a mistura que se faz entre realidade e ficção) merece uma leitura atenta…

    3. Quanto a Política, na verdade na sua origem ou pelo menos em sua intenção inicial, pelo menos no que tange a República de Platão, por exemplo havia-se uma bela intenção, Política = Polis = Cidade, cuidar dá.

    veja também Aristóteles >> http://www.benitopepe.com.br/2010/12/26/fragmentos-do-livro-politica-de-aristoteles/

    No mais, agora espero novos comentários teus tá bom?

    Obrigado pelo carinho de ser minha leitora…
    Abraços, Benito Pepe (não Benedito heheh)

  • em
    Permalink

    Desculpe por errar seu nome,estava ligada no assunto. Benito Pepe,assim que tiver um tempo com certeza mergulharei em teus conhecimentos, um grande abraço.

  • em
    Permalink

    Valeu Vania Torres, espero teus comentários lá também…
    Abraços, Benito Pepe

  • em
    Permalink

    Ola Benito, quero te parabeniza-lo pois ADOREI seu site e texto,
    Você é um mestre ajudou muito a minha filha e amim mesmo, excelente:

    Eu também tenho uma questão sobre a alegoria da caverna.
    Gostaria que você me ajudasse a esclarecer sobre:
    Como o mito da caverna se relaciona com o método cientifico??

    Gostaria que vc nos ajudasse,
    Abraço!!!

  • em
    Permalink

    Olá Cristina Sampaio, obrigado pelo comentário e carinho…

    Bem, o método científico busca a “Verdade” pelo menos a sua verdade: a científica. E neste contexto deve-se sair das sombras e do “achismo” e ir em busca da luz verdadeira ou seja as coisas em si.. vá por esse caminho e bom trabalho…
    Abraços, Benito Pepe

  • em
    Permalink

    Mas será que a identificação no Outro da condição de escravo numa caverna escura, não representaria uma forma de legitimação ideológica para o domínio político sobre esse outro?

  • em
    Permalink

    Olá Caline, obrigado pelos questionamentos.

    No texto acima eu não foquei esse lado da questão, no entanto o mesmo é pertinente e filosófico.

    O outro é sempre o outro, para o outro. Mas acredito que no contexto que Platão abordava, ele estava tentando levar as pessoas à reflexão, de sua realidade na Polis, pelo menos nesses tipos de textos platônicos que eram os textos para leitura fora da Academia…

    Abraços, Benito Pepe

  • em
    Permalink

    Que método de ensino de Sócrates se afasta da visão platoniana do filósofo que arrasta de forma violenta, mesmo contra a vontade, o prisioneiro para fora da caverna?

  • em
    Permalink

    O que é estar numa caverna escura:
    Do ponto de vista ético
    Do ponto de vista técnico
    Do ponto de vista político
    Do ponto de vista estético

  • em
    Permalink

    Meu prezado amigo Benito! Eu tive a curiosidade de observar que neste seu SITE, o texto mais comentado( 243) é exatamente A ALEGORIA DA CAVERNA DE PLATÃO. Será que os leitores o escolhe exatamente, pelas belas reflexões do cotidiano, e busca viver uma coisa com a outra? Ou é o simples prazer e vontade de aprender? Aquele abraço do amigo J.M.Dias

  • em
    Permalink

    Olá Lai, quanto ao teu primeiro questionamento, já está respondido acima em outros comentários, veja lá…

    Quanto aos outros questionamentos…

    O que é estar numa caverna escura:

    Do ponto de vista ético
    Do ponto de vista técnico
    Do ponto de vista político
    Do ponto de vista estético

    Gostaria que você refletisse, em um contexto apresentado pelo teu professor, o que é ética em primeiro lugar? depois pense na questão da impossibilidade da visão no sentido filosófico…

    quanto aos outros pontos construa a mesma linha de raciocínio, ok?

    Abraço, Benito Pepe e Boa Reflexão! É pra isso que você está estudando filosofia…

  • em
    Permalink

    Olá meu caro JM Dias, na verdade este texto é um dos mais comentados por se tratar de um dos temas centrais da Filosofia Ocidental oriunda de Platão. Este texto é o alfabeto que sem o qual ninguém consegue, com qualidade, montar nenhuma palavra, frase e muito menos textos completos. Portanto a Alegoria da Caverna de Platão, que está contida no livro VI (como se fosse uma parte de um dos capítulos) do livro a República de Platão… E quem estuda filosofia sempre se defronta com estes textos. Veja ele completo aqui>>> http://www.benitopepe.com.br/2009/06/04/texto-completo-da-%E2%80%9Calegoria-da-caverna%E2%80%9D-contido-no-livro-%E2%80%9Ca-republica%E2%80%9D-de-platao/

    Abraços, Benito Pepe, e continue lendo e refletindo

  • em
    Permalink

    Do ponto de vista estético o que é estar numa caverna escura ?

  • em
    Permalink

    Olá Carla! Como você deve ter notado eu não gosto de dar respostas prontas… portanto tente refletir, tendo em vista o contexto apresentado pelo teu professor… Veja também outros textos correlatos.

    Abraço, Benito Pepe

  • em
    Permalink

    Primeira Parte:
    1) Quem são os prisioneiros da caverna platônica? Quais são suas características, se pensados no mundo de hoje?
    2) Que são e como são as sombras?
    3) Do lado oposto da caverna, Platão situa uma fogueira.
    a) o que é a fogueira?
    b) o que é o muro?
    c) quem são os homens que carregam objetos?
    d) o que é o som deles?

    Segunda Parte:
    4) O que liberta o prisioneiro?
    5) Quando se dá a libertação real?
    6) O que significa ver o sol?

    Terceira Parte:
    7) Por que o ex-prisioneiro deve voltar à caverna?
    8) Como entender a missão político-pedagógica do filósofo?
    9) Como entender a missão ético-política do filósofo?

  • em
    Permalink

    Olá Cara Lorena, veja essas reflexões tendo em base o que você aprendeu em sala de aula com teu professor e naquele contexto, se persistir alguma eventual dúvida volte aqui…

    Abraço, Benito Pepe

  • em
    Permalink

    Quais as características dos prisioneiros da caverna platônica se pensados no mundo de hoje?

  • em
    Permalink

    Bacana Tiago! Dê uma releitura no texto e me diga o que você acha que tem a ver com os dias de hoje…
    Abraço, Benito Pepe

  • em
    Permalink

    Quais as etapas do conhecimento representa na Alegoria da Caverna?

  • em
    Permalink

    Olá Caroline, você precisa fazer uma analogia com o que seu professor ensinou, ok? De qualquer maneira você pode dividir em alguns momentos:

    1. os homens presos e acorrentados, somente vendo “sombras”… faça a relação com este momento…
    2. um homem liberto e vendo além das sombras, as coisas como elas são mas ainda de maneira nebulosa dentro da caverna….
    3. o homem que sai da caverna e vê as coisas através do luar….
    4. o homem pela manhã consegue ver as coisas com a luz do Sol…
    5. o homem que volta à caverna para mostrar aos demais que a “verdade” está lá fora.. e é morto pelos demais…

    Abraços, Benito Pepe

  • em
    Permalink

    que proveito podemos tirar da teoria de platao sobre aparencia e realidade?

  • em
    Permalink

    Olá.. Em relação ao texto eu gostaria de saber se vc pode me responder qual a relação entre alegoria da caverna a realidade social e política do Brasil atual??.. Obg!!!

  • em
    Permalink

    Olá caros Kelvin e Grace, por favor deem uma relida no texto com calma… e também nas respostas publicadas por mim a perguntas similares..

    Abraços, Benito Pepe

  • em
    Permalink

    ola tudo bem? me ajude sobre esse texto que fala sobre a alegoria da caverna, mas queria uma resposta sobre a outra parte do texto do tema: “aplicação da caverna”, pois eu lir e não estou entendendo o texto para que eu possa debater em sala de aula, então vc pode me ajudar?

  • em
    Permalink

    Olá , queria que me ajudassem em um trabalho de filosofia , o que é o mundo sensível,e o inteligível e como eles se apresentam , e exemplos deles no mito da caverna. Poderiam me ajudar ?

  • em
    Permalink

    Olá Ana Beatriz, você já viu os outros links neste texto? verificou que há uma distinção entre estar na Caverna e fora dela?…

    Abraço, Benito Pepe

  • em
    Permalink

    ola , eu queria saber quem representa o fiosofo nessa historia

  • em
    Permalink

    Olá Gabrielsimm, O Filósofo é o personagem que estava acorrentado, volta para tentar liberar os outros e é morto, pode ser alegoricamente o Sócrates…

    Abraço, Benito Pepe

  • em
    Permalink

    Oque ocorre na volta do prisioneiro á caverna?

    Qual o papel do filósofo segundo a alegoria da caverna?
    preciso urgente 🙁

  • em
    Permalink

    Olá Sabrina, você notou que “matam” esse “prisioneiro” que consegue escapar e retorna à Caverna para tentar conscientizar os que ali estavam, que a Verdade não estava ali…

    Você notou também que este “prisioneiro” representa o Filósofo…

    Abraço, Benito Pepe

  • em
    Permalink

    o que ha de atitude filosófica? e o que ha de senso comum?

  • em
    Permalink

    Olá Renatha, sucintamente a Atitude Filosófica é mais racional e lógica, enquanto o “Senso Comum” nem tanto, este é mais pela tradição sem muita reflexão, veja mais em Ciência e senso comum…

    Abraço, Benito Pepe

  • em
    Permalink

    Considerando a teoria platônica, é possível afirmar que a “saída da caverna” se vincula ao mundo sensível?

  • em
    Permalink

    Gostaria de um esclarecimento :
    é possível afirmar que a “saída da caverna” se vincula ao mundo sensível ?

  • em
    Permalink

    A figura do filósofo aparece representada no diálogo por aquele personagem que é misteriosamente libertado dos grilhões e forçado a empreender a dolorosa ascese em direção ao conhecimento da (verdadeira) realidade. Como seria possível compatibilizar a ideia de que o filósofo é o amante ou amigo do saber, o que nos faz pensar que ele tem um prazer natural em buscar espontaneamente a verdade por si mesmo, com a imagem do filósofo no diálogo em questão, segundo a qual ele é forçado a descobrir a verdade ao cabo de um processo nada prazeroso, mas, sim, bastante doloroso.

  • em
    Permalink

    Caracterizar e que simboliza exatamente em termos conceituais o mito da caverna de Platão.

  • em
    Permalink

    Aos comentadores 268, 269 e 271 esclareço que esse tipo de questionamento similar a questões de sala de aula eu não comento.

    A Thais Machado, agradeço pela colaboração. Obrigado!

    Abraços, Benito Pepe

  • em
    Permalink

    Olá
    para platão a opnião é em saber que possuiu sua origem em que ?

  • em
    Permalink

    Olá Julia, eu não gosto de responder a perguntas de aula por aqui, mas só pra ajudar no teu pensamento…. opinião é doxa, diferente da idea que seria epsteme então localize onde se encontra cada um desses conceitos….

    Abraço, Benito Pepe

  • em
    Permalink

    Sobre as nossas sombras, como podemos nos libertar delas?

  • em
    Permalink

    Boa tarde … Como podemos associar a questão do saber e a questão da justiça ?

  • em
    Permalink

    O Filósofo, ou aquele que conheceu e se rendeu à verdade, acaba se tornando o inimigo do publico, da maioria… Perde com isso os reforços que a sociedade lhe confere.. ou até mesmo a vida.
    podemos ver isso na obra de Ibsen: O Inimigo do Povo.
    podemos ver isso no cinema, com o filme: Tubarão.

    Se algo tiver que ser mantido pela maioria, muitas vezes o será, mesmo que seja mentira. E quem quiser demover o povo de sua verdade fantasiosa, será excluído, ou mesmo eliminado.

  • em
    Permalink

    Olá Joice, não é tão simples se libertar de ver somente sombras, mas não é nada impossível. Agora a tua pergunta depende de um contexto, você poderia contextualizar?

    Abraço, Benito Pepe

  • em
    Permalink

    olá “Anônimo” por favor melhore seu questionamento…
    Abraço, Benito Pepe

  • em
    Permalink

    Será que a saída da Caverna, é um ponto positivo ou negativo? Pois veja bem, ao sairmos desta caverna, estamos entrando num mundo totalmente novo e real, será o oposto do que viamos nas sombras de dentro da Caverna. Se uma pessoa sair da Caverna e vier contar aos outros o que viu e sentiu, este será taxado de louco, mas e se todas as pessoas saíssem da Caverna, seríamos todos taxados de loucos ou seriam uma revolução da forma de pensar?. Acho que Sócrates e Platão pensaram em algo tão complexo que só quem passa por isso sabe do que eles estão falando, mas quem passa por isso,realmente acha que viu um resticio de luz de fora da Caverna? Como saber quando estivermos saindo da Caverna?

  • em
    Permalink

    Olá Novak, ótimas reflexões. Obrigado por contribuir para e com o Pensamento.

    Abraços, Benito Pepe

  • em
    Permalink

    Para voce, estamos fora ou dentro da caverna ? Visando os acontecimentos de hoje em dia (educação, politica, vida publica ou privada).

  • em
    Permalink

    Olá Valéria essa reflexão deve ser dada por você primeiro… o que você me diz?

    Abraço, Benito Pepe

  • em
    Permalink

    Olá, sei que este post é antigo e talvez vc não receba essa mensagem, mas eu gostaria de saber, que relação existe entre a alegoria da caverna e o politico? Também gostaria de saber oq é o “ideal de sofocracia” para Platão.
    Gostei muito do texto, interessantíssimo! Abraços.

  • em
    Permalink

    Excelente texto, ótima pergunta de Carol Lopes. Também gostaria de saber.

  • em
    Permalink

    Olá Carol Lopes, esta postagem é relativamente antiga, mas eu sempre respondo a todos os comentários. posso demorar mais respondo heheh

    Nesta alegoria da caverna de Platão que está contida no seu livro “A República”, Platão tenta mostrar quem seria o melhor dirigente da cidade, ou seja o melhor homem para cuida da Polis, ou o melhor Político. Platão defende a ideia de que este seria o Filósofo… nesta mesma linha de raciocínio temos o Governo dos Sábio: sofocracia.

    Abraço, Benito Pepe

  • em
    Permalink

    Qual é a função do texto Alegoria da Caverna no conjunto geral do livro A República?

  • em
    Permalink

    Olá Thaynara Carvalho, a “Alegoria da Caverna” não tem apenas uma função, mas certamente é uma alegoria que facilita muito o entendimento do que Platão queria passar para os seus contemporâneos. Já ouvi um depoimento bem interessante que dizia mas ou menos assim:

    Se a Filosofia Clássica e especificamente Platão é o centro do pensamento que influencia o mundo Ocidental, a “República” é mais central e a Alegoria é o centro do centro… mas isso precisa de meditação e mais análise, para não virá clichê…

    Abraços, Benito Pepe

  • em
    Permalink

    O que representou a alegoria da caverna? Resumidamente em 2 pontos de vistas diferentes ?

  • em
    Permalink

    Olá Alessandra, seu questionamento precisa de uma melhor contextualização, por favor…

    Abraço, Benito Pepe

  • em
    Permalink

    Olá!! Tenho acompanhado seu site atraves das leituras…Parabéns pelo trabalho. Então, eu preciso realizar um trabalho impecável de Pedagogia empresarial onde tenho que fazer uma análise comparativa entre o texto e o profissional. Até que ponto posso relacionar O Mito com a Pedagogia empresarial? obrigada

  • em
    Permalink

    Olá Roselene Bozzola! Obrigado pelo carinho comentário e ser minha leitora.

    Você pode relacionar o Mito ou melhor a Alegoria da Caverna, como gosto de chamar, com qualquer tipo de pedagogia…

    A Alegoria da Caverna de Platão é sem dúvida o coração do pensamento filosófico ocidental e o capitalismo se desenvolve nesse contexto, principalmente com o protestantismo Calvinista…

    Dedicação ao trabalho ao seu objetivo ou melhor ao objetivo da organização, auto-motivação e auto-direcionamento ao rumo da empresa, etc; são fatores que se podem ver nas entrelinhas do “cristianismo calvinista” e que tem também em suas raízes e métodos divulgadores e de maneira corroborativa Platão e sua Filosofia… Como a essencia do pensamento platonico pode se dizer que está nesta alegoria aí também estará o método (e a pedagogia) para a busca do conhecimento do verdadeiro Ser, do Verdadeiro Saber.

    Grande Abraço, Benito Pepe

  • em
    Permalink

    Olá Benito, gostaria que me ajudasse numa questão da Faculdade de Pedagogia, a pergunta é a seguinte: No texto A alegoria da Caverna, qual é a definição de alegoria e por que a palavra aparece no título do texto? Conto com sua ajuda.

  • em
    Permalink

    ola td bem preciso mito de sua ajuda gostei do seu texto e vi q é capaz de responder o q eu nao conseguo de um trabalho sera q me ajuda nessas questõs?
    1) Qual é a definição de alegoria e por que essa palavra aparece no título do texto de Platão?

    2) Como é colocada em questão a realidade ou mundo real na Alegoria da Caverna (seria interessante que vocês procurassem assistir ao filme Matrix 1, que é claramente inspirado no texto de Platão)?

    3) A figura do filósofo aparece representada no diálogo por aquele personagem que é misteriosamente libertado dos grilhões e forçado a empreender a dolorosa ascese em direção ao conhecimento da (verdadeira) realidade. Como seria possível compatibilizar a ideia de que o filósofo é o amante ou amigo do saber, o que nos faz pensar que ele tem um prazer natural em buscar espontaneamente a verdade por si mesmo, com a imagem do filósofo no diálogo em questão, segundo a qual ele é forçado a descobrir a verdade ao cabo de um processo nada prazeroso, mas, sim, bastante doloroso.

    4) Imagine que alguém dissesse a você que o que chamamos de mundo real não passa de ilusão ou sonho. De que modo você tentaria provar a essa pessoa que ela está errada em pensar assim?
    Desde ja obg!

  • em
    Permalink

    Olá Camila, na verdade acho que não há esse titulo em Platão, isso veio com o tempo e com a catalogação da obra de Platão… bem, uma alegoria está apensa querendo fazer uma relação, talvez uma simulação ou algo que se leve à reflexão e ao pensamento comparativo… por fim é uma maneira de representar o pensamento…

    Abraço, Benito Pepe

  • em
    Permalink

    Olá Gabi, volte por favor só com um questionamento sobre suas dúvidas, me desculpe você parece que copiou e colou as questões que o professor passou eheh

    Abraço, Benito Pepe

  • em
    Permalink

    boa tarde!

    poderia me ajudar nessas perguntas?

    1. Como Platão representa a realidade na Alegoria da Caverna?
    2. Como se dá o processo de libertação do prisioneiro? Por que o prisioneiro sofre ao ser libertado?
    3. Por que o prisioneiro, uma vez tendo saído se libertado e se transformado num sábio, deve voltar à caverna?
    4. O que ocorre na volta do prisioneiro à caverna?
    5. Quem é esse prisioneiro que se liberta?

  • em
    Permalink

    o que seria o mundo atual iluminado pelo sol da verdade?

  • em
    Permalink

    Olá Diane, esse é um bom questionamento…. Certamente seu professor(a) deve ter desenvolvido uma explanação ou recomendado um texto para leitura e reflexão sobre o tema… tente relembrar o que representa o Sol… e o que representa a Caverna… reflita nestes pontos…

    Boa reflexão,

    abraços, Benito Pepe

  • em
    Permalink

    Olá meu camarada! Nos meus 3/4 de século que já vivi já vi esta caverna se modificar, e o pensamento dos seus habitantes se modificarem a cada dia que passa. A caverna continua com um Oriente e um Ocidente, porém os reinos já foram desfeitos, já não são mais unidos.As labaredas cada dia que passa aumenta mais o seu calor, seus fantasma assustando dia a dia, seus habitantes, os mais poderosos, com seus requintes de tecnologia, buscando em outas cavernas lugares com novos sois… Eu fico imaginando se Platão. ainda estivesse por aqui, qual seria o pensamento dele, desta caverna que estamos habitando. Onde os fantasma tem medo das figuras fantasmagóricas que reflete na luz do sol; e da luz da lua, nem se fala .A realidade da caverna é criada com os acontecimentos macabros diários que acontecem diariamente. a verdade é que a era de Platão comparada a de hoje, era mamão com açúcar… Vamos tocando o barco meu amigo, e aquele abraç odo amigo J.M.dias

  • em
    Permalink

    Grande comentário, como sempre, grande JM Dias!

    Você contribui e muito ampliando a possibilidade de novas reflexões contemporâneas e até mesmo futuras quanto aos textos que aqui são publicados.

    Grande abraço,

    Benito Pepe

  • em
    Permalink

    Olá Pepe, gostaria saber como o prisioneiro liberto deve proceder ao retornar à caverna.

  • em
    Permalink

    Olá Paulo Henrique,

    Vamos pensar juntos… reveja o contexto em que se encontrava o preso, pense na realidade que ele conhece ao sair da Caverna, o que você acha que ele deveria fazer ao retornar e encontrar seus colegas ignorantes… mas sabemos o que ocorreu e sabemos o que infelizmente ocorre quando tentamos tirar a ignorância em muitas situações.. pense um pouco…

    Grande abraço,

    Benito Pepe

  • em
    Permalink

    o que e aparência e o que e realidade a partir da visão de platão? como se chegar a estas duas condições?

  • em
    Permalink

    Se pensarmos na “alegoria da Caverna” de Platão, discípulo de Sócrates,

    poderíamos interpretar a nossa realidade cultural, social ou política hoje? Explique.

  • em
    Permalink

    Olá Benito
    seus trabalhos tem sido bastante esclarecedores para mim, gostaria se fosse possível que ajudasse a compreender melhor e responder essas duas questões sobre a alegoria da caverna.
    Como seria possível compatibilizar a ideia de que o filósofo é o amante ou amigo do saber, o que nos faz pensar que ele tem um prazer natural em buscar espontaneamente a verdade por si mesmo, com a imagem do filósofo no diálogo em questão, segundo a qual ele é forçado a descobrir a verdade ao cabo de um processo nada prazeroso, mas, sim, bastante doloroso.

    Se alguém dissesse a você que o que chamamos de mundo real não passa de ilusão ou sonho. De que modo você tentaria provar a essa pessoa que ela está errada em pensar assim?

  • em
    Permalink

    Thallis Patrick, este tipo de pergunta acadêmica eu não respondo mas posso ajudar na reflexão…

    Releia o texto e suas anotações de sala de aula quando o teu professor está explicando, vá além e leia o texto completo com calma, veja o contexto e reflita fazendo uma análise com o dentro e o fora da caverna, ok?

    Abraço,

    Benito Pepe

  • em
    Permalink

    Claro que sim Debora, como você acha que isso ocorreria?

    Abraço,
    Benito Pepe

  • em
    Permalink

    Olá Patricia esta é uma questão de sala de aula e por isso eu não posso mais responde-la neste site/blog mas te dou uma dica: veja o cara que consegue escapar da Caverna como sendo o Sócrates e ai….

    Grande abraço

    Benito Pepe

  • em
    Permalink

    Por favor, qual o nome do livro que trata a história da caverna? Envie a resposta para: [email protected] Obrigado!

  • em
    Permalink

    Caro Fabricio, esta resposta está no título deste texto ou seja o Livro é a Republica de Platão e está no Livro VII (ou seja é como se fosse o capítulo 7)

    Abraço,
    Benito Pepe

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.