Considerações finais quanto ao texto “A Filosofia e a Astronomia: instâncias em que o thauma aparece”

Concluindo este texto…

Podemos meditar que “só” teríamos consciência que “existimos”, no sentido mais profundo da palavra, através dos estudos da fenomenologia ou fenomenólogos. Da mesma maneira só poderíamos ter consciência de nossa origem cósmica através dos estudos da astronomia e da cosmologia.

Certamente Galileu Galilei(1), entre outros astrônomos da chamada modernidade, tinha uma visão de fenômeno bem diferente das que têm os estudiosos da nova astronomia na contemporaneidade, como é o caso dos estudos da física quântica e seus desdobramentos teóricos, ainda tão embrionários, mas inimagináveis naquela época.


Entretanto poderíamos considerar Galileu como aquele que por primeiro toma a iniciativa de observar os fenômenos do cosmos com “outros olhos” em dois sentidos: 1) não eram mais nus, pois se utilizava de um instrumento, uma luneta, para observar o Céu; 2) se utilizava da matemática nos seus estudos experimentais da natureza (elaborando algumas leis entre elas a lei da queda livre dos corpos).

Com o advento da física quântica a idéia de fenômeno, no que se refere à cosmologia muda substancialmente, o sentido de “existência” também; da mesma maneira as “certezas” de outrora agora com o “principio da incerteza”(2) de Heisenberg modificam nosso pensamento quanto à questão da existência, como diz Andreeta:

Sabemos que tudo o que existe no nosso universo (e também nós mesmos) é constituído de minúsculas partículas de matéria e de energia, e que forças naturais atuam sobre essas partículas, aglomerando-as para formar tudo o que existe. Porém, hoje não existe mais distinção entre matéria e energia. Segundo Einstein, matéria e energia são dois estados diferentes de uma mesma “substancia quântica universal”. Os conhecimentos científicos atuais parecem, portanto, convergir com os da filosofia antiga, que afirmam que tudo o que existe deve provir de uma única fonte. (2004, p.9).

Outra questão que não podemos desconsiderar é que hoje os Astrônomos estudiosos dos fenômenos observacionais estão constantemente em uma corrida com os Astrônomos que estudam teoricamente este mesmo universo, às vezes surgem teorias que só serão comprovadas muito tempo depois com a observação, como já ocorreu; outras vezes as observações extraordinárias estão na frente e espera-se uma teoria para explicar ou entender esses fenômenos.

Na verdade muitos fenômenos parecem inexplicáveis para o homem, contudo da mesma forma que este ser que é capaz de perguntar sobre o Ser, talvez nunca tenhamos as respostas. Entretanto isto não significa que não devamos continuar na busca, aliás isto é uma das características deste homem, um constante desbravador… um constante questionador, um ser em thauma por natureza, como também o é a própria natureza, o cosmos, o universo.

A revolução no pensamento que ocorre na modernidade quando o homem “destrói” o cosmos grego, com Copérnico, Galileu e Descartes, ocorre também, de forma não tão elementar, na contemporaneidade. As revoluções que ocorrem no pensamento com Darwin, Freud e Einstein na contemporaneidade ainda não foram amplamente absorvidas pela humanidade; no fundo nem mesmo muitos fatos da modernidade com Copérnico, Galileu, Giordano Bruno entre outros, também não o foram.

Como nos relembra Michel Foucault, em Arqueologia das Ciências e História dos Sistemas de Pensamento:

Freud fala, em algum lugar, que há três grandes feridas narcísicas na cultura ocidental: a ferida imposta por Copérnico; aquela feita por Darwin, quando ele descobriu que o homem descendia do macaco; e a ferida feita por Freud, já que ele próprio, por sua vez, descobriu que a consciência repousava na inconsciência. (2000, p.43).

De qualquer maneira provavelmente em um futuro não muito distante a humanidade compreenderá a nova revolução trazida por Einstein e pela física quântica no século recentemente findado.

Hoje percebemos claramente uma nova revolução científica em todos os campos do conhecimento, porém muitos não são sabedores que tantas destas tecnologias que usamos como: microondas, Cds, aparelhos de raios-X, entre outras, provém dos conhecimentos da física quântica. Sim, é a nova física revivendo, ou melhor, relembrando a importância da velha física, e agindo no mundo desde os primórdios gregos.

O nosso desenvolvimento (nossa evolução) passa por uma fase de grande transformação intelectual. Da mesma maneira que a humanidade vai aos poucos saindo do campo para as cidades, ou seja, em um êxodo rural, nosso trabalho vai deixando o uso braçal para o intelectual, de forma nunca antes imaginada. Nossa desterritorialização (para usar um conceito Deleuziano) requer um esforço acelerado e a criação de “novos territórios”.

Agora o senso comum não tem mais o mesmo valor, a “necessidade” de especializações nas diversas áreas, faz com que um indivíduo ou pequenos grupos, tome para si “conhecimentos” que antes não eram tão segmentados e podiam ser compartilhados com um grupo muito maior de pessoas. Hoje o conhecimento mais do que nunca é estreitado e especializado (um generalista sabe um pouco de tudo, um especialista sabe um muito de pouco) e assim ocorre com a humanidade, mas essa massa toma “conhecimento” e utiliza-se das novas descobertas sem mesmo imaginar como elas chegaram àquele ponto, e toda essa tecnologia contribui para impulsionar o esquecimento do ser; assim o espanto passa a estar nos diversos fetiches, “brinquedos”, mimos que são criados para nos encantar.

O homem da contemporaneidade atribuído de tantas tarefas e rotinas, não percebe de imediato as novas revoluções no pensamento que ocorrem com Einstein e a física quântica, ou melhor, percebem mas não sabem de onde vem. Nem mesmo nós que estudamos as relações da Astronomia e da filosofia podemos imaginar o que de fato ocorrerá com o pensamento nos próximos séculos depois de começarmos a entender que “tudo faz parte de um Todo” e, continuando com as palavras de Andreeta:

Vistos no plano atômico, todos os corpos que constituem o universo do ser humano possuem um comportamento dinâmico de troca de partículas. Os átomos que estão agregados aos corpos não são permanentes. Eles fluem constantemente através dos corpos sólidos: a pedra e o corpo físico humano compartilham os mesmos átomos. (…) Como os átomos fluem constantemente de um corpo para outro, a separação entre os corpos é, portanto, ilusória. Mesmo que o ser humano queira, não pode se isolar dela e de nada. (2004, p.20).

A física quântica, ainda que não seja plenamente entendida, já modifica a vida das pessoas, como ocorreu com a revolução do pensamento na modernidade. Após um período de Crise da razão, principalmente nos pós-guerras, vivemos um novo momento neste início do século XXI altamente revolucionário, conseqüência de diversos fatores como: a Internet, a globalização, e uma série de tecnologias, que estão promovendo novas mudanças no pensamento em diversos campos como: sociais, políticos, morais, econômicos, literários, artísticos e religiosos; fatos também ocorridos na idade moderna de Copérnico e Galileu, e que agora ocorrem de maneira extraordinária com Einstein e com a física quântica e seus novos produtos.

Mas com tudo isso não podemos nos afastar do thauma originário, do espanto que faz com que estejamos aqui; o Poder de Ser. Precisamos voltar às origens, precisamos voltar a ser crianças, precisamos re-des-cobrir a epifania manifesta no mundo, na vida! Nas palavras de Brockelman:

O que se reclama, então é uma nova maneira de ver as coisas que possa nos ajudar a viver de forma mais apropriada na natureza; na inesquecível expressão de Emily Dickinson, trata-se de ver as coisas com “um olho desguarnecido”. Precisamos nos deslumbrar com o extraordinário milagre da vida, com a espantosa epifania que ela manifesta. Precisamos ser tocados e transformados em nosso âmago.

Talvez nossa cultura industrial moderna esteja passando por essa transformação em seu modo de ver as coisas, e talvez uma mudança de paradigma esteja permitindo ver a natureza e a vida com novos olhos. (2001, p.25).

Essa mudança de paradigma, sem precedentes é sem duvida a física quântica e toda a nova revolução que ela vem causar ao pensamento. Então teremos mais uma vez a Astronomia ou física influindo na maneira de pensar; e dessa vez esperamos que proporcione com este novo Thauma um retorno ao sentido do Ser e a um relembrar do Céu.

Abraços do Benito Pepe


No próximo tópico apresento as Referências Bibliográficas completas;

Depois meus agradecimentos aos que colaboraram com este texto;

E por fim os comentários feitos pela banca examinadora.

Notas:
(1) Galileu Galilei (1564-1642) é conhecido como um dos pais da física moderna.
(2) O princípio da incerteza de Heisenberg consiste num enunciado da mecânica quântica, formulado inicialmente em 1927, impondo restrições à precisão com que se podem efetuar medidas simultâneas de uma classe de pares de observáveis. Por exemplo: não se pode saber ao mesmo tempo a posição e a velocidade de um elétron.
Referências bibliográficas

ANDREETA, José Pedro. Quem se atreve a ter certeza? : a realidade quântica e a filosofia. 1. ed. São Paulo: Mercuryo, 2004.

BROCKELMAN, Paul. Cosmologia e criação: a importância espiritual da cosmologia contemporânea. 1.ed. São Paulo: Edições Loyola, 2001.

FOUCAULT, Michel. Arqueologia das ciências e história dos sistemas de pensamento. Ditos e escritos II, Manuel Barros da Motta (Org.) 1.ed. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2000.

Benito Pepe

Benito Pepe: Empresário há mais de 30 anos, Administrador, Filósofo, Astrônomo Amador, Colunista, Palestrante, Instrutor e Professor Universitário. Tem formação acadêmica na área de Administração com pós-graduações em: Administração estratégica de empresas; Marketing; Filosofia Contemporânea; e Filosofia Antiga. Publica Aqui, seus textos sobre Filosofia, Astronomia, Administração, Marketing, Religião, Assuntos da Atualidade, além de um Papo geral.

Um comentário em “Considerações finais quanto ao texto “A Filosofia e a Astronomia: instâncias em que o thauma aparece”

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.