A F1 – Fórmula 1 – em Alegoria a uma empresa

Na Fórmula 1, quem gosta de assistir e acompanhar, nota claramente que as decisões e a diferença entre quem tem sucesso e quem perde ou é o principal vitorioso, está nos décimos de segundo e às vezes até nos milésimos de segundo…

Precisa-se tomar decisões em segundos e até em micro-segundos, isso ocorre tanto com a equipe ou com seu líder que seria o gerente na empresa, quanto com o piloto que é o representante visual da empresa, o homem da linda de frente, aquele que “aparece” ou não… aparece bem ou aparece mau, ou simplesmente não aparece.

A empresa pode ser comparada com o Piloto, o nome do piloto é o nome da empresa, é quem aparece. Quando falamos com alguma empresa automaticamente dizemos: olá é o fulano, e damos o nome da empresa. Muitas vezes reconhecemos o nome de uma pessoa e o seu “sobrenome” ou melhor o “nome da empresa”, assim: o João do banco tal, o Pedro da empresa tal, etc.

A mesma coisa ocorre com o atendente do telemarketing ou atendente telefônico das empresas, eles são os que “aparecem”, “são” a empresa, independente de isso ser um totalizador real é uma verdade. Se ele atender mau, o cliente vai falar que tal empresa é ruim.  É isso que ocorre, ou não é? Ou há alguém que diz “puxa” não dei sorte peguei um mau atendente…

Correlacionando a fórmula 1 podemos ampliar essas ideias:

1. quem aparece é o piloto;

2. o “gerente” muitas vezes não aparece, mas ele também é o responsável pelo sucesso ou fracasso da equipe/empresa.
3. os proprietários “aparecem” como os Investidores, como os que têm ou não Ousadia – são ou não Arrojados, têm ou não Visão empresarial.

4. não podemos esquecer de maneira nenhuma os que muitas vezes ficam por de trás dos bastidores e cuidam da limpeza, da troca de pneus, da reposição de materiais, da alimentação, da saúde e segurança dos pilotos etc.

Em fim podemos notar claramente que muitos “desses pontos” são esquecidos ou menosprezados e considerados inferiores, mas são justamente esses detalhes que fazem o sucesso ou o fracasso de uma “equipe” em comparação a outra.

Quando visitamos um restaurante pela primeira vez, não conhecendo ainda nada quanto à higiene e qualidade, vamos ao banheiro lavar as mãos antes da refeição, se notamos uma limpeza ausente, ou um mau cheiro e coisa do gênero, acho que muitos de nós já começamos a pensar e repensar se permaneceremos ali, muitos dirão: eu vou embora na hora…

Bem, quero dizer com isso que às vezes e muitas são essas vezes, uma das funções mais simples na empresa pode fazer a diferença do sucesso ou do fracasso dessa empresa.

Na formula 1 muitas vezes os milésimos de segundos mostram quem vai vencer e quem perderá a competição. Em qualquer empresa, em um mercado de concorrência, se passa a mesma coisa, são frações de segundo que vão separar a vencedora da perdedora…

Para as empresas, não cabem “só” a limpeza do banheiro mencionada no exemplo anterior, podemos incluir: a limpeza de todas as instalações, dos produtos em exposição, dos ambientes de trabalho com transparência de limpeza ou não, o odor no ambiente, a iluminação. Enfim há uma infinidade de frações de segundos a serem considerados.

Outros exemplos que se somam às frações de segundos e agora já podem ser computados em segundos ou minutos de diferença, é o atendimento do pessoal na empresa. Um bom atendimento seja do garçom, seja da simpatia da secretária que atende o cliente, ou seja lá de quem for que tenha contato com o cliente, pode fazer a grande diferença. Mas isso a maioria das empresas sabem, e os “vendedores” sabem que o atendimento faz a diferença, não há dúvidas quanto a isso.

Em outras palavras, com alguma exceção contingêncial, as equipes de fórmula 1 e as empresas, possuem excelentes pilotos.

Então onde a empresa pode ganhar a “corrida” da concorrência é nos décimos e milésimos de segundo. Precisamos de uma boa diretoria que nos proporcione condições de enfrentar a concorrência; precisamos de um comprometimento e uma dedicação elementar; precisamos encarar nosso trabalho com responsabilidade e determinação; precisamos não só nós nos comprometermos com a equipe mas incentivar aos outros para que o façam.

Não adianta nada, o piloto mostrar um grande potencial, atingir as metas, porém ser irresponsável na hora certa de entrar no boxe ou errar uma freada. Basta um pequeno erro e a corrida estará perdida. Caro colega, não nos é permitido errar, imagine se um piloto de avião pudesse errar….

Agora, e se o piloto não obstante a ser um ótimo piloto, resolve não correr naquele dia ou mesmo treinar fervorosamente, será que alcança resultados quem não treina? Ou quem não entra na Corrida? Será que o piloto pode deixar de ir um dia treinar ou correr sem que seja bem evidenciado a toda equipe esse fato com antecedência? Salvo uma calamidade, é claro.

Nós somos pilotos de fórmula 1! E então somos da equipe vencedora ou da perdedora?

Abraços do Benito Pepe

Benito Pepe

Benito Pepe: Empresário por 30 anos, Administrador, Filósofo, Astrônomo Amador, Colunista, Palestrante, Instrutor e Professor Universitário. Tem formação acadêmica na área de Administração com pós-graduações em: Administração estratégica de empresas; Marketing; Filosofia Contemporânea; e Filosofia Antiga. Publica Aqui, seus textos sobre Filosofia, Astronomia, Administração, Marketing, Religião, Assuntos da Atualidade, além de um Papo geral.

2 comentários em “A F1 – Fórmula 1 – em Alegoria a uma empresa

  • em
    Permalink

    O texto me passou muito claramente a seguinte mensagem:

    Quando fazemos parte de uma empresa devemos vestir a camisa 100%, todos na equipe são importantes cada um na sua função, fazendo o melhor possível .
    Devemos ver nossos clientes como a peça fundamental para o nosso sucesso (estando ele certo ou errado), Afinal estamos representando o nome da empresa. Devemos também dar importância às mínimas coisas, pois muita das vezes e o que faz a diferença.
    A participação da Diretoria é fundamental, o acompanhamento na empresa, a presença o maior tempo possível, a verificação se o trabalho realmente esta sendo feito, enfim, a boa administração é o que faz a empresa permanecer no mercado.
    Discordo de que errar não nos é permitido, pois, só erra quem trabalha. Claro que devemos ter consciência de que errar toda hora e prejudicar a empresa não é correto, mas infelizmente o ser humano estar mais propenso a erros do que acertos, o ideal e nos dedicarmos ao maxímo para nossos acertos superarem nossos erros.

  • em
    Permalink

    Olá Ana Paula, obrigado pelo comentário.

    Fico feliz que você tenha entendido tão bem o espírito do texto. Quanto a vestir a camisa 100% está certo, mas precisamos vestir em primeiro lugar a nossa própria camisa, se assim não o fizermos não saberemos vestir nenhuma outra camisa; como se faz isso? É simples: estudando, cuidando da nossa saúde, assistindo a palestras, lendo bons livros, ouvindo as pessoas que tem conhecimentos especializados, etc. Isso é vestir a nossa camisa, ou seja nos prepararmos para muitas coisas em nossa Vida, assim alcançamos o Sucesso tanto na empresarial, quanto no social e familiar. (então, devemos vestir a nossa camisa em primeiro lugar, ok?)

    Para se entender um pouco mais sobre isso pode ver o artigo > http://www.benitopepe.com.br/2009/11/21/a-importancia-do-relacionamento-empresarial-e-do-tempo/ aí há um item relativo aos cuidados pessoais, etc.

    Quando eu digo “Caro colega, não nos é permitido errar, imagine se um piloto de avião pudesse errar….” É claro que isso é um exagero, foi apenas colocado ali dentro do conjunto de argumentos alegóricos à formula 1, reveja o parágrafo em seu conjunto:

    “Não adianta nada, o piloto mostrar um grande potencial, atingir as metas, porém ser irresponsável na hora certa de entrar no boxe ou errar uma freada. Basta um pequeno erro e a corrida estará perdida. Caro colega, não nos é permitido errar, imagine se um piloto de avião pudesse errar….”

    Mas é claro que quanto a este ponto, o piloto não pode errar mesmo, se ele erra pode perder a corrida, é assim que as coisas acontecem na fórmula 1, e muitas vezes nas empresas também. Errar é humano, mas se erramos muito mais do que acertamos não podemos estar correndo na fórmula 1, ali só ficam os melhores, assim também é nas grandes empresas, é com os pilotos de avião etc. Para errar menos precisa-se treinar mais e mais, e é isso que o Airton Sena fazia, você já deve ter ouvido falar que quando todos iam embora para casa ele continuava treinando… por isso ele foi o Airton Sena! Detalhe, ele também errava, e muito, mas os seus acertos eram infinitamente maiores.

    O ser humano comum (que não treina) está mais propenso a erros do que acertos, mas aquele que treina mais, acerta mais, aliás é por isso e para isso que se fazem palestras, curssos, se estuda, se lê, em fim a Vida é dos corajosos e dedicados, como eu sei que é o teu caso. Isso se pode ver com a tua volta aos estudos, o que você está fazendo muito bem, Parabéns e sucesso!! Estou feliz com você e por você.

    Abraços do Benito Pepe

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.